Quebra-cabeça sonoro: um jogo chamado criação musical

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530402022017045

Palavras-chave:

Educação musical, Estudos da infância, Processos criativos, Participação infantil, Iniciação ao piano

Resumo

Partindo da exploração dos sons produzidos pelo piano, crianças iniciantes no aprendizado desse instrumento têm material para se expressar musicalmente. Como em um quebra-cabeça em que as peças vão sendo acopladas umas às outras para formar uma imagem, temas inventados e organizados por elas dão forma a composições musicais em um jogo no qual elas são as protagonistas. Suas ideias, intenções e escolhas são acolhidas, incentivadas e orientadas e levam à aquisição da linguagem musical e pianística. Ao utilizar como dispositivo metodológico o estudo de caso, este artigo tem como objetivo refletir sobre a participação das crianças nos processos criativos, com base nos campos da educação musical e dos estudos da infância. Em um contexto educativo marcado pela integração de linguagens artísticas e por uma abordagem pedagógica na qual a construção de conhecimento acontece no compartilhamento de saberes entre professores-artistas e crianças, as invenções delas ganham vida e contribuem para a visibilização de seus modos de fazer música.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Mara da Cunha, Escola Municipal de Iniciação Artística de São Paulo Universidade de São Paulo

Professora de música da Escola Municipal de Iniciação Artística de São Paulo - EMIA/SP e pós-doutoranda na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Doutora em Educação pela FEUSP e mestre em Artes pela ECA/USP.

Referências

ANDRE, Paulo Farah. Pontos de Vista, uma entrevista. In: FRAGA, Andréa (Coord.). EMIA, escola de artes, casa de crianças: uma experiência de 35 anos. São Paulo: SMC, 2016.

ARNSTEIN, Serry R. A Ladder of Citizen Participation. In: Journal of the American Planning Association, Vol. 35, n. 4, p. 216-224, 1969.

BARBOSA, Maria Carmem Silveira; COLL DELGADO, Ana Cristina; TOMÁS, Catarina Almeida. Estudos da infância, estudos da criança: quais campos? Quais teorias? Quais questões? Quais métodos? In: Inter-Ação, Goiânia, v. 41, n. 1, p. 103-122, jan./abr. 2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5216/ia.v40i3.35869>.

BRITO, Maria Teresa Alencar de. Por uma Educação Musical do Pensamento: novas estratégias de comunicação. 288 f. 2007. Tese. (Doutorado em Comunicação e Semiótica) - PUC-SP, São Paulo, 2007.

BRITO, Teca Alencar de. Koellreutter Educador: o humano como objetivo da educação musical. São Paulo: Peirópolis, 2001.

CUNHA, Sandra. EMIA: escola de arte, casa de crianças. In: FRAGA, Andréa (Coord.). EMIA, escola de artes, casa de crianças: uma experiência de 35 anos. São Paulo: SMC, 2016.

CUNHA, Sandra et al. (Orgs.). O que as “Narrativas Poéticas” têm a nos dizer sobre o ensino de Arte para crianças na EMIA? In: EMIA em Revista. Edição CORPOCASA. São Paulo: SMC/Divisão de Formação Artística e Cultural/EMIA, 2014a.

CUNHA, Sandra Mara da. Eu Canto Pra Você: saberes musicais de professores da pequena infância. 186 f. 2014. Tese. (Doutorado em Educação) Universidade de São Paulo. São Paulo, 2014b.

CUNHA, Sandra Mara da; FREIXEDAS, Cláudia Maradei. Explorers of Sounds: the music of the children. 31st. ISME World Conference on Music Education. 15-20 July. Porto Alegre – Brazil, 2014. Disponível em: <https://www.academia.edu/8599415/Explorers_of_Sounds_the_music_of_the_children>.

CUNHA, Sandra Mara da; FREIXEDAS, Cláudia Maradei. Compositores e Intérpretes: a criação na aula de instrumento. Foro Latino Americano de Educação Musical – FLADEM. Guatemala, 2011. Disponível em: <https://www.academia.edu/7153729/FLADEM_2011_Mostra_de_Musicaliza%C3%A7%C3%A3o_Compositores_e_Int%C3%A9rpretes_a_cria%C3%A7%C3%A3o_na_aula_de_instrumento_1>.

