O reencantamento do olhar

Autores

  • Fernanda Manéa

DOI:

https://doi.org/10.5965/1808312906082011243

Palavras-chave:

arte, construção poética, devir

Resumo

Este artigo trata da relação do olhar com a contrução poética, o olhar como um dispositivo para a percepção; inspirando formas e consequentemente, desenhos. O objetivo no campo das Artes Visuais é reencantar o olhar para a beleza cotidiana e efêmera, restaurar a subjetividade, a percepção e os sentidos para com os objetos cotidianos, que tornam-se invisíveis por essa proximidade, fazendo com que não conseguimos percebê-los mais. Despertar a imaginação através do devir, provocado pela longa observação de um objeto ou documentos de trabalho (como disparadores de ideias e imagens mentais que se formam espontaneamente em nós), encontra um referencial no Trattado della Pittura de Leonardo Da Vinci e nos métodos de Max Ernest. Este modo de observar permite ver além do que normalmente se percebe, como se olhássemos pela primeira vez, com o estranhamento de um viajante ou a curiosidade de uma criança. Revela lugares, desperta rememorações, percepções, o desejo de intervir, novos processos de criação como desenhar diretamente junto às manchas das fachadas em ruínas. O reencantamento seria uma tentativa de resgate da sensibilidade do olhar, mas também de restauração da subjetividade, do imaginário, aberto à percepção, ao devir; pode estar presente tanto na criação quanto na recepção da arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-10-25

Como Citar

MANÉA, F. O reencantamento do olhar. DAPesquisa, Florianópolis, v. 6, n. 8, p. 243-260, 2018. DOI: 10.5965/1808312906082011243. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/14009. Acesso em: 26 set. 2021.

Edição

Seção

Artes Visuais