Preconceituoso, graças a Deus!:

a intervenção urbana e a escrita ensaística como reinvenção de si

Autores

  • Diego Baffi Unespar Curitiba Campus II Faculdade de Artes do Paraná - FAP

DOI:

https://doi.org/10.5965/1808312915252020e0017

Palavras-chave:

Arte de rua, Urbanização, Escrita e arte, Performance (Arte)

Resumo

Este ensaio baseia-se em escritores clássicos e contemporâneos para apresentar as bases históricas e conceituais da escrita ensaística. Concomitantemente, trata da experiência do autor na construção site specific da intervenção urbana em arte Aguarda-te Escuridão (concebida e apresentada em setembro de 2018 em Lomé, Togo). Deste modo, o texto apresenta e defende a pertinência tanto do uso do formato do ensaio literário para a escrita derivada da pesquisa acadêmica que discuta a prática em arte quanto do que define como uma “metodologia ensaística” de produção de obras e conhecimento em arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Baffi, Unespar Curitiba Campus II Faculdade de Artes do Paraná - FAP

Diego Elias Baffi é professor efetivo da área de teatro da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) - Campus II (FAP). Possui doutorado pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2019). É paulistano de nascimento, campineiro de formação e curitibano de morada, é membro fundador da quandonde intervenções urbanas em arte (plataforma criada em 2012 que já atuou em 30 cidades do Brasil, além de 12 outros países da África, América e Europa), palhaço (atuação e direção), vegano, pai da Luísa, ciclista e antifascista. www.quandonde.com.br. E-mail: diego_baffi@yahoo.com.br

Referências

ADORNO, T. W. O ensaio como forma. In: ADORNO, T. W. Notas de Literatura I. São Paulo :Editora 34, 2003. p. 15-45. (Coleção Espírito Crítico)

BAFFI, D. E. Ensaios entre mundos possíveis: a estrangeiridade como princípio para a criação de intervenções urbanas em arte. 2019. Tese (Doutorado em Teatro) — Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

BENSE, M. O Ensaio e sua prosa. Rio de Janeiro : IMS, # 16, mar. 2014. Website: Instituto Moreira Salles, Serrote. Disponível em: https://www. revistaserrote.com.br/ 2014/04/o-ensaio-e-sua-prosa/. Acesso em: 3 ago. 2020.

DELEUZE, G.; PARNET, C. Uma conversa, o que é, para que serve? In: DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. São Paulo: Escuta, 1998. p. 7-45

FONTES, A. S. Intervenções temporárias, marcas permanentes: apropriações, arte e festa na cidade contemporânea. Rio de Janeiro: Casa da Palavra & Faperj, 2013.

LAROSSA, J. O ensaio e a escrita acadêmica. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 28, n. 2, p. 101 a 115, jul./dez. 2003.

LUKÁCS, G. Sobre a essência e a forma do ensaio: uma carta a Leo Popper. Revista UFG, Goiás, v. 9, n. 4, p. 1-13,2008.Disponível em: ttps://www.revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/48186/23535. Acesso em: 03 ago. 2020.

PEIXOTO, N. B. Paisagens Urbanas. São Paulo: Editora Senac, 2003.

STAROBINSKI, J. É possivel definir o Ensaio?. Revista Remate de males, Campinas, SP, v. 31, n. 1-2, p. 13-24, 2011. DOI: https://doi.org/10.20396/remate.v31i1-2.8636219. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/%20remate/article/view/8636219. Acesso em: 03 ago. 2020.

Publicado

2020-10-20

Como Citar

BAFFI, D. Preconceituoso, graças a Deus!: : a intervenção urbana e a escrita ensaística como reinvenção de si. DAPesquisa, Florianópolis, v. 15, n. esp., p. 01-19, 2020. DOI: 10.5965/1808312915252020e0017. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/17971. Acesso em: 1 ago. 2021.