Répeter: Uma análise composicional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530405012020009

Palavras-chave:

Composição musical, processos criativos, linhas, análise musical

Resumo

Este trabalho introduz a ideia de análise composicional, como uma alternativa, para a área de pesquisa em composição musical, a enfoques analíticos tradicionais de cunho essencialmente musicológico. Para tanto, apresento a análise de uma peça para violão de minha autoria, intitulada Répéter, que, a partir da coleta de uma série de dados, impressões, materiais e registros diversos do processo composicional, ilustra um caminho possível para a prática analítica, na área. Antes de apresentá-la, no entanto, comento brevemente as bases dessa abordagem, através de: 1) uma discussão introdutória acerca dos contextos acadêmicos e artísticos que justificam a proposta; e 2) uma abordagem conceitual da análise composicional a partir das ideias de linhas, lugar, emaranhado e composicionalidade de Deleuze e Guattari (1995), Tim Ingold (2008, 2011, 2012) e Paulo Costa Lima (2012), respectivamente. Com isso, espero lançar um horizonte analítico
experimental, que é mais uma extensão do próprio processo criativo, do que uma busca por representação ou explicação da obra, enquanto produto daquele processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BERIO, L. Remembering the future. Cambridge: Harvard University Press, 2006.

CONE, E. T. Beyond Analysis. In: BORETZ, B.; CONE, E. T. Perspectives on contemporary music theory. New York: WW Norton & Company, 1979.

COOK, N. Fazendo música juntos ou improvisação e seus outros. Per Musi, v. 16, p. 7-20, 2007.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995. v. 1.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995. v. 2.

DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. São Paulo: ESCUTA, 1998 [1977].

FERRAZ, S. Litania (2011), para quarteto de cordas (à memória de Almeida Prado): gênese composicional e poética. Música Hodie, v. 12, n. 1, 2012.

FERRAZ, S. Para uma arte que se inventa a todo tempo cabe uma ferramenta de análise que se invente junto com esta arte. In: ENCONTRO NACIONAL DE COMPOSIÇÃO MUSICAL DE LONDRINA – ENCOM, 2014, Londrina. Anais […]. Londrina: UEL, 2014.

FERRAZ, S. Paixão pelo rascunho: notas do caderno amarelo. Tese (Livre Docência em Criação Musical) – Unicamp, Campinas, 2008.

INGOLD, T. Lines. A Brief History. New York, Oxon: Routledge, 2008.

INGOLD, T. Being alive: essays on movement, knowledge and description. [S.l.]: Taylor & Francis, 2011.

INGOLD, T. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, SciELO Brasil, v. 18, n. 37, p. 25-44, 2012.

LIMA, P. C. Teoria e prática do compor I: diálogos de invenção e ensino. Salvador: Ed. UFBA, 2012.

REYNOLDS, R. Form and method: composing music. The Rothschild essays. Oxford: Routledge, 2002. (Contemporary Music Studies, v. 22).

ZOURABICHVILI, F. O vocabulário de Deleuze. IFCH-Unicamp (Digitalização e disponibilização eletrônica). Trad. André Telles. Rio de Janeiro: [s. n.], 2004.

Downloads

Publicado

2020-10-18

Como Citar

RIOS FILHO, P. Répeter: Uma análise composicional. Orfeu, Florianópolis, v. 5, n. 1, 2020. DOI: 10.5965/2525530405012020009. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/17633. Acesso em: 31 jan. 2023.