Colibri e Caranguejo: genealogia e edição de dois choros pioneiros para violão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530406012021e0022

Palavras-chave:

Repertório para violão, choros pioneiros, circo e violão, polca e choro, edição musical para violão

Resumo

No repertório exclusivo para violão, à exceção de algumas obras de Villa-Lobos, ainda são raras e/ou desconhecidas as peças para o instrumento que remetem ao período de consolidação do choro como gênero musical, um processo que se alastrou de meados do século XIX até os decênios iniciais dos novecentos. Na tentativa de colaborar com o preenchimento da lacuna, o presente artigo objetiva apresentar ineditamente dois choros para violão compostos por volta de 1912: Colibri, de Melchior Cortez (1882-1947); e Caranguejo, de Francesco Rosa Gadanho (1872 -?). Em diálogo com trabalhos de referência sobre o tema e através do levantamento de fontes, edições e manuscritos até então desconhecidos, o texto tem como objetivos secundários traçar uma genealogia preliminar das obras e de seus compositores, destrinchar a relação composicional das peças (que podem ser tocadas em versões para solo ou duo), discutir sucintamente algumas das possíveis razões que justificam porque poucas peças do gênero sobreviveram, avaliar possíveis intersecções entre violão e circo no ínterim em questão, bem como analisar de que forma os imbricamentos musicais e a permeabilidade terminológica que rondaram o período  de constituição do choro também estão presentes nos subtítulos e no conteúdo musical das peças suscitadas. Finalmente, apresentamos os critérios que nortearam uma iminente edição moderna das partituras, a ser publicada em parceria com a editora Legato. Como resultado, acreditamos que a discussão de tais perspectivas não somente colabora para alargar o entendimento de nossas práticas de outrora, mas também possibilita que novas peças do repertório pioneiro do violão brasileiro sejam paulatinamente incorporadas na literatura do instrumento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Humberto Amorim, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) desde 2007. Doutor em Musicologia, Mestre em Práticas Interpretativas, possui ainda três graduações na área musical, além de ter obtido o Máster em violão clássico pela Universidade de Alicante (ESP). Já realizou concertos, palestras, comunicações e lançamentos em 13 países e publicou um DVD e dois livros pela Academia Brasileira de Música: Tacuchian por Humberto Amorim (2015), Ricardo Tacuchian e o Violão (2014) e Heitor Villa-Lobos e o Violão (2009), este último considerado pela crítica “a maior pesquisa já realizada sobre o assunto no Brasil” (Revista Violão Pro, 2009). Desde 2016, vem publicando uma série de artigos em revistas especializadas, frutos de seu período como pesquisador-residente (2015-2017) da Fundação Biblioteca Nacional.

Flavia Rejane Prando, SESC-SP

Flavia Prando, violonista, doutora e mestre em musicologia, pelo Departamento de Música da ECA- USP. Bacharel em música com habilitação em instrumento, violão, pelo Instituto de Artes da Unesp. É Pesquisadora em Ciências Humanas e Sociais do Centro de Pesquisa e Formação do SESC em São Paulo, onde desenvolve pesquisas e cursos nas áreas da música, com enfoque em música brasileira.

Ivan Paschoito, Editora Legato

Ivan Paschoito é formado em Editoração pela ECA/USP.  Como violonista e arranjador, teve seu primeiro arranjo publicado pela editora Cultura Musical, em 1983. Em seguida publicou trabalhos nas maiores editoras musicais brasileiras, Arlequim, Fermata, Ricordi, Vitale e também nos EUA,pela Guitar Solo Publications e SMP Press. São 241 arranjos e transcrições distribuídos em 19 álbuns e em mais de 150 partituras avulsas, impressas ou digitais. Como assessor editorial da Ricordi, preparou a edição do último trabalho de Henrique Pinto – Antologia Violonista – e as reedições do Método Paulinho Nogueira e do primeiro volume de A Escola de Tárrega, de Sodré. E também mais de 20 volumes para outros instrumentos, piano, órgão, flauta e violino, traduzidos e/ou editorados e publicados pela mesma Ricordi. Tem sua própria editora, a Legato, especializada em música impressa para violão, com mais de 100 títulos no catálogo.

Jefferson Luis Gonçalves da Motta, CCSP-SP

Jefferson Motta é mestre em música pela UNICAMP e bacharel em violão pela Faculdade Cantareira. Trabalha na organização das coleções que compõem o acervo da Discoteca Oneyda Alvarenga, entre elas, a Coleção Ronoel Simões e é integrante do coletivo Samba de Terreiro de Mauá.

Referências

ALMEIDA, Renato de. História da música brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: F. Briguiet & Comp., 1942.

