Motivação de crianças para aprendizagem do violão no contexto do ensino coletivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530402022017147

Palavras-chave:

Motivação, Crenças de Autoeficácia, Ensino Coletivo, Crianças, Violão

Resumo

O estudo das “Crenças de Autoeficácia” é uma das possibilidades para orientar investigações sobre a motivação, uma vez que a confiança nas próprias habilidades está relacionada a aspectos intrínsecos e extrínsecos do processo motivacional. Assim, o escopo para este estudo foi investigar a motivação de crianças para aprender violão sob a ótica das crenças de autoeficácia, num contexto de ensino coletivo. A metodologia foi um Estudo de Levantamento de pequeno porte, realizado com sete crianças entre 9 e 11 anos de idade, e a coleta de dados foi feita por meio de questionário com perguntas abertas e questões com resposta no formato de escala Likert. Os resultados indicaram aspectos da motivação geral das crianças sobre a aprendizagem em grupo, repertório e performance pública, na relação com suas crenças de autoeficácia. Neste sentido, foi observado que as experiências vicárias estavam presentes nas aulas e que os estudantes valorizavam a possibilidade de aprender com os outros; que as experiências de êxito eram pouco percebidas pelas crianças; que os estados fisiológicos eram mais controlados no contexto da performance em conjunto; e que a persuasão verbal vinda do professor possuía efeito positivo maior para o aumento das crenças de autoeficácia nos estudantes em detrimento da persuasão dos colegas. Concluiu-se que os resultados da pesquisa corroboraram com estudos anteriores sobre a aprendizagem em contexto coletivo, demonstrando o potencial que tal contexto traz para motivação do aluno, além de permitir vislumbrar sugestões para que o professor possa contribuir na manutenção da motivação dos estudantes e, consequentemente, para o aumento das suas crenças de autoeficácia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayane Battisti, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Música da UFPR, na linha de pesquisa Educação Musical e Cognição, sob a orientação da Profª. Drª. Rosane Cardoso de Araújo. Concluiu o Mestrado em Educação Musical em fevereiro de 2016, também sob orientação da Profª. Drª. Rosane Cardoso de Araújo; o curso de bacharelado 'Superior de Instrumento (Violão)' na Escola de Música e Belas Artes do Paraná (atual UNESPAR), sob a orientação do Prof. Dr. Orlando Fraga em 2013 e a graduação em Administração de Empresas pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó (2008).

Rosane Cardoso de Araújo, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Professora Associada da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Docente nos cursos de graduação e pós-graduação em música. Bolsista de produtividade do CNPq e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Música da UFPR. Doutora em Música pela UFRGS. Realizou pós-doutorado na Universidade de Bolonha.

Referências

ARAÚJO, R. C. Motivação para prática e aprendizagem da música. In: ARAÚJO, R. C., RAMOS, D. (Orgs.). Estudos sobre motivação e emoção em cognição musical. Curitiba: Ed. UFPR, 2015.

AZZI, R. G. et al. Crenças de eficácia pessoal e coletiva. In: AZZI, R. G.; VIEIRA, D. A. (Orgs.). Crenças de eficácia em contexto educativo. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2014.

AZZI, R. G.; POLYDORO, S. A. J. Auto-eficácia proposta por Albert Bandura. In: AZZI, R. G.; POLYDORO, S. A. J. (Orgs.). Auto-eficácia em diferentes contextos. São Paulo: Editora Alínea, 2006. p. 9-23.

BANDURA, A. Self-efficacy: Toward a unifying theory of behavioral change. Psychological Review, v. 84, n. 2, p. 191-215, mar. 1977. Disponível em: <http://teachlearn.caltech.edu/documents/82-bandura_self-efficacy.pdf>. Acesso em: 7 abr. 2015.

BANDURA, A. Self-efficacy. In: RAMACHAUDRAN, V. S. (Ed.). Encyclopedia of human behavior. V. 4. New York: Academic Press, 1994. p. 71-81.

BANDURA, A. Exercise of personal and collective efficacy in changing societies. In: BANDURA, A. Self-efficacy in changing societies. Cambridge: Cambridge University Press, 1995.

BATTISTI, D. Um estudo sobre as crenças de autoeficácia no ensino coletivo de violão. 2016. 98 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Setor de Artes, Comunicação e Design, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016. Disponível em: <http://hdl.handle.net/1884/44070>. Acesso em: 25 ago. 2017.

BATTISTI, D.; ARAÚJO, R. C. Elaboração e validação de um questionário sobre as crenças de autoeficácia de alunos de violão em um contexto de ensino coletivo. In: ANAIS do XXII Congresso da ABEM - Associação Brasileira de Educação Musical. Natal: ABEM, 2015, p. 1-10.

