O Pensamento Musical e Ideológico de Claudio Santoro na sua Fase Nacionalista: o Caso da VI Sinfonia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530405012020407

Palavras-chave:

nacionalismo, Sexta Sinfonia, ideologia

Resumo

A primeira fase serial, de transição e, especialmente, o período nacionalista (1949-1960) de Claudio Santoro caracterizam-se por um crescente comprometimento ideológico. Na fase nacionalista esse comprometimento se aprofunda com a adesão às normativas do II Congresso Internacional de Compositores e Críticos Musicais, acontecido na cidade de Praga, em 1948, com o fim de definir a orientação estética em música do realismo socialista. Esta adesão tem consequências profundas no desenvolvimento estilístico de Santoro, levando-o a abandonar as técnicas atonais e seriais em favor da estética nacionalista. Neste artigo contextualizaremos essa transformação estilística da perspectiva da sua produção sinfônica, defendendo a tese de que é na Sexta Sinfonia onde se consolidam os princípios ideológicos e, também, os princípios técnicos composicionais adotados em razão da defesa e prática da estética nacionalista. Abordaremos o desenvolvimento do pensamento ideológico de Santoro. Apontaremos as influências que lhe foram determinantes, como o sinfonismo russo, destacando na análise musical a influência da Primeira Escola de Viena no processo composicional da Sexta Sinfonia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávio Santos Pereira, Universidade de Brasília - UnB

Professor de Composição do Departamento de Música da Universidade de Brasília. Integra o quadro de professores permanentes do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade de Brasília

Sérgio Nogueira Mendes, Universidade de Brasília - UnB

Professor de Composição do Departamento de Música da Universidade de Brasíiia. Pofessor do quadro permanente do Programa de Pós-Gradaução em Música da Universidade de Brasília

Referências

ANDRADE, Mário de. Ensaio sobre a música brasileira. São Paulo: Livraria Martins Editora (INL), 1943.

BARTOK, Bela. La Influencia de la Música Campesina sobre la Música Culta Moderna. In: Escritos Sobre Música Popular. Madrid: Siglo XXI Editores S.A., 1995.

HINDEMITH, Paul. Kraft of musical composition. London: Schott and Co. Ltd., 1945.

MARIZ, Vasco. Claudio Santoro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1994.

MENDES, Sérgio Nogueira. Claudio Santoro e a Expressão Musical Ideológica. Rio de Janeiro: Universidade do Rio de Janeiro (UniRio), 1999. Dissertação de Mestrado.

______________________. O percurso estilístico de Claudio Santoro: Roteiros Divergentes e Conjunção Final, Campinas: Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, 2009. Tese de Doutorado.

OLIVEIRA, Reinaldo Marques. Claudio Santoro e o Dodecafonismo: Um procedimento Singular. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2005. Dissertação de Mestrado.

PERSICHETTI, Vincent. Armonía del Siglo XX. Madrid: Real Musical Editores, 1985.

SANTORO, Claudio. Considerações em Torno da Música Contemporânea Nacional, Música-Viva. Rio de Janeiro. Abril-Maio, 1941, p.5-7.

_________________. Problema da Música Contemporânea Brasileira em Face das Resoluções e Apelo do Congresso de Praga. São Paulo: Revista Fundamentos v.2 n.2, 1948, p.233-240.

SCHOENBERG, Arnold. Fundamentals of Musical Composition. Ed. Gerald Strang. London: Faber & Faber, 1967.

SOUZA. Iracele Lívero de. Santoro: Uma história em Miniaturas. Campinas: Instituto de

Artes, Universidade Estadual de Campinas, 2003. Dissertação de Mestrado.

VASCONCELOS, Erick M. The Symphony nº 4 “Brasilia”, by Camargo Guarnieri and the Symphony nº 6 by Claudio Santoro in Brazilian Twentieth-Century Nationalistic Symphonic Music. Austin, 1991. Tese de Doutorado em Música. The University of Texas at Austin.

Downloads

Publicado

2020-10-18

Como Citar

PEREIRA, F. S.; MENDES, S. N. O Pensamento Musical e Ideológico de Claudio Santoro na sua Fase Nacionalista: o Caso da VI Sinfonia. Orfeu, Florianópolis, v. 5, n. 1, 2020. DOI: 10.5965/2525530405012020407. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/17631. Acesso em: 31 jan. 2023.