A desleitura como tática, ou a tática da desleitura: reflexões sobre João Gilberto, Dorival Caymmi e a busca da legitimação de uma identidade artística

Autores

  • Tiago de Souza

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530401012016074

Palavras-chave:

João Gilberto, Dorival Caymmi, Identidade, Desleitura, Táticas Simbólicas

Resumo

Nesse artigo, de caráter musicológico, faremos uma análise comparativa utilizando duas interpretações da música Rosa Morena: uma do seu próprio autor Dorival Caymmi (1914-2008) e outra de João Gilberto (1931-). A partir da utilização do conceito de Campo, definido por Bourdieu (1996; 2013), iremos abordar o cenário em que o disco Chega de Saudade é lançado. Nossa premissa será que Gilberto, ao utilizar a composição Rosa Morena como base para seus procedimentos artísticos específicos, acaba estabelecendo uma desleitura da obra de Caymmi. Identificada como uma ação deformadora, a desleitura seria uma ferramenta de caráter tático, agindo dentro um ambiente de intensos conflitos e responsável por capitalizar bens simbólicos para a Bossa Nova, porém, tal economia acontecerá em uma via dupla: ao mesmo tempo em que se fortalecem as especificidades do novo estilo, a desleitura o enfraquece, devido à conexão que se estabelece com a tradição da música popular que Caymmi representa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tiago de Souza

Historiador, formado pela UERJ.
Mestre em Musicologia pela UFRJ.

Referências

ALPERS, Svetlana. O projeto de Rembrandt: o ateliê e o mercado. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

ARAUJO, F.M., ALVES, E.M. & CRUZ, M.P. Algumas reflexões sobre o conceito de campo e de “habitus”. Revista Perspectivas da Ciência e Tecnologia: Rio de Janeiro, v.1, n.1, jan/jun, p. 31-40, 2009.

ARENDT, Hannah. Entre o Passado e o Futuro. São Paulo: Perspectiva, 2014.

BARROS, José D’Assunção. História Comparada. Petrópolis, RJ: VOZES, 2014.

______. Teoria da História. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

BAUMAN, Z. Identidades. Rio de Janeiro: JZE, 2005.

BESSA, Virgínia de Almeida. A escuta singular de Pixinguinha: história e música popular no Brasil dos anos 1920 e 1930. São Paulo: Alameda, 2010.

BLOOM, Harold. A anatomia da influência: literatura como modo de vida. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.

______. Um mapa da desleitura. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.

______. A angústia da influência: Uma teoria da poesia. Rio de Janeiro: Imago, 2002.

BOLLOS, Liliana Harb. Bossa Nova e crítica: polifonia de vozes na imprensa. São Paulo: Annablume; Rio de Janeiro: Funarte, 2010.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2013.

______. As Regras da Arte: Gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

______. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

______. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

BUSCACIO, Gabriela Cordeiro. O campo artístico brasileiro na redemocratização polí-tica – MPB e Rock nacional. XXXVII Simpósio Nacional de História. Anpuh, Natal, 2013.

CASTRO, Ruy. Chega de Saudade: a história e as histórias da Bossa Nova. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

CAYMMI, Stella. Caymmi e a bossa nova: o portador inesperado (1938-1958). Rio de Janeiro: Ibis Libris, 2008.

______. Dorival Caymmi: o mar e o tempo. São Paulo: Editora 34, 2012.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

COHEN, Sara. Polirritmos nos estudos para Piano de Gyorgy Ligeti (Primeiro Caderno). 2007. Tese (Doutorado em Música). Centro de Letras e Artes – Programa de Pós-graduação em Música.

COOPER, Grosvenor & MEYER, Leonard. The rhythmic structure of music. Chicago: University of Chicago Press, 1963.

DERRIDA, Jacques. A farmácia de Platão. São Paulo: Iluminuras, 1991.

DINIZ, Edinha. A grande síntese. In: GARCIA, Walter (org). João Gilberto. São Paulo: Cosac Naify, p. 242-250, 2012.

DOMINGUES, André. Caymmi sem folclore. São Paulo: Editora Barcarolla, 2009.

FINNEGAN, Ruth. O que vem primeiro: o texto, a música ou a performance? In: MATOS, Claudia Neiva de, MEDEIROS, Fernanda Teixeira de & TRAVASSOS, Elizabeth (orgs). Palavra cantada: ensaios sobre poesia, música e voz. Rio de Janeiro: 7Letras, p. 15-43, 2008.

GARCIA, Walter. Bim Bom: a contradição sem conflitos de João Gilberto. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

______. (org). João Gilberto. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

GAVA, José Estevam. A linguagem harmônica da Bossa Nova. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

GIDDENS, Anthony. A vida em uma sociedade tradicional. In: BECK, Ulrich, GIDDENS, Anthony & LASH, Scott. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Editora Unesp, p. 62-105, 212.

GINZBURG, Carlo. O Queijo e os Vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

______. Señales: Raíces de un Paradigma Indiciario. In: GARGANI, Aldo (org). Crisis de la Razón. México, p. 10-35, 1983.

GUSMÃO, Luis de. O fetichismo do conceito: limites do conhecimento teórico na investigação social. Rio de Janeiro: Top books, 2012.