BRAGA, P. D. A. Oficina de violão: estrutura de ensino e padrões de interação em um curso coletivo a distância. Tese (Doutorado em Música) – Programa de Pós-graduação em Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

BRAZIL, M. O material didático em aulas coletivas de violão como fonte de motivação e de crença de autoeficácia. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA EM MÚSICA DA UFG, 12., 2013a, Goiânia. Anais... Goiânia: UFG, 2013a, p. 140-142. Disponível em: <https://mestrado.emac.ufg.br/up/270/o/13%C2%BA_SEMPEM.pdf>. Acesso em: 18 maio 2015.

BRAZIL, M. Ensino de violão para iniciantes: uma reflexão sobre o uso das tonalidades. In: SIMPÓSIO ACADÊMICO DE VIOLÃO DA EMBAP, 7., 2013, Curitiba. Anais... Curitiba: EMBAP, 2013b, p. 162-171. Disponível em: <http://www.embap.pr.gov.br/arquivos/File/simposio/violao2014/Anais_do_VII_Simposio_EMBAP.pdf>. Acesso em: 05 maio 2015.

BRAZIL, M. TOURINHO, C. Composição coletiva como alternativa para a geração de repertório em aulas de violão em grupo. In: CONGRESSO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MUSICAL, 21., 2013, Pirenópolis. Anais... João Pessoa: Editora da UFPB, 2013a. Disponível em: <http://www.abemeducacaomusical.com.br/sistemas/anais/congressos/ABEM_2013_p.pdf>. Acesso em: 05 maio 2015.

CAETANO, M. T. O. A. Ensino coletivo de flauta doce na educação básica: práticas pedagógicas musicais no Colégio Pedro II. 2012. 174 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Programa de Pós-graduação em Música, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: <http://objdig.ufrj.br/26/dissert/780390.pdf>. Acesso em: 13 jan. 2016.

CONDESSA, J. A motivação dos alunos para continuar seus estudos em música. 2011. 109 f. Tese (Doutorado em Música) – Programa de Pós-graduação em Música, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10183/32473>. Acesso em: 18 out. 2013.

COSTA, E. R.; BORUCHOVITCH, E. Auto-eficácia e a motivação para aprender: considerações para o desempenho escolar dos alunos. In: AZZI, R. G.; POLYDORO, S. A. J. (Orgs). Auto-eficácia em diferentes contextos. Campinas: Editora Alínea, 2006. p. 87-109.

CERESER, C. M. I. As crenças de autoeficácia dos professores de música. 2011. 182 f. Tese (Doutorado em Música) – Programa de Pós-graduação em Música, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011. Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/31429/000781480.pdf?sequence=1>. Acesso em: 08 out. 2014.

CRUVINEL, F. M. Efeitos do ensino coletivo na iniciação instrumental de cordas: a educação musical como meio de transformação social. 2003. 321 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Escola de Música e Artes Cênicas, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2003. Disponível em: <https://mestrado.emac.ufg.br/p/2795-2001>. Acesso em: 23 mar. 2015.

DANTAS, T. Aprendizagem do instrumento musical realizada em grupo: fatores motivacionais e interações sociais. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PÓS-GRADUANDOS EM MÚSICA, 1., 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UNIRIO, 2010. Disponível em: <http://www4.unirio.br/simpom/textos/SIMPOM-Anais-2010-TaisDantas.pdf>. Acesso em: 17 fev. 2015.

DECI, E. L.; RYAN, R. M. Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. New York: Plenum, 1985.

GALAND, Benoît; BOURGEOIS, Étienne. Motivar-se para aprender. Campinas: Autores Associados, 2011.

KODAMA, M. K. Tocando com concentração e emoção. São Paulo: Editora Som, 2008.

McPHERSON, G. E.; O’NEILL, S. A. Motivation. In: PARNCUTT, R.; McPHERSON, G. (Eds.). The science and psychology of music performance: Creative strategies for teaching and learning. New York: Oxford University Press, 2002. p. 31-46.

ORTINS, F.; CRUVINEL, F. M.; LEÃO, E. O papel do professor no ensino coletivo de cordas: facilitador do processo ensino aprendizagem e das relações interpessoais. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO COLETIVO DE INSTRUMENTO MUSICAL, 1., 2004, Goiânia. Anais... Goiânia: 2004, p. 60-67.

PAJARES, F.; OLAZ, F. Teoria social cognitiva e auto-eficácia: uma visão geral. In: BANDURA, A.; AZZI, R. G.; POLYDORO, S. Teoria Social Cognitiva: conceitos básicos. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 97-114.

PALHEIROS, G. B. Funções e modos de ouvir música de crianças e adolescentes, em diferentes contextos. In: ILARI, B. S. Em busca da mente musical: ensaios sobre os processos cognitivos em música – da percepção à produção. Curitiba: Ed. da UFPR, 2006.

RAY, S. Considerações sobre o pânico do palco na preparação de uma performance musical. In: ILARI, B. E ARAUJO, R. C. (Orgs.). Mentes em Música. Curitiba: Deartes, 2009. p. 158 -178.

