A infância e o processo de ensino-aprendizagem entre os Guarani Mbya: jogo, música e educação

Autores

  • Daisy Alves Fragoso Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Universidade de São Paulo (USP)

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530402022017031

Palavras-chave:

Cultura guarani, Crianças Guarani, Jogo ideal, Educação Musical

Resumo

Este texto apresenta e discute brevemente como a concepção de ensino-aprendizagem entre as crianças Guarani Mbya refletia no modo como estas, enquanto colaboradoras de trabalho de pesquisa etnomusicológica, ensinavam suas canções ao pesquisador em questão. Discorre-se, ainda, sobre os desafios encontrados durante o trabalho de campo realizado, no que diz respeito ao processo de ensino-aprendizagem entre a cultura guarani. Os caminhos percorridos durante a superação de tais desafios trazem à luz a maneira como os Guarani concebem a infância e, em consequência disso, como suas crianças aprendem – e ensinam –, o que pode remeter a análises relacionadas ao jogo ideal deleuziano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daisy Alves Fragoso, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Universidade de São Paulo (USP)

Mestra em Artes pelo Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade de São Paulo (USP). Professora substituta do Curso de Licenciatura em Educação Musical da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e professora de Educação Musical.

Referências

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BRITO, Maria Teresa Alencar de. Por uma educação musical do pensamento: novas estratégias de comunicação. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

COHN, C. A criança indígena: a concepção Xikrin de infância e aprendizado. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. Tradução Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, Ed. da Universidade de São Paulo, 1974.

DOOLEY, Robert A. (Organização, compilação e assistência linguística). Léxico Guarani, dialeto mbya: versão para fins acadêmicos. Porto Velho: Sociedade Internacional de Linguística, revisão de novembro de 1998.

FRAGOSO, Daisy Alves. Entre a opy e a sala de música: arranjos entre crianças guarani Mbya e crianças não indígenas. 2015. Dissertação (Mestrado em Artes) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Raça e história. 6. ed. Lisboa: Editorial Presença, 2000.

______. A antropologia diante dos problemas do mundo moderno. Tradução Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

MACEDO, Valeria. De encontros nos corpos guarani. Ilha – Revista de Antropologia, UFSC, Santa Catarina, v. 15, n. 2, p. 181-210, jul./dez. 2013.

MARTUCCELLI, Danilo. ¿Existen indivíduos en el Sur? Santiago de Chile: LOM Ediciones, 2010.

MIRĨ, Jera Poty. Jera Poty Mirĩ, liderança guarani e vice-diretora da Escola de Educação Indígena Guyra Pepo, na aldeia Tenondé Porã [18 dez. 2013]. Entrevistadoras: Alice Haibara, Joana Cabral e Valéria Macedo.

NUNES, Ângela M. No tempo e no espaço: brincadeiras das crianças A’uwẽ-Xavante. In: SILVA, Aracy Lopedas da; NUNES, Angela; MACEDO, Ana Vera Lopes da Silva (Orgs.). Crianças indígenas: ensaios antropológicos. São Paulo: Global, 2002. p. 64-99.

SCHADEN, Egon. Aspectos fundamentais da cultura guarani. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1962.

SILVA, Aracy Lopes da. Pequenos “xamãs”: crianças indígenas, corporalidade e escolarização. In: SILVA, Aracy Lopes da; NUNES, Angela; MACEDO, Ana Vera Lopes da Silva (Orgs.). Crianças indígenas: ensaios antropológicos. São Paulo: Global, 2002. p. 37-63.

Downloads

Publicado

2017-12-19

Como Citar

FRAGOSO, D. A. A infância e o processo de ensino-aprendizagem entre os Guarani Mbya: jogo, música e educação. Orfeu, Florianópolis, v. 2, n. 2, p. 031-044, 2017. DOI: 10.5965/2525530402022017031. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/1059652525530402022017031. Acesso em: 5 fev. 2023.