Pensamento Composicional Dialógico de Cada Ano Sem Debussy: dez versos sobre o seu nome

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530405012020260

Palavras-chave:

Dialogismo musical, Enunciado musical, Composição, Citação, Bakhtin

Resumo

Este artigo investiga as relações dialógicas presentes no processo composicional da peça orquestral Cada ano sem Debussy: dez versos sobre o seu nome (2019). Busca, à luz do dialogismo bakhtiniano, refletir sobre composição e os conceitos de enunciado e dialogismo musical. Apoiado em três conceitos de dialogismo (FIORIN, 2016) – constitutivo, mostrado e entre sujeitos –, examina como a peça musical pode ser enfocada sob essas perspectivas. Para isso, a análise ressalta a interatuação entre o material próprio e o de outrem empregados na composição. Conclui que, frente a um pensamento composicional dialógico, as propostas de Bakhtin podem ser ferramentas eficazes de investigação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Mendes Vasconcelos, Universidade Federal de Minas Gerais

doutor em Música pela UFMG (bolsista Capes) orientado pelo prof. dr. Oiliam Lanna e mestre em Música pela UFRGS (bolsista CNPq) orientado pelo prof. dr. Celso Chaves. Atuou como professor auxiliar na Fames e como professor substituto na UFMG. Primeiro lugar no Concurso Nacional de Composição “Guerra-Peixe: 100 anos”. Primeiro lugar no “4º Concurso Latinoamericano de Composición Electroacústica y Electrónica Gustavo Becerra Schmidt”. Tem se dedicado à composição musical e à pesquisa em Música. Atualmente trabalha como regente e professor.

Referências

BACH, Ana Madalena. Memórias íntimas. São Paulo: Cultura Brasileira, 1938.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. 7. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016.

BARROS, Diana Luz Pessoa de. Contribuições de Bakhtin às Teorias do Texto e do Discurso. In: FARACO, Carlos Alberto; TEZZA, Cristóvão; CASTRO, Gilberto de (org.). Diálogos com Bakhtin. 4. ed. Curitiba: Ed. UFPR, 2007. p. 21-38.

BERIO, Luciano. Entrevista sobre a Música Contemporânea. [Entrevista cedida a] Rossana Dalmonte. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1988.

BERIO, Luciano. Interviste e Colloqui. Torino: Einaudi, 2017.

BOUCOURECHLIEV, André. A linguagem musical. Lisboa: Edições 70, 1993.

BOULEZ, Pierre. Orientations. Cambridge: Harvard University Press, 1986.

BOULEZ, Pierre. Apontamentos de um aprendiz. São Paulo: Perspectiva, 2008.

CASSOTTI, Rosa S. Music, Answerability, and Interpretation in Bakhtin’s Circle: reading together M.M.Bakhtin, I. I. Sollertinsky, and M. V. Yudina. In: Festschrift for Nikolay Pan’kov. [S. l.: s. n.], 2011. Disponível em: http://nevmenandr.net/scientia/festschrift/cassotti.pdf.

CHANG, Chun-Hsien. A study of the technique and function of orchestration in selected works of Claude Debussy: Prélude à l’après-midi d’un faune, Nocturnes, La Mer, and Pelléas et Mélisande. Tesis (Doctors of Arts) – University of Northern Colorado, Greeley, 2002.

CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de Análise do Discurso.

ed. São Paulo: Contexto, 2014. 3ed.

COPE, David. Computer models of musical creativity. Massachusetts: MIT Press, 2005.

COPE, David. Techniques of the contemporary composer. Boston: Cengage Learning, 1997.

DE BONIS, Maurício Funcia. O Miserere de Willy Corrêa de Oliveira: “aporia” e “apodíctica”. São Paulo: Annablume, 2010.

DEBUSSY, Claude. Monsieur Croche: e outros ensaios sobre música. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

DUTILLEUX, Henri. Mystère et Mémoire des Sons. Entretiens avec Claude Glayman. Paris: Actes Sud, 1997.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem e diálogo: as ideias linguísticas do Círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola, 2009.

