A inclusão de artistas mulheres no ensino de arte surrealista

Autores

  • Doacir Domingos Filho Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) - PPGE
  • Margarida Gandara Rauen Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) - PPGE

Palavras-chave:

Androcentrismo, Ensino de arte, Gênero,

Resumo

Após uma análise comparativa de dois dos livros de arte do Programa Nacional do Livro Didático 2015 (PNLD), constatamos que os conteúdos de ambos refletem o androcentrismo. Trata-se de Arte em Interação (BOZANO, FRENDA, GUSMÃO, 2013) e Por toda Parte (FERRARI, LIBÂNEO, JARDO & FERRARI, 2013). Com o aporte crítico de Michael Archer (2012) e Michelle Perrot (2007), este artigo apresenta uma prática pedagógica para a disciplina de arte no ensino médio, de modo a evitar o problema da invisibilidade de artistas mulheres, que é uma consequência do androcentrismo na história da arte e em livros de arte. Optamos por delimitar a proposta por meio da temática do surrealismo, cujos conteúdos, nesses livros, se restringem à arte produzida por homens, embora pelo menos doze mulheres tenham produzido obras surrealistas relevantes no século XX.  A prática enfatiza a apropriação como um procedimento de composição e ressignificação, vindo ao encontro da proposta triangular (BARBOSA, CUNHA, 2010) que segue embasando as diretrizes curriculares de arte no estado do Paraná. Para além do recorte surrealista, professores(as) de arte insatisfeitos com o androcentrismo nos livros didáticos poderão adaptar o nosso modelo para promover a intervenção pertinente a outros aspectos do currículo de arte.

Biografia do Autor

Doacir Domingos Filho, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) - PPGE

Mestre em Educação, na linha de pesquisa “Educação, Cultura e Diversidade”, PPGE-UNICENTRO, Guarapuava, Paraná. Membro do Grupo de Pesquisa em Artes da UNICENTRO. Licenciado em Arte-Educação pela UNICENTRO. Pós-graduado Lato Sensu em Educação Especial, 2009, Faculdades Integradas do Vale do Ivaí – Ivaiporã – Paraná. E-mail: dominifilho@hotmail.com

Margarida Gandara Rauen, Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO) - PPGE

Ph. D. em Teatro, Michigan State University, E.U.A. Aposentou-se como professora Associada do Departamento de Arte da UNICENTRO e permanece docente colaboradora do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE). Orientadora na linha de pesquisa “Educação, Cultura e Diversidade”. Líder do Grupo de Pesquisa em Artes da UNICENTRO. E-mail: margierauen.br@gmail.com

Referências

ARCHER, Michael. Arte contemporânea: uma história concisa. 2 ed. Trad. Alexandre Krug; Valter Lellis Siqueira. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

AS PEQUENAS Margaridas. Direção de Vera Chytilová. Produção de Rudolf Hájek. Roteiro: Věra Chytilová Ester Krumbachová Pavel Juráček. Tchecoslováquia: Magnus Opus, 1966. (74 min.), DVD, son., color. Legendado.

BARBOSA, Ana Mae. (org.). Arte-educação: leitura no subsolo. São Paulo: Cortez, 1997.

__________, Ana Mae. A imagem no ensino da Arte. São Paulo: Perspectiva, 2008.

BARBOSA, Ana Mae; CUNHA, Fernanda Pereira. A abordagem triangular no ensino das artes e culturas visuais. São Paulo: Cortez, 2010.

BITTENCOURT, Circe. Livros Didáticos Entre Texto e Imagens. In: BITTENCOURT, Circe (org.). O Saber Histórico na Sala de Aula. São Paulo: Contexto, 2008. p. 69-90.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Trad. Maria Helena Kühner. 10ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

___________, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. Reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Trad. Reynaldo Bairão. 7ª Ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2014.

BOZZANO, Hugo B; FRENDA, Perla; GUSMÃO, Tatiane Cristina. Arte em Interação. 1ed. Volume único. São Paulo: IBEP, 2013.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Lei Darcy Ribeiro – Nº 9.394/1996. BRASIL, Secretaria da Educação Fundamental.

BRETON, André. Manifesto Surrealista. Trad. Luiz Forbes. São Paulo: Brasiliense, 1985.

COUTINHO, Andréa Senra; LOPONTE, Luciana Gruppelli. Artes Visuais e Feminismos: Implicações Pedagógicas. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 23(1), 2015, p. 181-190.

DOMINGOS FILHO, Doacir; RAUEN, Margarida G. Ensino de Arte e pluralidade de gênero em materiais didáticos. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s World’s Congress (Anais Eletrônicos), Simpósio Temático 156, Educação e Gênero: Desafios. Florianópolis, 2017. Disponível em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1503882124_ARQUIVO_ENSINODEARTEEPLURALIDADEDEGENEROEMMATERIAISDIDATICO.pdf. Acesso em: 24 de mar. 2018.

FAVARETTO, Celso. Pós-moderno na Educação? Revista da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, Edusp, v 17, 1991, p 121-127.

FERRARI, Solange dos Santos Utuari; LIBÂNEO, Daniela Leonardi; SARDO, Fábio; FERRARI, Pasvoa Fernando. Por Toda Parte: Volume Único. 1 ed. São Paulo: FTD,

GOMBRICH, Ernst H. A história da arte. Tradutor: Álvaro Cabral. 16. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006.

HAUSER, Arnold. História social da arte e da literatura. Trad. Álvaro Cabral São Paulo: Martins Fontes, 1995.

LACERDA, Mitsi Pinheiro de. A privacidade da miniatura: uma pesquisa em cotidiano escolar. Educar em Revista., 2010, nº36, p.233-244.

MIRANDA, Marília G. de. O Professor Pesquisador e Sua Pretensão de Resolver a Relação Entre a Teoria e a Prática na Formação de Professores. Campinas: Papirus, 5 ed., 2006.

NADEAU, Maurice. História do Surrealismo. Trad. Geraldo Gerson de Souza. São Paulo: Perspectiva, 1985.

PARANÁ, Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares da Educação Básica – Arte. Curitiba, 2008.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. Trad. Angela M. S. Côrrea. São Paulo: Contexto, 2007.

REBOUÇAS, Marilda de Vasconcellos. Surrealismo. São Paulo: Ática, 1986.

SURREALISMO. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo3650/surrealismo>. Acesso em: 04 de mar. 2018. Verbete da Enciclopédia.

VAZ, Adriana. Instituições Culturais: Gênero Narrativa e Memórias. Revista Científica FAP. Curitiba, v.4, n.1, p. 1-19, 2009.

VILLAS BOAS, Benigna Maria de Freitas. Avaliação. Portfólio, avaliação e trabalho pedagógico. Campinas, SP: Papirus, 2008

WALDMAN, Anne; BERRIGAN, Ted. Selections from Memorial Day: a collaboration. IN GERMAIN, Edward B. (editor). Surrealist Poetry in English. Londres: Penguin, 1978, p. 337.

ZABALZA, Miguel Angel. Diários de aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Porto Alegre: Artmed. 2004

ZURAKHINSKY, Michael et al. Méret Oppenheim (verbete). Disponível em http://www.theartstory.org/artist-oppenheim-meret-artworks.htm

Downloads

Publicado

2018-10-01