O caráter imagético da tipografia: as raízes futuristas do uso das palavras enquanto imagem

Autores

  • Genilda Oliveira de Araujo Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
  • Gabriela Botelho Mager Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

DOI:

https://doi.org/10.5965/1808312909122014182

Palavras-chave:

Design, Tipografia, Futurismo

Resumo

O caráter imagético do texto passou a ser propagado por movimentos questionadores da arte e da sociedade, como o futurismo e o dadaísmo no início do século XX, tornando-se referência para outros movimentos de contracultura de 1980 em diante, principalmente no campo do design gráfico. Busca-se, neste trabalho, abordar o significado deste tipo de composição tipográfica em que a palavra entra com força de imagem, analisando diferentes formas futuristas e dadaístas de exploração do texto, nos trabalhos de Marinetti, Apollinaire e Zdanevich, bem como suas pretensões semânticas, tecendo-se relações com movimentos mais contemporâneos, exemplificados nos projetos gráficos das revistas The Face, SoDA, Beach Culture e Zembla. Tipógrafos, artistas gráficos e designers questionaram em seus trabalhos as regras tipográficas estabelecidas resultando uma nova forma de criação da composição tipográfica, na qual a desconstrução e o uso da palavra como imagem são fundamentais para a criação de novos significados na página.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Genilda Oliveira de Araujo, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Departamento de Design

Gabriela Botelho Mager, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Departamento de Design

Downloads

Publicado

2014-12-09

Como Citar

ARAUJO, G. O. de; MAGER, G. B. O caráter imagético da tipografia: as raízes futuristas do uso das palavras enquanto imagem. DAPesquisa, Florianópolis, v. 9, n. 12, p. 182 - 201, 2014. DOI: 10.5965/1808312909122014182. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/5077. Acesso em: 17 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos