O cuidado de si e a preparação para improvisação musical livre

Autores

  • Pedro Azevedo Sollero Universidade de São Paulo (USP)

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530401022016079

Palavras-chave:

improvisação musical livre, Foucault, ciências cognitivas

Resumo

O presente artigo procura contribuir para reflexões sobre diferentes processos de preparação para a improvisação musical livre, a partir da ideia de “cuidado de si”, como apresentada por Michel Foucault em sua Hermenêutica do Sujeito. O filósofo realiza um estudo deste conceito e práticas associadas, entre filósofos clássicos, e o acompanha até o momento histórico de Descartes, quando é dissociado do “conhece-te a ti mesmo”. Por meio da revisão da obra de Foucault, buscarei descrever conceitos que possam nos ajudar a olhar para práticas de preparação para a improvisação musical livre. Como referência de estudos em aprendizado de improvisação musical, apresentarei ideias de pesquisas que aproximam a música das ciências cognitivas. Por fim, farei uma reflexão a partir das práticas e conhecimentos descritos na bibliografia, e buscarei ferramentas para a compreensão da preparação para a improvisação musical livre, que contemplem mais do que o ensaio motor das ações da performance.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Azevedo Sollero, Universidade de São Paulo (USP)

Pedro Azevedo Sollero é músico improvisador e pesquisador, bacharel em Música pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente desenvolve pesquisa de mestrado  sobre a preparação para a improvisação musical livre, na Universidade de São Paulo (USP) no Programa de Pós graduação em Música, sob orientação de Rogério Luiz Moraes Costa. Em sua pesquisa investiga maneiras de encarar a preparação para a improvisação musical livre a partir da ótica de músicos improvisadores e pesquisas teóricas que refletem acerca das variadas habilidades envolvidas na improvisação musical livre e seus processos de desenvolvimento. Sua prática artística busca incluir as reflexões acadêmicas em um processo contínuo que tem sua aplicação principal nos grupos de improvisação livre do qual faz parte (Orquestra Errante e Trio Camerata PNSc).

Referências

ARTAUD, A. O Teatro e Seu Duplo. Brasil, Martins Editora, 2006.

BERKOWITZ, A. The Improvising Mind – Cognition and Creativity in the Musical Moment. New York: Oxford University Press. 2010.

COSTA, R. Estratégias pedagógicas para a prática da livre improvisação: diálogos entre a improvisação e a composição. In: XX Congresso da Anppom, 2010, Florianópolis. Anais do XX Congresso da Anppom. Florianópolis, 2010. p. 447-452.

COSTA, R.; Schaub, S. Expanding the concepts of knowledge base and referent in the context of collective free improvisation. XXIII Congresso da Anppom. Natal, 2013.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

GROTOWSKI, J.; BARBA, E.; FLASZEN, L. O Teatro laboratório de Jerzy Grotowski 1959-1969. São Paulo: Sesc/Perspectiva, 2010.

MINGUS, C. Saindo da Sarjeta. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Editor: 2005.

OLIVEROS, P. Deep listening A composer’s sound practice. Lincoln: Deep Listening Publications, 2005.

PRESSING, Jeff. Psychological Constraints on Improvisational Expertise and Communication, in In the course of Performance: Studies in the World of Musical Improvisation. Ed. Bruno Nettl and Melinda Russel Chicago, (University of Chicago Press, 1998).

SLOTERDIJK, P. Has de cambiar tu vida. Espanha. Pre-Textos, 2012

STANISLAVSKI, Constantin. A Preparação do ator. RJ: Civilização Brasileira, 1989.

TAMM, E. Robert Fripp From King Crimson to Guitar Craft. UK: Faber and Faber, 1990.

Downloads

Publicado

2017-05-17

Como Citar

SOLLERO, P. A. O cuidado de si e a preparação para improvisação musical livre. Orfeu, Florianópolis, v. 1, n. 2, p. 079-095, 2017. DOI: 10.5965/2525530401022016079. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/1059652525530401022016079. Acesso em: 6 fev. 2023.