Intertextualidade no Lento (Assai) da Sinfonia n. 8 de Heitor Villa-Lobos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530402012017048

Palavras-chave:

Intertextualidade na música, Sinfonias, Análise musical, Heitor Villa-Lobos

Resumo

Este texto consiste na análise dos aspectos intertextuais presentes no Lento (Assai) da Sinfonia n. 8 de Heitor Villa- -Lobos (1887-1959), composta em 1950. É observado de que forma essas relações intertextuais incidem, apresentando as influências musicais exercidas no compositor, compreendendo o contexto em que o mesmo estava inserido, observando com quais compositores Villa-Lobos dialogava e de que forma isso ocorria. O fenômeno intertextual na música é abordado através da análise tradicional conexa com conceitos intertextuais, apresentados em categorias. Estas categorias englobam elementos gestuais, motívicos e estilizações. Os elementos relacionados às estilizações, em especial da música popular brasileira, serão discutidos através das tópicas musicais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adailton Sergio Pupia, Universidade Federal do Paraná

Graduado em Violão na Escola de Música e Belas Artes do Paraná, Pós Graduado em Educação Musical pela mesma instituição, Mestre em Musicologia na UFPR, e Doutorando em Musicologia na mesma instituição, onde participa do grupo de pesquisa: Contexto, Estruturação, Influência e Estilo Musical entre 1850-1950. Adailton Pupia foi diretor artístico e maestro da Orquestra Sinfônica de Ponta Grossa por quatro anos e realizou apresentações ao lado de músicos de grande prestigio. Em 2014 foi convidado para reger a Orquestra de Câmara de Braga e o Coro da Fundação Gulbenkian, em Portugal.
Instrumentista, regente, compositor e arranjador, Pupia foi finalista do concurso Armando Prazeres da Petrobrás-RJ. Em 2012 lançou seu álbum instrumental intitulado de "Guartelá". Foi criador e apresentador do programa televisivo "Mundo da Música", exibido pela TVE. Atuou como professor no Conservatório Maestro Paulino Martins Alves e na Universidade Estadual de Ponta Grossa, nas mais variadas disciplinas. Ministrou disciplinas como professor convidado nos cursos de pós-graduação da CENSUPEG e da PUC-PR. Atualmente é colunista do jornal Diário dos Campos e Orientador de Atividades no Sesc Água Verde.

Referências

BARBOSA, Lucas de Paula; BARRENECHEA, Lúcia Silva. A intertextualidade musical como fenômeno. Per Musi, Belo Horizonte, v. 8, p. 125-136, 2003.

BLOOM, Harold. A Angústia da Influência: Uma Teoria da Poesia. 2. ed. Tradução Marcos Santarrita. Rio de Janeiro: Imago Ed., 2002.

______. Um mapa da desleitura. 2. ed. Rio de Janeiro: Imago Ed., 2003.

BURKHOLDER, J. Peter. Intertextuality. Grove Music Online, Oxford University Press. Disponível em: <http://www.oxfordmusiconline.com/subscriber/article/grove/ music/52853>. Acesso em: 9 out. 2015.

CANO, Rúben López. Más allá de la intertextualidad. Tópicos musicales, esquemas narrativos, ironía y cinismo en la hibridación musical de la era global. Nassarre: Revista aragonesa de musicología, La Rioja, v. 21, n. 1, p. 59-76, 2005.

CANO, Rúben López. Música e intertextualitad. Cuadernos de teoria y crítica musical 104, Habana, p. 30-36, 2007.

CASTRO, Daniel Fraga de. A complexidade da angústia da influência de Harold Bloom. XI Semana de Letras. Porto Alegre: 2011. p. 1-14.

COLARUSSO, Osvaldo. Villa-Lobos, um grande sinfonista?. 2013. Disponível em: <http://www.gazetadopovo.com.br/blogs/falando-de-musica/villa-lobos-um-grandesinfonista/>. Acesso em: 25 jan. 2017.

CROWL, Harry. A Música de Richard Wagner e a sua Influência no Brasil. 2013. Disponível em:<http://blog.goethe.de/wagner/uploads/RichardWagnereoBrasil.pdf>. Acesso em: 25 nov. 2016.

D’INDY, Vincent. Cours de composition musicale, v. 2, n. 1. Paris: Durand e Cie Éditeurs, 1909.