AMORIM, Humberto. Melchior Cortez e a Academia Brasileira de Violão: uma página do ensino do instrumento na primeira metade do século XX. Vórtex, Curitiba, v. 6, n. 1, p. 1-27, 2018a.

AMORIM, Humberto. Melchior Cortez: um precursor do violão de concerto no Rio de Janeiro. Resonancias, Santiago (Chile), v. 22, n. 43, p. 13-42, jul./nov. 2018, 2018b.

AMORIM, Humberto. Idiomatismos na produção para violão de Melchior Cortez. Debates (UNIRIO), Rio de Janeiro, n. 21, p. 43-79, nov. 2018c.

AMORIM, Humberto. Três obras didáticas de Melchior Cortez (1882-1947): o violão entre os métodos clássicos e a Escola Moderna. Opus, v. 26, n. 1, p. 1-32, jan./abr. 2020.

ARAGÃO, Pedro de Moura. O baú do animal: Alexandre Gonçalves Pinto e o choro. Tese (Doutorado em Música). Centro de Letras e Artes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

BARROS, Josué de. Gemidos d’Alma: valsa. Rio de Janeiro: Sampaio Araújo & Ca, 1930. Partitura.

BOCCIA, Leonardo V. A troca da clave: sobre a notação natural da música para violão, um guia completo de referência. Salvador: edição do autor, 1997.

BORGES, Luís Fabiano Farias. Transformações Estilísticas do Choro: o Idiomatismo do Violão de Sete Cordas, da Consolidação a Raphael Rabello. Dissertação (Mestrado em Música). Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

BORGES, Luís Fabiano Farias. As Transformações das Formas Musicais do Choro. In: Anais do IV Encontro da ABET (Associação Brasileira de Etnomusicologia). Universidade Federal de Alagoas. 2008b, p. 60.

BORGES, Luís Fabiano Farias. O Violão de Sete Cordas no Brasil: de Tute a Raphael Rabello. Latvia: Novas Edições Acadêmicas, 2019.

BORGES, Luís Fabiano Farias; VOLPE, Maria Alice. O Violão Sete Cordas no Choro Tradicional e no Choro Não Tradicional. Revista Vórtex, Curitiba, v.8, n.3, p. 1-37, 2020.

BRAGA, Luiz Otávio. O Violão de Sete Cordas. 2o ed. Rio de Janeiro: Lumiar Editora, 2004.

CARELLI, Mário. Carcamanos e Comendadores. Os italianos de São Paulo: da realidade à ficção. São Paulo: Editora Ática, 1985.

CARNEIRO, Josimar. A Baixaria no Choro. Dissertação de Mestrado (Música). Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2001.

CARVALHO, Hermínio Bello de. Mudando de conversa. São Paulo: Martins Fontes, Espaço e Tempo, 1988.

CARVALHO, Hermínio Bello de. O canto do pajé: Villa-Lobos e a música popular brasileira. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1988.

CASTRO, Marcos Sampaio de. Bixiga: Um bairro afro italiano. São Paulo: Annablume, 2008.

CAZES, Henrique. Choro: Do quintal ao Municipal. 3a ed. São Paulo: Ed. 34, 2005 [1998]. Correio Paulistano, São Paulo, ano XLII, n. 14916. 18 fev. 1905, p. 2.

CORTEZ, Melchior. Colibri. Buenos Aires: Casa Romero y Fernandez, [s.d.]. Partitura.

COSTA, Eliene B. A. Um estudo das comédias mágicas O Chico e o Diabo e Os Irmãos

Jogadores, de Benjamim de Oliveira. Repertório, Salvador, v. 13, n. 15, p. 111-128, 2010.

COSTA, Rodrigo Heringer. Além do regional: a heterogeneidade de formações e instrumentos aplicados à performance do choro na passagem do século XIX ao XX. In: XXX Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música, 2020, Manaus. Anais... Manaus: Universidade Federal do Amazonas, 2020, p. 1-12.

DELL’ARA, Mario. La chitarra antica, classica e romantica. Ancona: Bèrben, 1988.

Diário de Notícias, Música, Rio de Janeiro (RJ), Ed. 1007, 30 mar. 1933, p. 9.

Diário do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro (RJ), 17 jan. 1828, p. 3.

GOULD, Elaine. Behind bars: the definitive guide to music notation. London: Faber Music, 2011.

JEFFERY, Brian. Fernando Sor: the complete works for guitar in fac-símiles of the original editions. 1o vol. London: Tecla, 1987.

Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, Movimento do Porto, Ed. 352, 18 dez. 1907, p. 5.