FERRAROTTI, Franco. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, António;

FINGER, Mathias. O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: MS/DRHS/CFAP, 1988.

FIORIN, José Luiz. Introdução ao pensamento de Bakhtin. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2016.

FORTE, Allen. The structure of atonal music. New Haven: Yale University Press, 1973.

GRIFFTHS, Paul. A música moderna: uma história concisa e ilustrada de Debussy a Boulez. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

GUBAIDULINA, Sofia. An interview with Dorothea Redepenning. In: SCHWARTZ, Elliott;

CHILDS, Barney. Contemporary composer on contemporary music. EUA: Da Capo Press, 1998. p. 448-454.

GUIGUE, Didier. Estética da sonoridade: a herança de Debussy na música para piano do século XX. São Paulo: Perspectiva, 2011.

HODEIR, André. As formas da música. Lisboa: Arcádia, 1970.

HOWAT, Roy. Debussy in proportion: a musical analysis. New York: Cambridge University Press, 1986.

HOWAT, Roy. Debussy, naturaleza y proporcíon. Quodlibet: Revista De Especializacíon Musical, n. 19, p. 118-132, 2001.

KORSYN, Kevin. Beyond privileged contexts: intertextuality, influence, and dialogue. In: COOK, Nicholas; EVERIST, Mark. Rethiking Music. New York: Oxford University Press, 2001.

KOSTKA, Stefan. Materials and techniques of 20th Century Music. 3. ed. New Jersey: Pearson, 2006.

LANNA, Oiliam. Expressões da paródia: polifonia em Carmina Burana. In: MACHADO, I. L. et al. Ensaios em análise do discurso. Belo Horizonte: Fale, UFMG: 2002.

MESSIAEN, Olivier. Technique de mon langage musical. Texte. Paris: A. Leduc, 1944. 2v.

MEYER, Leonard B. Music, the art, and ideas: patterns and predictions in Twentieth-Century Culture. Chicago: University Chicago Press, 1994.

NASCIMENTO, Guilherme. Os sapatos floridos não voam: processos criativos compartilhados entre música, literatura e pintura. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: Fapemig, 2012.

NASSIF, Silvia C.; SCHROEDER, Jorge L. Música como discurso: uma perspectiva a partir da filosofia do Círculo de Bakhtin. Música em Perspectiva, Curitiba, v. 4, n. 2, p. 127-153, 2011.

NASSIF, Silvia C.; SCHROEDER, Jorge L. Apreciação musical para não-musicistas: uma proposta a partir das ideias do Círculo de Bakhtin. Vórtex, Curitiba, v. 7, n. 1, p. 1-28, 2019.

PETRACCA, Ricardo. Música e alteridade: uma abordagem bakhtiniana. Curitiba: Appris, 2018.

SALLES, Cecilia Almeida. Redes da criação: construção da obra de arte. São Paulo: Horizonte, 2014.

SMITH, Jenna. Sofia Gubaidulina’s violin concerto Offertorium: theology and music in dialogue. M.A. Théologie en Études Théologiques. Montréal: Université de Montréal, 2010.

SOCHA, Eduardo. O problema da forma na música contemporânea. Artefilosofia, Ouro Preto, n. 4, p. 95-104, jan. 2008.

VARÈSE, Edgard. Il suono organizzato: scritti sulla musica. Milano: Ricordi: Unicopli, 1985.

VOLOCHÍNOV, Valentin Nikolaevich. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: Editora 34, 2013.

Downloads

Publicado

2020-10-18

Como Citar

VASCONCELOS, F. M. Pensamento Composicional Dialógico de Cada Ano Sem Debussy: dez versos sobre o seu nome. Orfeu, Florianópolis, v. 5, n. 1, 2020. DOI: 10.5965/2525530405012020260. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/17670. Acesso em: 31 jan. 2023.