FREITAS, Antônio Carlos Rodrigues de. O desenvolvimento do conceito de intertextualidade. Revista Icarahy, Rio de Janeiro, n. 6, 2011.

GONTIJO, Marisa Helena Simões. Francisco Braga: uma análise poética e musical de sua canção Virgens mortas, sobre soneto homônimo de Olavo Bilac. Dissertação (Mestrado em Música) – Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.

GUÉRIOS, Paulo Renato. Heitor Villa-Lobos e o ambiente artístico parisiense: convertendo-se em um músico brasileiro. Mana, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 81-108, 2003.

GUÉRIOS, Paulo Renato. Heitor Villa-Lobos: o caminho sinuoso da predestinação. Curitiba: Edição do autor, 2009.

HYDE, Martha M. Neoclassic and Anachronistic Impulses in Twentieth-Century Music. Music Theory Spectrum, California, v. 18, n. 2, p. 200-235, 1996.

KIEFER, Bruno. Villa-Lobos e o Modernismo na Música Brasileira. 2. ed. Porto Alegre: Movimento, 1986.

KLEIN, Michael Lawrence. Intertextuality in Western Art Music. Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press, 2005.

KORSYN, Kevin. Toward a new poetics of musical influence. British Jounal-Music Analysis, v. 10, n. 1/2, p. 3-72, 1991.

KRISTEVA, Julia. Introdução à Semanálise. São Paulo: Editora Perspectiva, 1974.

LAGO, Manoel Aranha Corrêa do. O Círculo Veloso-Guerra e Darius Milhaud no Brasil. Rio de Janeiro: RELER Editora, 2010.

MONELLE, Raymond. The Musical Topic: Hunt, Military and Pastoral. Bloomington: Indiana University Press, 2006.

MOTTE, Diether de La. Contrapunto. Barcelona: Editorial Labor, 1995.

MUSEU VILLA-LOBOS. Villa-Lobos: sua obra. Rio de Janeiro: MinC; IBRAM; Museu Villa-Lobos, 2009.

NOGUEIRA, Ilza. A estética intertextual na música contemporânea: considerações estilísticas. Brasiliana, v. 13, p. 2-12, 2003.

PIEDADE, Acácio Tadeu de Camargo. Expressão e sentido na música brasileira: retórica e análise musical. Revista eletrônica de musicologia, Curitiba, v. 11, p. 1-11, 2007.

PIEDADE, Acácio Tadeu de Camargo. Musical topics, intertextuality and rhetoricity in Heitor Villa-Lobos Bachianas Brasileiras Nr.2. Topical Encounters and Rhetorics of Identity in Latin American Art Music, Oxford, 2015.

PIEDADE, Acácio Tadeu de Camargo. Tópicas em Villa-Lobos: o excesso bruto e puro. Simpósio Internacional Villa-Lobos, São Paulo, v. 11, p. 127-147, 2009.

RATNER, Leonard Gilbert. Classic Music: Expression, form, and style. New York: Schirmer Books, 1980.

ROSEN, Charles. Influence: Plagiarism and Inspiration. 19th - Century music, California, v. 4, n. 2, p. 87-100, 1980.

SALLES, Paulo de Tarso. O acorde de Tristão em Villa-Lobos. Fórum do Centro de Linguagem Musical, São Paulo, v.1, p. 1-6, 2004.

SALLES, Paulo de Tarso. Villa-Lobos: Processos Composicionais. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

SANT’ANNA, Afonso Romano de. Paródia, paráfrase & Cia. São Paulo: Ática, 2007.

STRAUS, Joseph Nathan. Remaking the Past: Musical Modernism and the Influence of the Tonal Tradition. Cambridge: Havard University Press, 1990.

TAFFARELLO, Tadeu Moraes. O percurso da intersecção Olivier Messiaen-Almeida Prado: Momentos, La Fauvette des Jardins e Cartas Celestes. Tese (Doutorado em Música) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

Downloads

Publicado

2017-12-19

Como Citar

PUPIA, Adailton Sergio. Intertextualidade no Lento (Assai) da Sinfonia n. 8 de Heitor Villa-Lobos. Orfeu, Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 48–67, 2017. DOI: 10.5965/2525530402012017048. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/1059652525530402012017048. Acesso em: 18 maio. 2024.