CUSSIÁNOVICH, Alejandro Villarán. Protagonismo, participación y ciudadanía como componente de la educación y ejercicio de los derechos de la infancia. In: Historia del pensamiento social sobre la infancia. Lima: Universidad Nacional Mayor de San Marcos. Fondo Editorial de la Facultad de Ciencias Sociales: 2002. p. 86-102.

FREIXEDAS, Claudia Maradei. Caminhos Criativos no Ensino da Flauta Doce. 151 f. 2015. Dissertação (Mestrado em Música) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

FONTERRADA, Marisa Trench de Oliveira. Ciranda de Sons: práticas criativas em educação musical. São Paulo: UNESP, 2015.

GAINZA, Violeta Hemsy de. Palitos Chinos (shop-sticks): para la iniciación al piano. Buenos Aires: Barry, 1987.

GONÇALVES, Maria de Lourdes Junqueira. Educação Musical através do Teclado: etapa de musicalização. Manual do professor, vol. 1. Rio de Janeiro: [s. n.], 1986.

HART, Roger. Children’s Participation: from Tokenism to citizenship. Florence, Italy: UNICEF International Child Development Centre, 1992.

LANSDOWN, Gerison. The Realisation of Children’s Participations Rights: critical reflections. In: PERCY-SMITH, Barry; THOMAS, Nigel. A Handbook of Children and Young People’s Participation: perspectives form theory and practices. USA/Canada: Routledge, 2010.

LINO, Dulcimarta Lemos; RICHTER, Sandra Regina Simonis. Rodas Poéticas e Libretos de Criação: experiências lúdicas de habitar a linguagem na educação infantil. In: XI Anped Sul. Curitiba: UFPR, 24-27 Jul./2016. Disponível em: <http://www.anpedsul2016.ufpr.br/wp-content/uploads/2015/11/Eixo-5_DULCIMARTA-LEMOS-LINO-SANDRA-REGINA-SIMONIS-RICHTER.pdf>.

MONTANDON, Maria Isabel. Aula de Piano e Ensino de Música – análise da proposta de reavaliação da aula de piano e sua relação com as concepções pedagógicas de Pace, Verhaalen e Gonçalves. 1992. Dissertação (Mestrado em Música) - UFRGS, Porto Alegre, 1992.

OLSSON, Liselott Mariett. Taking Children’s Questions Seriously: the need for creative thought. Global Studies of Childhood, Vol. 3, n. 3, p. 230-253, 2013.

______. Eventicizing Curriculum: learning to read and write through becoming a citizen of the world. Journal of Curriculum Theorizing, Vol. 28, n.1, p. 88-107, 2012.

ROCHA, Ana Cristina Rossetto. Memórias de Iniciação Artística e a Criação de Si. 243 f. 2017. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de Campinas, Campinas, 2017.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Estudos da Infância e Sociedade Contemporânea: desafios conceptuais. O Social em Questão. Revista do Departamento de Serviço Social, Rio de Janeiro,PUC-Rio, Ano 12, n. 21-1, p. 15-30, 2009.

______. Visibilidade Social e Estudo da Infância. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos; SARMENTO, Manuel Jacinto (Org.). Infância (in) visível. Araraquara: Junqueira & Marin, 2007. p. 25-49.

______. Imaginários e Culturas da Infância. CEDIC – Centro de Documentação e Informação Sobre a Criança. Centro de Estudos da Criança, Universidade do Minho, 2003. Disponível em: http://cedic.iec.uminho.pt/Textos_de_Trabalho/textos/ImaCultInfancia.pdf>. Acesso em 16 set. 2017.

SCHAFER, Murray. O Ouvido Pensante. São Paulo: UNESP, 1991.

THOMAS, Nigel. Towards a Theory of Children’s Participation. International Journal of Children’s Rights, Leiden/Boston, Vol. 15, p. 199-218, 2007.

Downloads

Publicado

2017-12-19

Como Citar

CUNHA, S. M. da. Quebra-cabeça sonoro: um jogo chamado criação musical. Orfeu, Florianópolis, v. 2, n. 2, p. 045-068, 2017. DOI: 10.5965/2525530402022017045. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/1059652525530402022017045. Acesso em: 5 fev. 2023.