HESSE, Hermann. Demian. Rio de Janeiro: Record, 2015.

JAUSS, Hans Robert. A História da Literatura como provocação à Teoria Literária. São Paulo: Ática, 1994.

JOBIM, Tom. Encontros. Organização e apresentação Frederico Coelho e Daniel Caetano. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2011.

JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem. Campinas, SP: Papirus, 2012.

KOSELLECK, R. Modernidade. In Futuro Passado – Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, p. 267-303. 2006.

LANA, Jonas Soares. Performance, invenção e subversão: reflexões sobre o uso dos conceitos de estratégia e tática de Michel Certeau no estudo da música. XXVII Reunião

Brasileira de Antropologia. Pará. 2010. Disponível em: www.academia.edu. Acesso em 07/02/2016.

LERDAHL, Fred & JACKENDOFF, Ray. A generative theory of tonal music. Cambridge: MIT Press, 1983.

LESTER, Joel. The Rhythms or tonal music. Carbondale and Edwardsville: Southern Illinois University Press, 1986.

LIMA, Denise Maria de oliveira. Campo de poder, segundo Pierre bourdieu. Revista Cogito. Salvador. n. 11, p. 14-19, outubro de 2010.

MATOS, Claudia Neiva de, MEDEIROS, Fernanda Teixeira de &TRAVASSOS, Elizabeth (orgs). Palavra cantada: ensaios sobre poesia, música e voz. Rio de Janeiro: 7Letras, p.

-43, 2008.

MATOS, Eliane Bragança de. A gênese da resistência criativa nas idéias de agência de Certeau e Habitus de Bourdieu. XXXV Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro, 2011.

MEDAGLIA, Júlio. “Balanço da Bossa”. In: CAMPOS, Augusto de. Balanço da Bossa e outras bossas. São Paulo: Perspectiva, p. 67-124, 2008.

MELLO, Zuza Homem de. Eis aqui os bossa nova. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2008.

MENESCAL, Roberto. A renovação estética da Bossa Nova. In: DUARTE, Paulo Sérgio & NAVES, Santuza Cambraia. Do Samba-canção à Tropicália. Rio de Janeiro: Reluma Dumará: FAPERJ, p. 56-62, 2003.

MENEZES, Enrique Valarelli. A música tímida de João Gilberto. 2012. Dissertação (Mestrado em Música) - Escola de Comunicação e Artes: Programa de Pós-graduação em Música – Universidade e São Paulo.

MESSIAEN, Olivier. Traité de rythme, de couleur, et d’ornithologie. Paris: Alphonse Leduc, volume I, 1949-1992.

OLIVEIRA, Felipe Souza leão de. História e crítica literária: o caso Harold Bloom. XXVII simpósio nacional de história. Conhecimento histórico e diálogo social. XXXVII Simpósio Nacional de História.Anpuh, Natal, 2013.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. Petrópolis: Vozes, 2013.

PEREIRA, Mateus H. De Faria & SARTI, Flavia Medeiros. A leitura entre táticas e estratégias? Consumo cultural e práticas epistolares. ASPHE/FaE/UFPel, Pelotas, 2010. Disponível em: http://FAE.ufpel. Edu.br/asphe. Acessado em 01/02/2016.

PINTO, Júlio Pimentel. A leitura e seus lugares. São Paulo: Estação Liberdade, 2004.

REIS, Eliana Lourenço de Lima. Pós-colonialismo, identidade e mestiçagem cultural: a literatura de Wole Soyinka. Belo horizonte. Editora UFMG, 2011.

RISÉRIO, Antonio. Caymmi: Uma utopia de lugar. São Paulo: Perspectiva, 1993.

SCHOENBERG, Arnold. Fundamentos da composição musical. São Paulo: EDUSP, 2012.

SOUZA, Rodolfo Coelho de. Intertextualidade na música pós-moderna. In: SEKEFF, Maria de Lourdes & ZAMPRONHA, Edson (orgs). Arte e Cultura V: estudos interdisciplinares. São Paulo: Anablume; Fapesp, p. 53-74, 2009.

TATIT, Luiz. O século da canção. Cotia: Ateliê Editorial, 2004.

TINHORÃO, José Ramos. Música popular: um tema em debate. São Paulo: Editora 34, 2012.

TRIGO, Maria H. Bueno. Habitus, campo, estratégia: uma leitura de Bourdieu. Cadernos CERU. São Paulo. Série 2, n. 9, p. 45-55, 1998.

VELOSO, Caetano. Antropofagia. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2012.

Downloads

Publicado

2016-07-12

Como Citar

DE SOUZA, T. A desleitura como tática, ou a tática da desleitura: reflexões sobre João Gilberto, Dorival Caymmi e a busca da legitimação de uma identidade artística. Orfeu, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 074-108, 2016. DOI: 10.5965/2525530401012016074. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/7075. Acesso em: 2 fev. 2023.