O HORIZONTE HISTÓRICO DA ARTE INCOMUM

Autores

  • Arley Andriolo

DOI:

https://doi.org/10.5965/2358092503032004011

Resumo

O objetivo deste texto é apresentar a formação histórica do campo da Arte Incomum no Brasil. Este itinerário de cerca de 100 anos permite ao leitor notar como as proposições psiquiátricas e psicológicas inauguraram o olhar para as obras de nãoarte (obras marginais), representando um horizonte de retenções que dirigiu a recepção das obras. Conclui-se que, embora estas proposições tenham aberto o campo artístico para tais obras, estendem-se para o futuro restringindo o lugar dos criadores marginais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arley Andriolo

Professor doutor do Departamento de Psicologia Social e do Trabalho do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Pesquisador do Laboratório de Estudos em Psicologia da Arte no mesmo Instituto. Bacharel em História pela FFLCH-USP, doutor em Psicologia Social pelo IP-USP, com a tese intitulada Traços primitivos: histórias do outro lado da arte.

Referências

ANDRIOLO, Arley. Traços primitivos: histórias do outro lado da arte no século XX. São Paulo, 2004, 220 p. Tese (Doutorado), Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

ANDRIOLO, A. A psicologia da arte no olhar de Osório Cesar: leituras e escritos. Psicologia Ciência e Profi ssão, n. 23 (4), 2003, pp. 74-81.

ARANTES, O. B. F. Prefácio: Mário Pedrosa, um capítulo brasileiro da teoria da abstração. In: PEDROSA, M. Forma e percepção estética. São Paulo: Edusp, 1996, pp. 14-38.

Arte Incomum. XVI Bienal de São Paulo, 16 out. a 20 dez. 1981. Curadoria Geral Walter Zanini; Curador da Exposição Internacional de Arte Incomum Victor Musgrave; Curador da Exposição Nacional de Arte Incomum Annateresa Fabris.

BARATA, M. Conceito e metodologia das artes populares. Separata de Cultura, n. 3, Rio de Janeiro, Ministério da Educação e Saúde, Serviço de Documentação, pp. 27-46, 1950.

CESAR, O. A arte primitiva nos alienados: manifestação esculptórica com caracter symbolico feiticista num caso de syndroma paranóide. Memórias do Hospital de Juquery, São Paulo, ano 2, n. 2, pp. 111-125, 1925.

CESAR, O. A expressão artística nos alienados. (contribuição para o estudo dos symbolos na arte). São Paulo: Offi cinas Graphicas do Hospital de Juquery, 1929.

DUBUFFET, J. L’homme du commun à l’ouvrage. Paris: Gallimard, 1999.

FABRIS, A. Cosmogonias outras. In: Arte Incomum. XVI Bienal de São Paulo, 16 out. a 20 dez. 1981, pp. 19-25.

FERRAZ, H. C. Arte e loucura: limites do imprevisível. São Paulo: Lemos, 1998.

FRAYZE-PEREIRA, J. A. Olho D’Água: arte e loucura em exposição. São Paulo: Escuta, 1995.

FROTA, L. C. Mitopoética de 9 artistas brasileiros. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1978

LOURENÇO, M. C. Operários da modernidade. São Paulo: Hucitec/Edusp, 1995.

LYOTARD, Jean-François. A fenomenologia. Lisboa: Edições 70, 1986.

MORAIS, F. Panorama das artes plásticas, séculos XIX e XX. São Paulo: Itaú Cultural, 1989.

Mostra do Redescobrimento. Nelson Aguilar (org.) Fundação Bienal, Catálogo de Exposição. São Paulo: Associação Brasil 500 Anos Artes Visuais, 2000.

MOURA, S. B. A. Manifestações artísticas nos alienados. Tese apresentada à Fac. de Medicina do Rio de Janeiro, 10 nov. 1923. Rio de Janeiro: Off. Graph. do “João Pestana”, 1923.

PEDROSA, M. Forma e percepção estética. São Paulo: Edusp, 1996.

PERÉS, H. Primeira Exposição de Pintura, Arte feminina aplicada da Colônia Juliano Moreira [Catálogo de Exposição]. Rio de Janeiro, maio, 1950.

SILVEIRA, N. Imagens do inconsciente. 2 ed. Rio de Janeiro: Alhambra, 1982.

SILVEIRA, N. O Museu de Imagens do Inconsciente. In: FUNARTE/IBAC. Coordenação de Artes Visuais.

Museu de Imagens do Inconsciente. 2 ed. Rio de Janeiro: FUNARTE/Ed. UFRJ, 1994, pp. 13-29. (edição original 1980)

VOLMAT, R. L’art psychopathologique. Paris: PUF, 1956.

YAHN, M. Exposição de arte psicopatológica no I Congresso Internacional de Psiquiatria de Paris. Arquivos do Departamento de Assistência a Psicopatas do Estado de São Paulo, Franco da Rocha, vol. XVI, jan-dez., pp. 23-32, 1951.

ZANINI, W. A Bienal e os artistas incomuns. In: Arte Incomum. XVI Bienal de São Paulo, 16 out. a 20 dez. 1981, pp. 7-8.

Downloads

Publicado

2012-03-16

Como Citar

ANDRIOLO, Arley. O HORIZONTE HISTÓRICO DA ARTE INCOMUM. Revista NUPEART, Florianópolis, v. 3, n. 1, p. 11–32, 2012. DOI: 10.5965/2358092503032004011. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/nupeart/article/view/2480. Acesso em: 20 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos