Práticas criativas na formação de professores

compondo conversações

Autores

  • Dulcimarta Lemos Lino Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Bianca de Oliveira Cardoso Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530406022021130

Palavras-chave:

Práticas criativas, Formação de professores em educação musical, Pedagogia e música

Resumo

Ao tematizar as práticas criativas na formação de professores, o artigo destaca um aspecto emergente na investigação Educação musical na formação de professores dos cursos de Graduação em Pedagogia gaúchos: escuta e criação na experiência de barulhar (LINO, 2020a). As análises quantitativa e qualitativa da pesquisa de campo constatam o reduzido espaço do ensino de música como disciplina curricular nas instituições de ensino superior gaúchas e a diminuta presença de práticas criativas nos modos do fazer musical docente. O fortalecimento do cenário educativo compreende que o processo de formação de professores em educação musical não se limita apenas ao caráter mandatário de diretrizes curriculares, mas também exige conceber que a música é potência ordinária da vida cotidiana, oferecida e ampliada no exercício coletivo de compor conversações (CAGE, 2015). Ao viver os processos de escuta e criação musical, desde a ludicidade, a experiência de barulhar (LINO, 2008) habita a pedagogia como gesto poético de linguagem para sublinhar a composição da docência. As práticas criativas irrompem na formação de professores para inaugurar sentidos, dar-se a ver o lúdico, o sensível, o singular e a intransponível dimensionalidade humana da música como partição e partilha.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Ideia de Prosa. Lisboa: Cotovia, 1999.

AGAMBEN, Giorgio. Arte, Inoperatividade, Política. In: CARDOSO, Rui Mota (coord.). Crítica do Contemporâneo. Agamben. Marramao. Rancière. Sloterdijk. Política. Conferências Internacionais Serralves. Porto: Fundação Serralves, 2007. p. 39-49. Disponível em: https://www.serralves.pt/.fotos/editor2/PDFs/CC-CIS-2007-POLITICA-web.pdf. Acesso em: 21 mar. 2020.

AGAMBEN, Giorgio. Infância e História: ensayo sobre la destrucción de la experiência. 5. ed. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2011 [2005].

ALONSO, Chefa. Improvisación Libre: la composición en movimiento. España: Dos Acordes, 2008.

ALONSO, Chefa. Enseñanza y Aprendizaje de la Improvisación Libre: propuestas y reflexiones. Madrid: Alpuerto, 2014.

ARAÚJO, Ana Lúcia Castilhano de. Música e cultura infantil: uma breve revisão bibliográfica para educação infantil. Revista APRENDER, Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação, Vitória da Conquista/SP, 2005.

BACHELARD, Gaston. A dialética da duração. São Paulo: Ática, 1999.

BARBOSA, Maria Carmen S.; RICHTER, Sandra Simonis. Mia Couto e a educação de crianças pequenas: Alteridade, arte e infância. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 9, p. 519-536, 2015.

BÁRCENA, Fernando. El delírio de las palabras. Ensayo para una poética del comienzo. Barcelona: Herder, 2004.

BELLOCHIO, Claudia Ribeiro (org.). Educação musical e unidocência: pesquisas, narrativas e modos de ser professor de referência. Porto Alegre: Sulina, 2017.

BITTENCOURT, Ariane Carolina Boscardini; LINO, Dulcimarta Lemos. Proibido não tocar: uma instalação sonora na escola de educação infantil. Reflexão e ação, Santa Cruz do Sul, v. 22, n. 1, p. 283-306, abr. 2014. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/4634/3245. Acesso em: 8 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Ensino de 1º e 2º Graus. Educação Artística: leis e pareceres. Incluindo Resolução CFE nº 23/73. Brasília, 1982.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 5 out. 1988.

BRASIL. Câmera dos Deputados. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Diário Oficial da União: Brasília, 1990.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, ano CXXXXIV, n. 248, p. 27.833-27.841, 23 dez. 1996.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP nº 5/2005. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia. Brasília: CNE, 13 dez. 2005. Disponível em: http://www.mec.gov.br. Acesso em: abr. 2006.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno. Resolução CNE/CP nº 1 1/2006, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Brasília, 15 maio 2006. Disponível em: htpp://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 1 jul. 2014.

BRASIL. Lei nº 11.769, de 18 de agosto de 2008. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino da música na educação básica. Diário Oficial da União: Brasília, ano CXLV, n. 159, seção 1, p. 1, 19 ago. 2008.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE∕CEB nº 5/2009. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União: Brasília, 18 dez. 2009.

BRASIL. Lei nºb13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 29 jul. 2020.

BRASIL, Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. CP. Resolução nº 2 de 1 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para formação continuada. Brasília, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 23 jul. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica. Parecer CNE/CEB nº 12/2013. Homologado em 6 de maio de 2016. Define Diretrizes Nacionais para operacionalização do ensino de Música na Educação Básica. Brasília: CNE/CBE, 2016a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/. Acesso em: 18 set. 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação/ Câmara de Educação Básica. Resolução nº 2, de

de maio de 2016a. Define Diretrizes Nacionais para operacionalização do Ensino de

Música na Educação Básica. Brasília: CNE/CBE, 2016b. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=40721-rceb002-16-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 22 jul. 2020

BRASIL. Lei nº 13.278, de 2 de maio de 2016. Altera o § 6º do art. 26 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que fixa as diretrizes e bases da educação nacional, referente ao ensino da arte. Diário Oficial da União: Brasília, seção 1, p. 1, 3 maio 2016c. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2016/lei-13278-2-maio-2016-782978-publicacaooriginal-150222-pl.html. Acesso em: 28 fev. 2018.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 1 de 15 de maio 2016. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficial da União: Brasília, Seção 1, p. 11, 16 maio 2016d. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 18 set. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/04/BNCC_19mar2018_versaofinal.pdf. Acesso em: 16 abr. 2018.

BRITO, Teca Alencar de. Koellreutter educador: o humano como objetivo da educação musical. São Paulo: Peirópolis, 2001.

BRITO, Teca Alencar. Música na educação infantil: propostas para a formação integral da criança. São Paulo: Peirópolis, 2003.

BRITO, Teca Alencar. Hans-Joachim Koellreutter: ideias de mundo, de música, de educação. São Paulo: Peirópolis; Edusp, 2015.

BRITO, Teca Alencar. Um jogo chamado música: escuta, experiência, criação, educação. São Paulo: Peirópolis, 2019.

CABANELLAS, Isabel; ESLAVA, Juan; ESLAVA, Clara; POLÔNIO, Raquel. Ritmos Infantiles: tejidos de um paisaje interior. Temas de Infancia. Barcelona: Octaedro, 2007.

CAGE, John. Silence. Middletown: Wesleyan University Press, 1976.

CAGE, John. Musicage: palavras. John Cage em conversação com Joan Retallack. Rio de Janeiro: Numa, 2015.

CARDOSO, Bianca Oliveira. Com Posição: a música na escola pública de educação infantil. In: LINO, Dulcimarta Lemos. A Educação musical na formação de professores dos cursos de Graduação em Pedagogia gaúchos: escuta e criação na experiência de barulhar. Pesquisa Concluída. Porto Alegre: FACED/UFRGS, 2020. p.125-133.

CARVALHO, Anderson. A música na formação em Pedagogia: uma perspectiva a partir das graduações no estado do Rio de Janeiro. 2017. 207 f. Dissertação (Mestrado em Educação Musical) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

CHARLOT, Bernard. Criança no singular. Entrevista. Presença Pedagógica, v. 2, n. 10, p. 5-15, jul./ago.1996.

COUTO, Mia. E se Obama fosse africano? e outras intervenções. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

DELALANDE, François. La música es un juego de niños. Buenos Aires: Ricordi Americana, 1995 [1984].

DEL BEN, Luciana. (Para) Pensar a pesquisa em educação musical. Revista da Abem, Porto Alegre, v. 24, p. 25-33, set. 2010.

DEL BEN, Luciana. Sobre ensinar música na educação básica: ideias de licenciandos em música. Revista da Abem, Londrina, v. 20, n. 29, p. 51-61, jul./dez. 2012.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Trad. Paul Patton. New York: Columbia University Press, 1994 [1968].

DRIEMEYER, Kitty. Conversa de Bicho. [S. l.]: Kitty Driemeyer, 2004. 1 CD.

FABRIS, Elí T. H.; DAL’IGNA, Maria C.; SILVA, Roberto R. D. (org.). Modos de ser docente no Brasil contemporêneo: articulações entre pesquisa e formação. São Leopoldo: Oikos, 2018.

