Isso é ¿música? O som experimental a partir da apropriação das novas tecnologias

Autores

  • Andre Lopes Martins Escola de Comunicação & Artes, Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525534001022016060

Palavras-chave:

Pesquisa da sonoridade musical contemporânea, novas tecnologias na música, experimentação sonora, improvisação musical

Resumo

Este artigo traz uma reflexão sobre a experimentação sonora e possíveis paradoxos entre música, som e linguagem na produção artística contemporânea, a partir da apropriação das novas tecnologias digitais. No momento em que um instrumento acústico é acoplado a uma interface capaz de processar seu sinal, temos acesso às potencialidades mais intrínsecas do som. Valendo-se de processos investigativos que podem realizar o intercâmbio de dados e sinais originados em instrumentos acústicos, eletrônicos, computadores móveis, controladores, smartphones, redes de comunicação sem fios, sensores, objetos amplificados, etc., a experimentação a partir de aparatos digitais abriu uma fenda irreversível na fatura sonora, ampliando as possibilidades artísticas; o experimento sonoro, sua criação e difusão, estão cada vez mais próximos da pele, do tato, cada vez mais próximos ao corpo humano. Ao expandirmos o foco para além dos aspectos tradicionais do ritmo, melodia e harmonia, que estão atrelados a um certo período da música ocidental, e partirmos para uma escuta intensificada, percebemos a potência que o som representa, com suas nuances expressivas. Assim, a apropriação das novas tecnologias nas práticas artísticas possibilita a criação de um tipo específico de performance e composição ancoradas numa manipulação e escuta mais detalhadas do som, que podem vir a ser desvinculadas de uma referencialidade específica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andre Lopes Martins, Escola de Comunicação & Artes, Universidade de São Paulo

Doutorando em Música pela Universidade de São Paulo (2016). Atua como professor de música, pesquisador, compositor e performer. Em suas pesquisas, dedica-se aos estudos dos processos de criação musical a partir da expansão do instrumento e as relações com as novas tecnologias digitais na composição, improvisação, estudo do som e práticas artísticas.

Referências

BENITEZ, Joaquim M. Avant-Garde or Experimental? Classifying contemporary music. Internation Review of the Aesthetics and Sociology of Music, Vol. 9, ed. 1, p.53-77. Zagreb: HMD Ed., 1978.

CAMPESATO, Lilian. Deep Music. Texto publicado online, São Paulo: 2011. Disponível em http://liliancampesato.tumblr.com/post/7045853544/deep-music-a-instala%C3%A7%C3%A3o-consiste-na-constru%C3%A7%C3%A3o - Acesso em 23.8.23016.

COSTA, Rogério L. M. O músico enquanto meio e os territórios da livre improvisação. 2003. 179p. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica). São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica, PUC.

COSTA, Rogério L. M. A improvisação musical e suas conexões, Ano de obtenção. São Paulo: Tese de Livre-Docência, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, 2013.

COSTA, Rogério L. M. A improvisação livre, a construção do som e a utilização das novas tecnologias. Revista Música Hodie, v. 15, num. 1, pp.119-131. Goiânia: UFG Ed., 2015.

DUE, Andreas Reidar. Deleuze. Cambridge: Polite Ed., 2007

EMMERSON, Simon. The language of electroacoustic music. New York: MacMillan Publishers, 1986.

FERGUNSON, Sean. De-Composing Tristan Murail: The Collected Writings, 1980-2000. Montreal: Les Presses de l´Université de Montréal, 2007.

GRISEY, Gérard. Écrits: ou l’invention de la musique spectrale. Édition réalisé pour Guy Lelong et Anne-Marie Réby. Paris: MF Éditions, 1991, 2008.

GUIGUE, Didier. Estética da Sonoridade. São Paulo: Perspectiva, 2011.

IAZZETTA, Fernando. Música e mediação tecnológica. São Paulo: Perspectiva, 2009.

JONES. Caroline A. Sensorium – embodied experience, technology and contemporary art. Massachusetts: The MIT Press, 2006.

LANDY, Leigh. What´s the matter with today´s experimental music? Switzerland: Harwood Academic Publishers, 1991.

LIMA, J. G. A. Observações sobre o papel das ferramentas digitais na música experimental contemporânea brasileira. 2013, 148kp. Dissertação (Mestrado em Processos de Criação Musical). São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Música, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo.

MISKALO, Vitor K. ¿Música?: processos e práticas de criação e performance em um ambiente de pesquisas em sonologia. 2014. Tese (Doutorado em Processos de Criação Musical). São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Música, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo.

NYMAN, Michael. Experimental Music – Cage and beyond. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

OLIVEROS, Pauline. Deep Listening: a composer´s sound practice. Bloomington: iUniverse Edit., 2005.

PALOMBINI, Carlos. Pierre Schaeffer – from research into noises to experimental music. Computer Music Journal, Vol. 17, ed. 3, pp.14-19. Massachusetts: MIT Press, 1993.

ROSS, Alex. The rest is noise. New York: Picador, 2007.

SANTAELLA, Lucia. Matrizes da linguagem e pensamento – Sonora, visual, verbal. São Paulo: Iluminuras, 2013.

SANTAELLA, Lucia. O que é semiótica? São Paulo: Edit. Brasiliense, 1983.

SCHAEFFER, Pierre. Traité des objects musicaux, Paris: Seuil, 1966.

SCHWARTZ, Elliot. Music since 1945: issues, materials and literature. Belmont: Wadsworth Ed., 1993.

SILVEIRA, Henrique I. J. Colagem musical na música eletrônica experimental. 2012. 187p. Dissertação (Mestrado em Processos de Criação Musical). São Paulo, Programa de Pós-graduação em Música, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo.

SMALLEY, Roger. Experimental Music. The Musical Times, Vol. 116, No. 1583, pp. 23-26. London, 1975.

SMALLEY, Denis. Defining timbre – Refining timbre. Contemporary Music Review, Vol. 10, part 2, pp.35-48. London: Harwood Academic Publishers, 1994.

Downloads

Publicado

2017-05-17

Como Citar

MARTINS, A. L. Isso é ¿música? O som experimental a partir da apropriação das novas tecnologias. Orfeu, Florianópolis, v. 1, n. 2, p. 060-078, 2017. DOI: 10.5965/2525534001022016060. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/1059652525530401022016060. Acesso em: 6 fev. 2023.