A "Havana" de Camila Cabello: um estudo da canção, videoclipe e representações latino-americanas

Autores

  • Igor Lemos Moreira Universidade do Estado de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530404022019143

Palavras-chave:

Camila Cabello, Canção, Representações, História do Tempo Presente

Resumo

O artigo discute, a partir de referenciais sobre o estudo da canção na História e da História do Tempo Presente, a música Havana (ft. Young Thug) da cantora Camila Cabello, lançada em 2017. Através da articulação entre canção e videoclipe, pretende-se discutir abordar a música enquanto um processo fluido e relacional em determinados contextos (GONZALEZ, 2016), assim como articuladora de representações em torno da questão latina nos Estados Unidos, a partir das relações com as temporalidades. Como pressuposto teórico-metodológico, parte-se da perspectiva da análise de narrativas para compreender os processos de elaboração de histórias, intrigas e representações por meio de construções simbólicas e da ordenação de temporalidades na canção e em seu clipe. O estudo realizado possibilitou perceber algumas características que envolvem fenômenos da história da música pop contribuindo para a discussão a respeito da música na indústria cultural contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Lemos Moreira, Universidade do Estado de Santa Catarina

Doutorando em História pelo programa de Pós-Graduação em História da Universidade do Estado de Santa Catarina (PPGH-UDESC), na linha de pesquisa Linguagens e Identificações. Mestre e Graduado em História (Licenciatura) pela mesma instituição. Integrante do Laboratório de Imagem e Som (LIS/UDESC) e associado a ANPUH-SC e a IASPM-AL. Tem experiência na área de História, com ênfase em História das Américas, Teoria da História, História Moderna e Contemporânea. Atua principalmente nos seguintes temas: Relações entre Estados Unidos e Caribe; Biografias e Trajetórias Artísticas; Representações; Música Latino-americana; História da Música e Musicologia Histórica; História, Mídia e Internet; Música Pop; Audiovisual e Canção; História Pública e História do Tempo Presente

Referências

ARTIÉRES, Philippe. Arquivar a própria vida. Revista Estudos Históricos, v. 11, n. 21, p. 9-34, 1998.

BELL, Sadie. Camila Cabello releases new songs ‘havana’ featuring Young Thug & ‘OMG’ featuring Quavo. Billboard, 3 ago. 2017. Disponível em: https://www.billboard. com/articles/columns/pop/7889755/camila-cabello-new-songs-havana-young-thugomg-quavo. Acesso em: 13 jan. 2019.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: ______. Obras escolhidas I. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (Org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2006. p. 183-191.

BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CAMILA Cabello / Havana (HQ) / Legendado (PT/BR). Música: Havana. [S. l.]: Celebrs, 2017. 1 vídeo. (2min18seg), son., color. Legendado. Publicado pelo canal do Youtube CELEBRS. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=L7KekXndyW4. Acesso em: 13 jan. 2019.

CABELLO, Camila. Camila Cabello Talks CAMILA, Demi Lovato & Havana. United States: Zach Sang Show (4min35s). son., color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=b6S-cVgx-Kc&feature=youtu.be&t=24m16s. Acesso em: 14 jan. 2019.

CANCLINI, Néstor García. Latino-americanos à procura de um lugar neste século. São Paulo: Iluminuras, 2008.

CANCLINI, Néstor García. Culturas Híbridas. 4. ed., 7 reimp. São Paulo: Edusp, 2015.

CHARTIER, Roger. O mundo como representação. Estudos Avançados, São Paulo, v. 5, n. 11, jan./abr. 1991.

CHION, Michel. A audiovisão: som e imagem no cinema. Lisboa: Texto & Grafia, 2008.

CHOMSKY, Aviva. História da Revolução Cubana. São Paulo: Veneta, 2015.

CIRISANO, Tatiana. Camila Cabello Will Hit the Road With Bruno Mars for 24K Magic Tour. Billboard, 27 jun. 2017. Disponível em: https://www.billboard.com/articles/news/7849196/camila-cabello-bruno-mars-24k-magic-tour. Acesso em: 13 jan. 2019

COOK, Nicholas. Analysing Musical Multimedia. Oxford: Oxford University Press, 1998.

DOMENICI, Catarina. A performance musical e o gênero feminino. In: NOGUEIRA, Isabel Porto; FONSECA, Susan Campos. Estudos de gênero, corpo e música: abordagens metodológicas. Goiânia, Porto Alegre: ANPPOM, 2013.

FRITH, Simon. Performing rites: on the value of popular music. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1998.

GONZÁLEZ, Juan Pablo. Pensando a música a partir da América Latina: problemas e questões. São Paulo: Letra e Voz, 2016.

HAGEMEYER, Rafael. História & Audiovisual. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

HANSON, Matt. Reinventing music video. Oxford, UK: Focal Press, 2006.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

HAVANA. Intérpretes: Camila Cabello e Young Thug. In: CAMILA. US: Epic Records/Syco, 2017. 1 CD, Faixa 4 (3min37seg).

HAYASAKI, Erika. From Cuba, With Dreams. Glamour, Condé Nast Publications, p. 176-177, may 2017.

HERMETO, Miriam. Canção popular brasileira e ensino de história: palavras, sons e tantos sentidos. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de; CUNTO, Julia de; BOGADO, Maria. Na Música. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, Contraponto, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Estratos do tempo: estudos sobre a História. Rio de Janeiro: Contraponto, Ed. PUC-Rio, 2014.

LUGONES, María. Colonialidad y Género. Revista Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, p. 73-101, jul./dic. 2008.

MACEDO, Káritha Bernardo de. Carmen Miranda em Hollywood: filmes para uma boa vizinhança. 2014. 244 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

MARTÍNEZ CANO, Silvia. Las divas del pop y la identidad feminista: reivindicación, contradicción y consumo cultural. Revista Investigaciones Feministas, v. 8, n. 2, p. 475-492, 2017.