FERREIRA, N. S. C. O. Gestão democrática da educação: ressignificando conceitos e possibilidades. In: FERREIRA, N. S. C.; AGUIAR, M. A. Gestão da Educação: impasses, perspectivas e compromissos. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

FIGUEIREDO, Sérgio Luiz Ferreira de. Educação musical e legislação educacional. Salto Para o Futuro, MEC, Ano XXI, Boletim 8, jun. 2011.

FIGUEIREDO, Sérgio Luiz Ferreira de. A formação de professores de música em cursos de licenciatura: uma análise de documentos normativos. InterMeio: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, Campo Grande, MS, v. 23, n. 45, p. 35-60, jan./jun. 2017.

FONTERRADA, Marisa. O lobo no labirinto: uma incursão à obra de Murray Schafer. São Paulo: Editora UNESP, 2004a.

FONTERRADA, Marisa. Música e meio ambiente: a ecologia sonora. São Paulo: Irmãos Vitale, 2004b. Conexões Musicais.

FONTERRADA, Marisa. De tramas e fios: um ensaio sobre música e educação. São Paulo: UNESP, 2005.

FONTERRADA, Marisa. Ciranda de sons: práticas criativas em Educação Musical. São Paulo: Editora UNESP, 2015.

FONTERRADA, Marisa. Conversas Sobre Educação Musical no século XXI. Live organizada por Claudia Freixadas #Vamos música. Jul. 2020. Disponível em: https://www.facebook.com/Sustenidoscultura/videos/3390415667656990/. Acesso em: 22 jul. 2020.

FORMOSINHO, João (org.). O currículo uniforme pronto-a-vestir de tamanho único. Mangualde: Pedagogo, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. (Coleção Leitura).

GALLO, Silvio. Educação, devir e acontecimento: para além da utopia formativa. Trabalho encomendado pelo GT Filosofia da Educação na 34ª Reunião Anual da ANPED, out. 2011.

GAMES, Luis. El arte del ruido. Barcelona: Alpha Decay, 2012.

GATTI, Bernadete. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Revista Educação e Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out./dez. 2010. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 18 set. 2016.

GATTI, Bernadete. A formação inicial de professores para a educação básica: as licenciaturas. Revista USP, São Paulo, n. 100, p. 33-46. dez./fev. 2013/2014.

GATTI, B. A; NUNES, M. M. R. (coord.). Formação de professores para o ensino fundamental: instituições formadoras e seus currículos. São Paulo: Fundação Victor Civita, 2008. (Relatório final: estudo dos cursos de licenciatura no Brasil, Letras, Matemática e Ciências Biológicas, 2). Disponível em: http://www.fvc.org.br/estudos. Acesso em: 5 dez. 2016.

GATTI, Bernadete; SILVA, Vandré Gomes; ALMEIDA, Patricia Cristina Albieri. Referentes e critérios para a ação docente. Cadernos de Pesquisa, v. 46, n. 160, p. 286-311. abr./jun. 2016.

GUSDORF, Georges. Para qué professores? Por uma pedagogia de la pedagogia. Buenos Aires: Mino y Dávila, 2019 [1963].

HONÓRIO, Mirtes Gonçaves; LOPES, Maria do Socorro; LEAL, Francisca Lourdes, HONÓRIO, Teresa Christina; SANTOS, Vilmar Aires. As novas diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada de professores da educação básica: entre recorrências e novas inquietações. RIAEE: Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 12, n. 3, p. 1736-1755, jul./set. 2017. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/8532. Acesso em: 22 jul. 2020.

HORN, Cláudia. Documentação pedagógica: a produção da criança protagonista e do professor designer. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2017.

HOUSSAYE, Jean; SOETARD, Michel; HAMELINE, Daniel; FABRE, Michel. Manifesto a favor dos pedagogos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

HOYUELOS, Alfredo. La ética em el pensamento y obra pedagógica de Loris Malaguzzi. Barcelona: Octaedro, 2004.

HOYELOS, Alfredo. Os tempos da infância. In: FLORES, Maria Luiza; ALBUQUERQUE, Simone (org.). Implementação do Proinfância no Rio Grande do Sul: perspectivas políticas e pedagógicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2015.

KATER, Carlos. Música Viva e H. J Koellreutter: movimentos em direção à modernidade. São Paulo: Musa, 2001.

KATER, Carlos. Era uma vez uma pessoa que ouvia muito bem. São Paulo: Musa, 2011.

KOHAN, Walter Omar. Formação inventiva de professores em tempos de pandemia: o que um louco lúcido nos convida a pensar e escrever? Mnemosine, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 53-66, 2020. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/mnemosine/article/view/52682. Acesso em: 25 out. 2020.

LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

LARROSA, Jorge. P de Professor. São Carlos: Pedro & João Editores, 2018.

LINO, Dulcimarta Lemos. A paisagem sonora como desafio para a criação musical. In: BEYER, Esther (org.). O som e a criatividade: reflexões sobre experiências musicais. Santa Maria: Editora UFSM, 2005.

LINO, Dulcimarta Lemos. Barulhar: a escuta sensível da música nas culturas da infância.

Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande

do Sul, Porto Alegre, 2008.

LINO, Dulcimarta Lemos. Barulhar: a música das culturas infantis. Revista da Abem, Porto Alegre, v. 24, p. 81-88, set. 2010. Disponível em: http://abemeducacaomusical.com.br/revista_abem/ed24/revista24_artigo9.pdf. Acesso em: 4 maio 2019.

LINO, Dulcimarta Lemos. Abracadabra: o encontro de bebês e crianças pequenas com música. Revista Eventos Pedagógicos – Educação de 0 a 3 anos em espaços de vida coletiva, v. 6, n. 3, 16. ed., edição especial temática, p. 116-131, ago./out. 2015.

LINO, Dulcimarta Lemos. Diário de Campo I da Pesquisa Educação Musical nos Cursos de Graduação em Pedagogia Gaúchos: processos de escuta e criação na experiência de barulhar, 2017a.

LINO, Dulcimarta Lemos (org.). Libretos de criação. Porto Alegre: FACED/UFRGS, 2017b. 1 DVD (Coleção Pedagogia e Música). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=EorhG5xbnak&t=91s. Acesso em: 30 jul. 2020.

LINO, Dulcimarta Lemos (org.). Caixa de som. Porto Alegre: FACED/UFRGS, 2017c. 1 DVD (Coleção Pedagogia e Música). Disponível em: https://youtu.be/wBzanYDCIWw.

LINO, Dulcimarta Lemos (org.). Barulhar. Porto Alegre: FACED/UFRGS, 2017d. 1 DVD (Coleção Pedagogia e Música). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=sxQnRJFwpUQ. Acesso em: 30 jul. 2020. Acesso em: 30 jul. 2020.

LINO, Dulcimarta Lemos (org.). Idiofones. Porto Alegre: FACED/UFRGS, 2017e. 1 DVD (Coleção Pedagogia e Música). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=JkOchCESPSw&t=222s. Acesso em: 30 jul. 2020.

LINO, Dulcimarta Lemos (org.). Coleção Pedagogia e Música. Porto Alegre:

FACED/UFRGS, 2017-2020. Série.

LINO, Dulcimarta Lemos. A educação musical na formação de professores dos cursos de Graduação em Pedagogia gaúchos: escuta e criação na experiência de barulhar. Pesquisa Concluída. Porto Alegre: FACED/UFRGS, 2020a.

LINO, Dulcimarta Lemos (org.). Libretos de Criação II. Porto Alegre: FACED/UFRGS, 2020b. 1 DVD (Coleção Pedagogia e Música). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=tYVQQ_LCkNQ. Acesso em: 31 jul. 2020.

LINO, Dulcimarta Lemos; DORNELLES, Gabriel do Nascimento. Eu sabo porque sabo: a poética da improvisação na educação musical. Revista da Abem, v. 27, n. 42, p. 163-180, jan./jun. 2019.

LINO, Dulcimarta Lemos; OLIVEIRA, Márcia Lague de. Arte Sonora na Escola. Livro publicado no Projeto de Pesquisa Educação Musical na Formação de Professores dos Cursos de Graduação em Pedagogia Gaúchos. Porto Alegre: Nicephotos, 2020.

LINO, Dulcimarta Lemos; RICHTER, Sandra Regina. Feito Partitura: palavra sonora como gesto poético de educar. Revista Signo, Universidade de Santa Cruz do Sul, v. 45, n. 83, p. 2-17, maio/ago. 2020. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/signo/article/view/14948/0. Acesso em: 8 nov. 2020.

LISPECTOR, C. A paixão segundo G. H. 5. ed. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1964.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte, 2013. (Coleção Experiência e Sentido).

