Pianistas ou Pianeiros: duas interpretações do tango Fon Fon de Ernesto Nazareth

Autores

  • Paula Zimbres Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530404022019169

Palavras-chave:

Ernesto Nazareth, piano, erudito e popular

Resumo

Ernesto Nazareth ocupa posição exemplar nos debates em torno da dicotomia erudito-popular que são cruciais para a compreensão da cultura brasileira ao longo dos séculos XIX-XX. Tendo vivido, segundo Elizabeth Travassos, “no limiar entre os dois mundos”, sua obra, que hoje é parte do repertório canônico tanto de músicos eruditos quanto populares, exemplifica a possibilidade da sobreposição de valores e procedimentos pertinentes a ambas as esferas. Este trabalho analisa duas gravações de sua peça Fon-Fon!(uma de Eudóxia de Barros, datada de 1963, e outra de André Mehmari, em 2013) procurando detectar os recursos interpretativos por meio dos quais cada uma das gravações enfatiza os valores centrais de sua área de atuação – a fidelidade à partitura e à intenção do autor, pela pianistade formação erudita; e a liberdade de expressão pessoal característica do pianeirovinculado à música popular. Concluímos, entretanto, que, ao se pautar por um determinado conjunto de valores, cada um acaba por reforçar e expressar também valores pertinentes ao outro campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Zimbres, Universidade de Brasília

Bacharel em Composição Musical e mestre em Musicologia pela Universidade de Brasília. Professora de contrabaixo popular e prática de conjunto na Escola de Música de Brasília.

Referências

ALMEIDA, Alexandre Zamith. “Verde e amarelo em preto e branco - as impressões do choro no piano brasileiro”. Dissertação de Mestrado, Unicamp, 1999.

ANDRADE, Mário de. “Ernesto Nazaré”. In Música Doce Música. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013.

ASSIS, Machado de. “Um homem célebre” [1896]. In O Alienista. São Paulo: Círculo do Livro, [198-], 233-243.

BARROS, Eudóxia de. Ouro Sobre Azul - músicas de Ernesto Nazareth na Interpretação de Eudóxia de Barros, Chantecler Internacional, HI-FI, CMG 1017. 1963. Disponível em <http://www.acervoorigens.com/2011/10/eudoxia-de-barros-ouro-sobre-azul.html>. Acesso em 28 out. 2016.

BERLINER, Paul. Thinking in jazz: the infinite art of improvisation. Chicago: University

of Chicago Press, 1994.

BLOES, Cristiane Cibeli de Almeida. “Pianeiros - dialogismo e polifonia no final do século XIX e início do século XX”. Dissertação de Mestrado, UNESP, 2006.

CIRINO, Giovanni. “Narrativas musicais - performance e experiência na música popular instrumental brasileira”. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, 2005.

GISMONTI, Egberto. Entrevista concedida ao programa Oncotô. Rio de Janeiro: TV Brasil, 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=45JM7EsfxUA. Acesso em: 9 out. 2015.

GOEHR, Lydia. The imaginary museum of musical works: an essay in the philosophy of music. Oxford: Oxford University Press, 1992.

MACHADO, Cacá. O enigma do Homem Célebre – Ambição e vocação de Ernesto Nazareth. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2007.

MEHMARI, André. Ouro sobre azul – Ernesto Nazareth. CD (independente), 2015.

MURICY, Andrade. Ouro Sobre Azul. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 25 set. 1963. Disponível em: http://www.eudoxiadebarros.com.br. Acesso em: 24 jun. 2016.

NAVES, Santuza Cambraia. O violão azul: Modernismo e música popular. Rio de Janeiro: FGV, 1998 [edição digital: 2012].

NUNES, Jordão Horta. “O machete e o violoncelo - gêneros musicais e identidade social na prosa de Machado de Assis”. ArtCultura, Ano 10, n. 17 (2008): 73-88.

SANDRONI, Carlos. Feitiço decente: transformações do samba no Rio de Janeiro (1917-1933). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

TRAVASSOS, Elizabeth. Modernismo e música brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

WISNIK, José Miguel. O Coro dos Contrários - a música em torno da semana de 22. São Paulo: Duas Cidades, Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia, 1977.

WISNIK, José Miguel. Getúlio da Paixão Cearense. In: WISNIK, J. M. Música: o nacional e o popular na cultura brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1983.

WISNIK, José Miguel. Entre o Erudito e o Popular. Revista de História, São Paulo, n. 157, p. 55-72, 2007.

WISNIK, José Miguel. Machado Maxixe: o caso Pestana. São Paulo: Publifolha, 2008.

Downloads

Publicado

2019-12-20

Como Citar

ZIMBRES, P. Pianistas ou Pianeiros: duas interpretações do tango Fon Fon de Ernesto Nazareth. Orfeu, Florianópolis, v. 4, n. 2, p. 169-189, 2019. DOI: 10.5965/2525530404022019169. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/1059652525530404022019169. Acesso em: 28 jan. 2023.