A inclusão do conhecimento no ensino do desenho

Autores

  • Emanuella Scoz Universidade Regional de Blumenau
  • Albio Fabian Melchioretto Universidade Regional de Blumenau

Palavras-chave:

Inclusão, Desenho, Método,

Resumo

Este relato trata a inclusão na educação sob a perspectiva do discente, efetuando a inclusão deste a partir das suas capacidades de relacionar-se com o método, respeitando autonomia e cultura. Relata a experiência do uso de tecnologia webcam para modificar o método de aprendizado da prática do Desenho ligado ao programa Jovem Aprendiz numa instituição de ensino profissionalizante na cidade de Blumenau. A experiência de ensino resultou em uma pesquisa qualiquantitativa junto aos estudantes verificando a eficácia do método. Este relato tem como objetivo cartografar esta prática de aplicação instrumental e feedback[1]dos estudantes. A leitura inicia do olhar teórico sobre a prática, seguindo para análise do conjunto de dados com questões de ordem descritiva e objetiva,requerendo olhar quantitativo e apreciação escrita da estrutura teórica que segue a Metodologia de Educação Profissional proposta pela própria instituição de ensino.A análise está relacionada à inclusão do conhecimento nos diversos níveis das capacidades humanas, no ensino das artes para prática do desenho e busca abrir possibilidades a compreensão dos instrumentos facilitadores de aprendizado e métodos de ensino.


[1] Do inglês: retornar a informação. Utilizando pesquisa de opinião para ouvir o posicionamento dos discentes sobre a prática. 

Biografia do Autor

Emanuella Scoz, Universidade Regional de Blumenau

Designer de Moda, Especialista em Negócios da Moda, Mestranda em educação, Professora e Pesquisadora.

Albio Fabian Melchioretto, Universidade Regional de Blumenau

Filósofo, educador, mestre em educação, focado no uso das tecnologias como facilitador do processo de ensino.

Referências

BRASIL. Lei nº 10.097, de 19 de dezembro de 2000. Presidência da República,

Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, Brasília, DF, 19 dez. 2000. Disponível em: . Acesso em: 16 set. 2018.

DELEUZE, Gilles. GUATTARI, Felix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 23ª Ed. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2002.

FREIRE, Paulo. Educação como Prática da Liberdade.29 Ed. Editora Paz e Terra: São Paulo, 1997.

MELCHIORETTO, Albio Fabian. RAASCH, Miriam Carla.Contribuições do uso das redes sociais virtuais no ensino. E-tech: tecnologias para a competitividade industrial. Florianópolis, n. Especial Educação, 4ª Ed, 2014, p. 123 – 134. Disponível em <http://revista.ctai.Metodologia de Ensino 2013 .br/index.php/edicao01/article/view/395/369>. Acesso em: 09 ago. 2015.

METODOLOGIA DE ENSINO. Metodologia de educação profissional.Departamento Nacional: Brasília, Agosto de 2013. Disponível em <https://www.oitcinterfor.org/sites/default/files/file_publicacion/MSEP_Documento.pdf>. Acesso em 23.09.2019.

MOURA, Mônica. Design para o sensível: Política e ação social na contemporaneidade. Revista ENSINARMODE. Florianópolis, Ano 1, n.3, Junho-Setembro de 2018, p.44-67. Disponível em <http://www.revistas.udesc.br/index.php/Ensinarmode/issue/view/Dossi%C3%AA%202>. Acesso em 23.09.2019.

SIBÍLIA, Paula. Entre redes e paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

Downloads

Publicado

2019-10-01