RIBEIRO, G. M. Autodeterminação para aprender nas aulas de violão a distância online: uma perspectiva contemporânea da motivação. 2013. 241 f. Tese (Doutorado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/76731/000894548.pdf?sequence=1>. Acesso em: 20 jun. 2014.

ROSA, A. R. Z. A motivação do adolescente para a aprendizagem e a prática do violão na cidade de Curitiba (PR). 2015. 103 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Programa de Pós-graduação em Música, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015. Disponível em: <http://dspace.c3sl.ufpr.br:8080/dspace/handle/1884/38827>. Acesso em: 09 jan. 2016.

SANTAYANA, R. Ensino coletivo de flauta transversal: Um estudo de caso nas oficinas culturais SESI-música. 2012. 41 f. Monografia (Especialização em Pedagogia da Arte) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10183/71621>. Acesso em: 14 jan. 2016.

STENCEL, E. B.; SOARES, L. F.; MORAES, M. J. C. Ansiedade na performance musical: aspectos emocionais e técnicos. In: 8º Simpósio de Comunicações e Artes Musicais. Anais... Florianópolis: Universidade do Estado de Santa Catarina, 2012. p. 37-46.

TEIXEIRA, M. S. B. Ensino Coletivo de Violão: Diferentes Escritas no Aprendizado de Iniciantes. 2008. 40 f. Monografia (Licenciatura em Música) – Instituto Villa-Lobos do Centro de Letras e Artes, UNIRIO, Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: <http://www.domain.adm.br/dem/licenciatura/monografia/mauricioteixeira.pdf>. Acesso em: 26 jun. 2014.

TOURINHO, A. C. A motivação e o desempenho escolar na aula de violão em grupo. Dissertação (Mestrado em Música) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1995.

TOURINHO, A. C. A motivação e o desempenho escolar na aula de violão em grupo: Influência do repertório de interesse do aluno. Ictus - Periódico do PPGMUS/UFBA, Bahia, v. 4, 2002. Disponível em: <http://www.ictus.ufba.br/index.php/ictus/article/viewFile/45/52>. Acesso em: 16 out. 2013.

TOURINHO, A. C. Ensino coletivo de violão: proposta para disposição física dos estudantes em classe e atividades correlatas. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE ARTE E EDUCAÇÃO, 20., 2006, Montenegro. Anais... Montenegro: Ed. da Fundarte, 2006. Disponível em: <http://artenaescola.org.br/sala-de-leitura/artigos/artigo.php?id=69356&>. Acesso em: 04 maio 2015.

TOURINHO, C. Ensino coletivo de violão: princípios de estrutura e organização. REVISTA ESPAÇO INTERMEDIÁRIO, São Paulo, v. I, n. II, p. 83-93, nov. 2010. Disponível em: <https://pt.scribd.com/doc/170024144/Ensino-Coletivo-de-Violao-Principios-de-Estrutura-e-Organizacao-CRISTINA-TOURINHO-1>. Acesso em: 12 jan. 2016.

TOURINHO, C.; AZZI, R. G. Ensino de Violão para alunos não violonistas na Graduação em Música da Escola de Música da UFBA: estratégias para desenvolver o aprendizado. In: SIMPÓSIO DE COGNIÇÃO E ARTES MUSICAIS, 10., 2014, Campinas. Anais... Campinas: UNICAMP, 2014. p. 199-206. Disponível em: <http://www.abcogmus.org/documents/SIMCAM10.pdf>. Acesso em: 12 jan. 2016.

VIEIRA, A. Professores de violão e seu modo de ser e agir na profissão: um estudo sobre as culturas profissionais no campo da música. 2009. 179 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Programa de Pós-graduação em Música, Universidade Federal do Rio Grando do Sul, Porto Alegre, 2009. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/17370>. Acesso em: 31 mai. 2014.

VIEIRA, G.; RAY, S. Ensino coletivo de violão: Técnicas de arranjo para o desenvolvimento pedagógico. In: CONGRESSO REGIONAL DA ISME NA AMÉRICA LATINA; ENCONTRO ANUAL DA ABEM, 16., 2007, Campo Grande. Anais... Campo Grande, 2007. Disponível em: <http://www.abemeducacaomusical.org.br/Masters/anais2007/Data/html/pdf/art_e/Ensino%20coletivo%20de%20violao%20tecnicas%20de%20arranjo%20Gabriel.pdf>. Acesso em: 26 jun. 2014.

Downloads

Publicado

2017-12-19

Como Citar

BATTISTI, D.; ARAÚJO, R. C. de. Motivação de crianças para aprendizagem do violão no contexto do ensino coletivo. Orfeu, Florianópolis, v. 2, n. 2, p. 147-174, 2017. DOI: 10.5965/2525530402022017147. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/1059652525530402022017147. Acesso em: 5 fev. 2023.