Um estudo acerca da imaginação infantil nas ações de desenhar e brincar de faz de conta no contato com histórias infantis

Autores

  • Gislaine Rossler Rodrigues Gobbo Universidade Estadual Paulista
  • Stela Miller Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984317812032016154

Palavras-chave:

Educação, Infância, Imaginação, Artes,

Resumo

Este artigo é parte da pesquisa de doutorado realizada junto ao Programa de Pós graduação em Educação da UNESP, campus de Marília e tem como objetivo investigar o processo da constituição da imaginação infantil no contato com as histórias infantis. Para tanto, foram adotados como referencial os estudos de Vigotski (2009) e colaboradores, para buscar respostas ao problema proposto: o contato com as histórias infantis pode favorecer o desenvolvimento da imaginação infantil? A metodologia para a análise foi a pesquisa qualitativa do tipo interpretativa. Adotando os instrumentos de observação, diário de campo, coleta dos diálogos nos momentos lúdicos e desenhos obtidos após a leitura das histórias. A geração dos dados deu-se nos anos de 2012 e 2013 com 25 crianças de quatro e cinco anos. Nas considerações finais afirma-se que a imaginação é desenvolvida nas relações históricas dos sujeitos, como sistema complexo do psiquismo, depende das situações e experiências no meio cultural.

Biografia do Autor

Gislaine Rossler Rodrigues Gobbo, Universidade Estadual Paulista

Doutoranda do Programa de Pós graduação em Educação Campus Marília. Diretora de escola publica Municipal. Professora do curso superior -Pedagogia. Especialização Latu Sensu em Educação Infantil e Ensino de Artes. Possui Projeto de contação de Histórias. Pesquisas na área do desenho.

Stela Miller, Universidade Estadual Paulista

Professora Doutora do Programa de Pós Graduação Em Educação- campus Marília

Referências

ALENCAR, E. Introdução à metodologia de pesquisa. Lavras: UFLA, 1999.

DUARTE, Newton. A anatomia do homem é a chave da anatomia do macaco: a dialética em Vigotski e Marx e a questão do saber objetivo na educação escolar. In Educação e sociedade. Campinas, ano XXI, , nº 71, 79-115, jul/2000.

GONZALEZ REY, FERNANDO. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Cengage Learning, 2015.

GIL. Carlos Antonio. Métodos e técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 1999.

LEONTIEV, Alexis. O desenvolvimento do Psiquismo. Manuel Dias Duarte. Lisboa: Horizonte Universitário, 1978.

LURIA, Alexander. Curso de psicologia geral: introdução evolucionista à psicologia. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1979.

MARX, Karl. Manuscritos econômicos e filosóficos. São Paulo: editorial Boitempo, 2004.

MARTINS, Ligia Márcia. O desenvolvimento do psiquismo e a Educação escolar: contribuições á luz da psicologia histórico-cultural e da pedagogia histórico-crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

MELLO, Sueli. Produção de sentido e formação de leitores.V encontro brasileiro de educação e marxismo: marxismo, educação e emancipação humana.UFSC: Florianópolis, 2012.

PINO, Angel. A produção imaginária e a formação do sentido estético. Reflexões úteis para uma educação humana. Pro-posições, Campinas, v.17, n 2-50, p 47-69, ago 2006.

SMIRNOV, Anatoli. A imaginacion. SMIRNOV, Anatoli. A. et al. In: Psicologia. México: Grijalbo, 1960, p.308-338.

VIGOTSKI, Lev S. A imaginação e seu desenvolvimento na infância. In Vigoski, Lev . S. O desenvolvimento psicológico na infância. São Paulo: Martins Fontes, 1999, p.107- 130.

______.Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico- livro para professores; apresentação e comentários Ana Luiza Smolka; tradução Zoia Prestes. São Paulo: Ática, 2009.

VIGOTSKY, Lev S. Obras Escogidas Tomo I. Madrid, Visor, 1997.

______ Obras esgogidas Tomo III. Madrid, Visor, 2000.

Downloads

Publicado

2016-12-01