Interação e coletividade: apontamentos etnográficos sobre uma roda de choro

Autores

  • Renan Moretti Bertho Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530404012019005

Palavras-chave:

etnomusicologia, interação, coletividade, etnografia, rodas de choro

Resumo

A música praticada em uma roda de choro está sujeita a elementos informais e variações espontâneas que são consequências diretas e indiretas da interação e da coletividade. No presente texto busco demonstrar como este fazer musical proporciona formas simultâneas de negociação, pormove tomadas instantâneas de decisões e oferece possibilidades singulares de organização. Teoricamente dialogo com autores da área de etnomusicologia que apresentam discussões sobre fazer musical coletivo e suas possíveis relações entre música e sociedade. Posteriormente, apresento dados etnográficos construídos ao longo da minha pesquisa de campo,  enfatizando, sobretudo, propostas de negociação, dinâmicas de revezamento, revezamentos entre músicos, e diretrizes para a escolha dos instrumentos que serão tocados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renan Moretti Bertho, Unicamp

Doutorando em Música pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Possui mestrado em Música pela mesma instituição (2015) e graduação em Educação Musical pela Universidade Federal de São Carlos (2008). Desenvolve a pesquisa “Trilhas do choro: entre o participativo e o apresentacional nas rodas do interior paulista” (bolsa FAPESP) e ocupa o cargo de 2º Tesoureiro da Associação Brasileira de Etnomusicologia - ABET - gestão 2017/2019.

Referências

ARAGÃO, Pedro. O Baú do Animal: Alexandre Gonçalves Pinto e O Choro. Rio de Janeiro: Folha Seca, 2013.

BERTHO, Renan Moretti. Academia do choro: performance e fazer musical na roda. Dissertação (Mestrado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

BERTHO, Renan Moretti. Gravações performadas: material fonográfico e aprimoramento técnico em uma roda de choro. Tulha, Ribeirão Preto, v. 4, n. 2, p. 215-227, jul./dez. 2018.

BESSA, Virgínia de Almeida. A escuta singular de Pixinguinha: história e música popular no Brasil nos anos 1920 e 1930. São Paulo: Alameda, 2010.

BLACKING, John. How musical is man? 6. ed. Seattle: University of Washington Press, 2000, 1973.

LACKING, John. Music, Culture, and Experience. Selected Papers. BYRON, Reginald (Ed.). Chicago: University of Chicago Press, 1995.

CAZES, Henrique. Choro: do quintal ao Municipal. 4. ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

CHAFFIN, R.; LEMIEUX, A. F.; CHEN C. Spontaneity and Creativity in Highly Practised Performance. In: DELIÈGE; WIGGINS (Eds.). Musical Creativity. Hove and New York: Psychology Press, 2006. p. 200-2018.

CLAYTON, Martin. Entrainment, ethnography and musical interation. In: CLAYTON, Martin; DUECK Byron; LEANTE, Laura (Org.). Experience and Meaning in Music Performance. New York: Oxford University Press, 2013.

CONTIER, A. D. O nacional na música erudita brasileira: Mário de Andrade a questão da identidade cultural. Fênix, Uberlândia, v. I, p. 1-22, 2004.

CORTES, Almir. Improvisando em música popular: um estudo sobre o choro, o frevo e o baião e sua relação com a “música instrumental” brasileira. 2012. 285 f. Tese (Doutorado) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

DINIZ, André. O Rio musical de Anacleto de Medeiros: a vida, a obra e o tempo de um mestre do choro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

LARA FILHO, Ivaldo; SILVA, Gabriela; FREIRE, Ricardo. Análise do contexto da Roda de Choro com base no conceito de ordem musical de John Blacking. Per Musi, Belo Horizonte, n. 23, p. 148-161, 2011.

LIMA REZENDE, Gabriel S. S. O problema da tradição na trajetória de Jacob do Bandolim: comentários à história oficial do choro. Tese (Doutorado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

LIVINGSTON-ISENHOUR, Tamara Elena; GARCIA, Thomas George Caracas. Choro: a social history of a Brazilian popular music. Bloomington: Indiana University Press, 2005.

MOURA, Rafael M. O toque de Midas do choro: estabilidade e fricção a luz das tópicas. Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

RAPOSO de MEDEIROS, B. Ritmo na língua e na música: o elo possível. Música em Perspectiva, v. 2, p. 45-63, 2009.

REILY, Suzel. Voices of the Magi: enchanted jouneys in Southeast Brazil. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

SEEGER, Anthony. Por que cantam os Kῖsêdjê: uma antropologia musical de um povo amazônico. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

SOUSA, Miranda Bartira Tagliari Rodrigues Nunes de. O Clube do Choro de São Paulo: arquivo e memória da música popular na década de 1970. Dissertação (Mestrado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2009.

TRAVASSOS, Elizabeth. John Blacking ou uma humanidade sonora e saudavelmente organizada. Cadernos de Campo (São Paulo, 1991), Brasil, v. 16, n. 16, p. 191-200, mar. 2007.

WISNIK, Jose Miguel; SQUEFF, Enio. Música. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1983.

Downloads

Publicado

2019-09-11

Como Citar

BERTHO, R. M. Interação e coletividade: apontamentos etnográficos sobre uma roda de choro. Orfeu, Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 5-26, 2019. DOI: 10.5965/2525530404012019005. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/1059652525530404012019005. Acesso em: 5 fev. 2023.