Ivan Boiko e a Bandura: o design e a construção de instrumentos musicais como símbolo cultural

Autores

  • Juarez Bergmann Filho Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5965/1808312913212018076

Palavras-chave:

Instrumentos musicais, Cultura material, Luteria

Resumo

O presente artigo dialoga com múltiplas áreas do conhecimento em uma abordagem transdisciplinar, incluindo o Design, a Música, a Luteria, a Cultura Material. Esta pesquisa tem como objetivo entender alguns dos processos que levam à construção de instrumentos musicais e como estes artefatos incorporam e emanam significados. O Método escolhido foi o da revisão bibliográfica e da História Oral, por meio de entrevistas semi estruturadas. Como exemplo, apresenta-se o caso do artífice Ivan Boiko, que influenciado por elementos tanto de sua cultura natal ucraniana, como da brasileira, passou a construir banduras utilizando materiais e ferramentas locais, desenvolvendo assim projetos e conceitos próprios, incorporados ao longo de muita experimentação. Como resultado o artigo aponta para uma busca das trajetórias dos artefatos, como uma ferramenta de análise e observação, que deve passar também pela trajetória (de vida e laborais) de seus artífices construtores. Observar a trajetória de Ivan Boiko e da Bandura, pode servir como contextualização de elementos culturais que influenciam a criação, produção e significação da cultural material. Espera-se assim, compreender melhor a complexidade de elementos que podem influenciar direta ou indiretamente a construção de um artefato.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juarez Bergmann Filho, Universidade Federal do Paraná

Doutor em Design, Mestre em Música e Bacharel em Violino. Professor do Curso de Tecnologia em Luteria da Universidade Federal do Paraná e do Programana de Pós Graduação em Design da UFPR.

Downloads

Publicado

2018-12-18

Como Citar

BERGMANN FILHO, J. Ivan Boiko e a Bandura: o design e a construção de instrumentos musicais como símbolo cultural. DAPesquisa, Florianópolis, v. 13, n. 21, p. 076-092, 2018. DOI: 10.5965/1808312913212018076. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/1808312913212018076. Acesso em: 16 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos