Relações Raciais e Epistemicídio: a artimanha poética como política de enfrentamento aos atentados ao horizonte simbólico negro no Brasil e na África do Sul

Autores

  • Elisabete Figueroa dos Santos Universidade do Sagrado Coração
  • Bruno Vicente Lippe Pasquarelli Universidade do Sagrado Coração

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984317812032016101

Palavras-chave:

Educação, Poesia, Epistemicídio, Inclusão, Política Racial,

Resumo

No bojo de tensões raciais extremas, como foram os casos da escravização racial no Brasil – e suas consequentes e atuais desigualdades – e do Apartheid na África do Sul, vê-se florescerem movimentos de enfrentamento que solicitam como arma de atuação a poesia e os recitais/saraus. Neste contexto, por meio da poesia ecoam discursos e demandas por afirmação, bem como pela denúncia de disparidades. Logo, este trabalho busca, lançar luzes sobre as formas como a produção poética e as articulações dos coletivos de saraus foram e têm sido reivindicadas por movimentos históricos, no Brasil e na África do Sul, como estratégias para a articulação político-cultural, problematizando-se os quadros de subjugação da população negra. Conclui-se que as artimanhas poéticas intervêm no processo de construção de saberes por meio da edificação de um espaço em que os símbolos, as estéticas e o protagonismo negros são valorizados. Forjam-se referências artísticas, intelectuais e políticas orientadas para a contestação dos marcos de exclusão impostos às periferias e aos negros, bem como para a produção de discursos e representações de forma endógena.

Biografia do Autor

Elisabete Figueroa dos Santos, Universidade do Sagrado Coração

Psicóloga (2008), mestre (2011) e doutora (2015) pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Atualmente, atua como professora do Curso de Graduação em Psicologia da Universidade do Sagrado Coração - USC.

Bruno Vicente Lippe Pasquarelli, Universidade do Sagrado Coração

Professor da Universidade do Sagrado Coração (USC). Doutor em Ciência Política pela Universidade Federal de São Carlos. Membro do Centro de Estudos de Partidos Políticos Latino­-Americanos (CEPPLA). Visitante-­acadêmico na Universidade de Oxford. Desenvolve pesquisa sobre instituições políticas comparadas, processo decisório, política externa e educacional no Brasil e no Chile.

Referências

ALVES, E. R. F. Outremização e revide de colonizado e colonizador em The narrative of jacobus coetzee (1974), de J.M. COETZEE. Maringá, PR, 2006, 192f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual de Maringá (UEM), 2006.

ANDRÉ, M. C. Processos de subjetivação em afro-brasileiros: Anotações para um estudo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 23, n. 2, p.159-168, 2007.

ARRUDA, A. (2002). Teoria das representações sociais e teorias de gênero. Cadernos de Pesquisa, (117), 127-147.

BARRIOS, O. Del apartheid a la democracia: el teatro como resistencia y efecto curativo contra la violencia racial en Sudáfrica. En BARRIOS, O. (Ed.) Realidad y representación de la violencia. Salamanca: Ediciones Universidad de Salamanca, p. 257-281, 2002.

COTA, L. G. S. A “pujante mocidade”: estudantes, professores e movimento abolicionista em ouro preto na última década da escravidão. Disponível em http://www.ichs.ufop.br/memorial/trab2/h545.pdf. Acesso realizado em 16 de junho de 2016.

DESCHAMPS, J. C. e MOLINER, P. A identidade em Psicologia Social: Dos Processos Identitários às Representações Sociais. Petróplis, RJ: Vozes, 2009, 198p.

FERREIRA, R. F. O brasileiro, o racismo silencioso e a emancipação do afro-descendente. Psicologia & Sociedade; v.14, n.1, p. 69-86, 2002.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. (org.). As Representações sociais. Rio de Janeiro: Eduerj, 2002.

KIRKWOOD, M. Literature and Popular Culture in South Africa. Third World Quarterly, v. 9, n. 2, p. 657-671, 1987.

LARLHAM, P. Black theater, dance and ritual in South Africa. Ann Arbor, Micghigan: UMI Research Publication, 1985.

MARINGONI, G. O destino dos negros após a abolição. Desafios do desenvolvimento. Ano 8, edição 70, 2011.

MARTÍN-BARÓ, I. O papel do psicólogo. Estudos de Psicologia, Natal, 2, 1, 7-27, 1996.

MUNANGA, K. Negritude: Usos e sentidos. 2a. ed. São Paulo: Ática, 1988.

PÍCOLI, M. A. Ideias de liberdade na cena política capixaba: o movimento abolicionista em vitória (1869/1888). Vitória, ES, 2009, 143f. Dissertação (Mestrado em História Social) - Universidade Federal Do Espírito Santo, 2009.

SAMPSON, A. O negro e o ouro: magnatas, revolucionários e o apartheid. São Paulo: Companhia das letras, 1988.

SANT’ANNA, T. “Noites abolicionistas”: As mulheres encenam o teatro e abusam Do piano na cidade de goiás (1870-1888). Opsis - Revista do NIESC, vol. 6, 2006.

SANTOS, B. S. Pela mão de Alice – O social e o político na pós-modernidade. Campinas: Cortez, 1996.

SILVA, M. A. M. Aproximações entre as ideias de literatura negra e periférica contemporâneas? Anais do III Simpósio de Pós-Graduandos em Sociologia, São Paulo, 2010.

SOUZA SILVA, R. A periferia pede passagem: trajetória social e intelectual de Mano Brown. Campinas, SP, 2012, 302f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Estadual de Campinas, 2012.

Downloads

Publicado

2016-12-01