NANCY, Jean-Luc. Ser singular plural. Madrid: Arena Libros, 2006.

NANCY, Jean-Luc. A la escucha. Buenos Aires: Amorrortu, 2007. (Colección Nómadas).

NANCY, Jean-Luc. Archivida. Del Sintiente y del sentido. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Quadrata, 2013. (Colección Contemporáneos).

NANCY, Jean-Luc. El arte hoy. Prólogo de Daniel Álvaro. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Prometeo Libros, 2014.

NANCY, Jean Luc. Política e/ou Politica. ALEA, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 166-178, jan./jun. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-106X2015000100166. Acesso em: 19 mar. 2020.

NANCY, Jean-Luc. Que significa partir? Buenos Aires: Capital Intelectual, 2016.

OESTERREICH, Frankiele. A história da disciplina de Música no curso de Pedagogia da UFSM (1984-2008). 168 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2010.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia. A formação em contexto: a mediação do desenvolvimento profissional praxiológico. In: CANCIAN, Viviane; GALLINA, Simone; WESCHENFELDE, Noeli (org.). Pedagogias das infâncias: crianças e docências na educação infantil. [Santa Maria]: UFSM, Centro de Educação Unidade de Educação Ipê Amarelo; [Brasília]: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2016. p. 87-111.

PELIZZON, Lia Viégas Mariz de Oliveira; BEINEKE, Viviane. Criatividade e práticas criativas em educação musical: um estudo das produções recentes nos anais de congressos da Abem. Revista da Abem, v. 27, n. 42, p. 8-35, jan./jun. 2019.

RANCIÈRE, Jacques. Le partage du sensible: esthetuqui et politique. Paris: La Fabrique Editions, 2000.

RIBEIRO, Tiago; SAMPAIO, Carmen Sanches; SOUZA, Rafael de. Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018.

RICHTER, Sandra Regina Simonis; BERLE, Simone. A pedagogia como gesto poético. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 40, n. 4, p. 1027-1043, out./dez. 2015.

RICHTER, Sandra; LINO, Dulcimarta. Estar à escuta: música e docência na educação

infantil. Childhood & Philosophy, Rio de Janeiro, v. 15, p. 1-24, out. 2019.

RUSSOLO, Luigi [1013]. L’Arte dei rumori: Reprint dell’edizione originale. Roma: Stampa Alternativa; Nova Equilibri, 2009.

SANTOS, Regina Marcia Simão. Música, a realidade nas escolas e políticas de formação. Revista da Abem, Porto Alegre, v. 12, 49-56, mar. 2005.

SANTOS, Regina Márcia Simão (org.). Música, cultura e educação: os múltiplos espaços de educação musical. Porto Alegre: Sulina, 2012.

SANTOS, Regina Marcia Simão. Aprendizagem como acontecimento: contribuições a propósito da educação musical como formação humana. Boletim FLADEM, n. 11, p. 1-11, 2019. Disponível em: https://www.fladembrasil.com.br/boletim-11-de-2019. Acesso em: 29 jun. 2020.

SCHAFER, R. Murray. O ouvido pensante. Trad. Marisa Trench de Oliveira Fonterrada. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

SCHAFER, Murray. Educação Sonora. São Paulo: Melhoramentos, 2011.

SEDIOLI, Arianna. La casetta dei suoni. Ravenna: Artebambini, 2009.

SOUZA, J. et al. O que faz a música na escola?: concepções e vivências de professores do ensino fundamental. Porto Alegre: Programa de Pós-graduação em Música, Mestrado e Doutorado, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007. (Série Estudos, n. 6).

SPANAVELLO, Caroline Silveira. A educação musical nas práticas de professores unidocentes: um estudo com egressos da UFSM. 2005. 128 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2005.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2005.

TOMICH, Ana Luiza Lemos. Lydia Hortélio, uma menina do Sertão: educação musical na cultura da criança. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.

WISNIK, José Miguel. O som e o sentido: uma outra história das músicas. 2. ed. São Paulo: Companhia de Letras, 1989.

Downloads

Publicado

2021-09-10

Como Citar

LINO, D. L.; CARDOSO, B. de O. Práticas criativas na formação de professores: compondo conversações. Orfeu, Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 130-163, 2021. DOI: 10.5965/2525530406022021130. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/19111. Acesso em: 6 dez. 2021.