LIMA, Lurian J. R. da Silva. Suíte Popular Brasileira na trajetória de Villa-Lobos: “arte”, “povo” e uma suíte “à brasileira”. Dissertação (Mestrado em Música). Departamento de Artes/Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2017.

LISBOA JUNIOR, Luiz Américo. Da modinha ao sertão: vida e obra de Catulo da Paixão Cearense. São Luís: Instituto, 2016, iconografia CD Anexo.

LIRA, Mariza. Brasil sonoro: gêneros e compositores populares. Rio de Janeiro: Editora A Noite, 1938.

LLANOS, Carlos Fernando Elias. Nem erudito, nem popular: por uma ‘identidade transitiva’ do ‘violão brasileiro’. Tese (Doutorado em Música), Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

MACHADO, Cacá. O enigma do homem célebre: ambição e vocação de Ernesto Nazareth. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2007.

MATEUS, Marlos. O Comportamento Interpretativo do violonista Dino Sete Cordas (1918-2006) em diferentes contextos de atuação no choro. Dissertação (Mestrado em Música Hispana). Facultad de Filosofía y Letras, Universidad de Valladolid, 2017.

O Commercio de São Paulo, São Paulo (SP), 15 abr. 1905.

PALÓPOLI, Cibele. Violão velho, Choro novo: processos composicionais de Zé Barbeiro. Tese (Doutorado em Música), Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

PARAGUASSÚ. Org. Neide Lopes Ciarlariello. Baú da Saudade. São Paulo: Matarazzo, 2016.

PAULETTI, Ricardo. Apostila da Oficina de Prática de Choro. Itajaí: Edição do autor, 2015.

PENTEADO. Jacob. Belenzinho, 1910. São Paulo: Carrenho Editorial, 2003.

PINTO, Alexandre Gonçalves. Choro: reminiscências dos chorões antigos. 3a ed. comentada, revisada e ilustrada. Rio de Janeiro: Acari Records, 2014 [1936].

PUJOL, Emilio. Escuela razonada de la guitarra, libro 1o. Buenos Aires: Ricordi, 1991 [1956].

RAMOS, L. C. O violão de 6 cordas e as habilidades de acompanhamento no choro. Dissertação (Mestrado em Música). Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

SANDRONI, Carlos. Feitiço decente: transformações no samba no Rio de Janeiro (1917-1933). 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

SCARLATTI, Domenico. Sonata K. 87-L. 33. Transcrição de Sérgio Abreu. São Paulo: Ricordi, 1987. Partitura.

SÈVE, Mário. Choro: gênero ou estilo? In: XXVI Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música, 2016, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UEMG, 2016, p. 1-10.

SÈVE, Mário. O choro no estilo sambado: padrões rítmicos e fraseado musical. Debates, Rio de Janeiro, n. 17, p. 219–249, nov. 2016b.

SILVA, Erminia. O circo: sua arte e seus saberes: o circo no Brasil do final do século XIX a meados do XX. (Dissertação de mestrado) - Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas, UNICAMP, 1996.

SILVA, Erminia. As múltiplas linguagens na teatralidade circense: Benjamim de Oliveira e o circo-teatro no Brasil no final do século XIX e início do XX. (Tese de doutorado) - Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas, UNICAMP, 2003.

SOR, Fernando. Fantasia op. 7. Paris: Meissonier, 1814. Partitura.

TINHORÃO, José Ramos. História social da música popular brasileira. Editora 34, 1998.

TINHORÃO, José Ramos. Os sons que vêm da rua. São Paulo: Editora 34, 2005.

UBIETA, Enrique. New York Rush: theme of the award-winning film ‘El Super’. New York: Schirmer, 1979. Partitura.

VASCONCELOS, Ary. Carinho etc.: história e inventário do Choro. Rio de Janeiro: Editora do Livro, 1984.

VILLA-LOBOS, Heitor. Aria de la Bachianas Brasileiras no 5 pour soprano e ensemble de violoncelles. Adaptação de Roland Dyens. Paris: Henry Lemoine, 1992. Partitura.

ZAGURY, Sheila. Os grupos de Choro nos anos 90 no Rio de Janeiro: suas re-leituras dos grandes clássicos e inter-relações entre gêneros musicais. Tese (Doutorado em Música). Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

Downloads

Publicado

2021-10-21

Como Citar

AMORIM NETO, H.; PRANDO, F. R.; PASCHOITO, I. .; MOTTA, J. L. G. da. Colibri e Caranguejo: genealogia e edição de dois choros pioneiros para violão. Orfeu, Florianópolis, v. 6, n. 1, 2021. DOI: 10.5965/2525530406012021e0022. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/20188. Acesso em: 8 fev. 2023.