MARTINS, Chris. Gone Girl. Billboard, Nielsen Company, v. 129, n. 5, p. 44-51, 25 feb. 2017.

MAUAD, Ana Maria. Através da imagem: fotografia e história interfaces. Tempo, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 73-98, 1996.

MIGNOLO, Walter. Colonialidade. O lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 94, p. 1-17, jun. 2017.

MOREIRA, Igor Lemos. Uma estrela em ascensão: o portal popline e a rápida ascensão na carreira multimídia da cantora Camila Cabello. Revista Transversos, v. 0, p. 81-91, 2017.

MOLINA, Sergio. Música de montagem: a composição de música popular no pós-1967. São Paulo: É Realizações, 2017.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Análise Crítica da Narrativa. 1. ed. Brasília: Editora da UnB, 2013.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Análise pragmática da narrativa jornalística. In: LAGO, Cláudia; BENETTI, Marcia (Orgs.). Metodologia da pesquisa em jornalismo. Petrópolis: Vozes, 2007. p. 144-167.

NAPOLITANO, Marcos. História & música: história cultural da música popular. 3. ed. rev. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, PUC-SP, n. 10, p. 1, 1993.

NOGUEIRA, Isabel Porto. Lugar de fala, lugar de escuta: criação sonora e performance em diálogo com a pesquisa artística e com as epistemologias feministas. Revista Vórtex, v. 5, p. 1-20, 2017.

OLIVEIRA, Márcia Ramos de. Uma leitura histórica da produção de Lupcínio Rodrigues. Tese (Doutorado) – UFRGS, Porto Alegre, 2002.

PALACIOS, María. Feminismos expandidos, queer y poscoloniales em la musicologia histórica. In: NOGUEIRA, Isabel Porto; FONSECA, Susan Campos (Orgs.). Estudos de gênero, corpo e música: abordagens metodológicas. Goiânia, Porto Alegre: ANPPOM, 2013.

PEREIRA, Simone Luci. Matrizes e mediações das canções românticas na América Latina. In: ULHOA, Martha; PEREIRA, Simone Luci (Orgs.). Canção romântica: intimidade, mediação e identidade na América Latina. 1. ed. Rio de Janeiro: Folio Digital, Letra e Imagem, 2016. p. 25-46.

PRADO, Maria Ligia. Ser ou não ser um bom vizinho: América Latina e Estados Unidos durante a guerra. Revista da USP, São Paulo, p. 52-61, jun./ago. 1995.

RANCIÈRE, Jacques. Figuras da história. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

REYNOLDS, Simon. Retromania: pop culture’s addiction to its own past. New York: Macmillan, 2011.

RICOEUR, Paul. O si-mesmo como um outro. Campinas: Papirus, 1991.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa (Tomo I). Campinas: Papirus, 1994.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Unicamp, 2008.

ROJAS, Yesid Penagos. Lenguajes del poder. La música reggaetón y su in uencia en el estilo de vida de los estudiantes. Plumilla Educativa, n. 10, p. 290-305, 2012.

ROSENSTONE, Robert. A história nos filmes, os filmes na história. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

SARDO, Susana. Guerras de Jasmim e Mogarim: música, identidade e emoções em Goa. Alfragide: Texto Editores LDA, 2010.

SARLO, Beatriz. Cenas da vida pos-moderna: intelectuais, arte e video-cultura na Argentina. 4. ed. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 2006.

SCHAFER, R. Murray. A afinação do mundo: uma exploração pioneira pela história passada e pelo atual estado do mais negligenciado aspecto de nosso ambiente: a paisagem sonora. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

SCHOULTZ, Lars. Estados Unidos: poder e submissão. Uma História da política norteamericana em relação a América Latina. Bauru: Edusc, 1998.

SOARES, Thiago. Percursos para estudos sobre música pop. In: SÁ, Simone Pereira de; CARREIRO, Rodrigo; FERRARAZ, Rogério (Orgs.). Cultura Pop. Salvador: EDUFBA; Brasilia: Compós, 2015.

OARES, Thiago. Videoclipe: o elogio da desarmonia. Recife: Livro Rápido, 2004.

TATIT, Luiz. Estimar canções: estimativas íntimas na formação do sentido. Ateliê Editorial: São Paulo, 2016a.

TATIT, Luiz. A arte de compor canções. Revista USP, v. 111, p. 11-20, 2016b.

TATIT, Luiz. O “cálculo” subjetivo dos cancionistas. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, v. 59, p. 369-386, 2014.

TATIT, Luiz. Analysing popular songs. In: HESMONDHALGH, David; NEGUS, Keith (Org.). Popular Music Studies. London: Arnold, 2002. p. 33-50.

TEPERMAN, Ricardo. Se liga no som: as transformações do rap no Brasil. São Paulo: Claroenigma, 2015.

VOZICK-LEVINSON, Simon. Perma-Stoned Oddball Young Thug Is the Hottest Voice in Rap. Rolling Stones Magazine, 4 dec. 2014. Disponível em: https://www.rollingstone.com/music/music-features/perma-stoned-oddball-young-thug-is-the-hottest-voicein-rap-66515/. Acesso em: 18 jan. 2019.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. 2. ed. São Paulo: Cosac & Naify, 2007.

Downloads

Publicado

2019-12-20

Como Citar

MOREIRA, I. L. A "Havana" de Camila Cabello: um estudo da canção, videoclipe e representações latino-americanas. Orfeu, Florianópolis, v. 4, n. 2, p. 143-168, 2019. DOI: 10.5965/2525530404022019143. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/1059652525530404022019143. Acesso em: 28 jan. 2023.