Educação Musical e Inclusão: um estudo sobre as práticas de professores de música no Ensino Fundamental

Autores

Palavras-chave:

Prática docente, Professores de música, Alunos com deficiência, Educação Básica.

Resumo

Este artigo apresenta os principais resultados da pesquisa que teve como objetivo geral compreender como tem se constituído a prática de professores de Música com crianças com deficiência em escolas de Educação Básica. O referencial teórico do trabalho aborda conceitos relativos à prática docente, inclusão, educação musical escolar e educação musical inclusiva. Para alcançar os objetivos, foi desenvolvido um estudo de caso com dois professores de Música da rede municipal de Olinda-PE. Os dados foram analisados qualitativamente e coletados a partir de análise documental, observações e entrevistas semiestruturadas. A partir dos resultados, concluímos que os professores de Música enfrentam diversos desafios em sua prática docente, entre eles, a precariedade do sistema escolar, a falta do apoio pedagógico em sala de aula e a limitação da formação inicial e continuada. Apesar dos desafios, desenvolvem diversas estratégias para o processo de ensino-aprendizagem dos alunos com deficiência, criam recursos pedagógicos complementares, adaptam instrumentos, procuram ajuda de outros profissionais e fazem avaliações diferenciadas. Além disso, suas ações são subsidiadas por concepções relativas ao acreditar no potencial de todos os alunos e de uma educação musical pautada no desenvolvimento da autonomia dos estudantes. 

Biografia do Autor

Crislany Viana da Silva, Universidade Federal de Pernambuco

Licenciada em Música e Mestre em Educação

Cristiane Maria Galdino de Almeida, Universidade Federal de Pernambuco

Doutorado e Mestrado em Música/Educação Musical pela UFRGS; Licenciatura e Bacharelado em Música pela UFPE; professora do Departamento de Música da UFPE desde 1994; professora credenciada nos Programas de Pós-Graduação em Música da UFPE e UFPB. Área de atuação: Educação Musical

Referências

ARNAIZ, P. A Educação Inclusiva: um meio de construir escolas para todos no século XXI. Inclusão: revista da educação especial, Brasília: MEC/SEESP, v. 1, n. 1 p. 7-18, out. 2005.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2002.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução n. 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2001.

______. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras. Brasília, DF, 2005.

______. Lei n. 11.769, de 18 de agosto de 2008. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino da música na educação básica. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Câmara dos Deputados, Brasília, DF, 2014.

______. Lei n. 13.278, de 02 de maio de 2016. Altera o § 6o do art. 26 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, referente ao ensino da arte. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 2016a.

______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 02, de 10 de maio de 2016. Define Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica. Diário Oficial da União. Brasília, 2016b.

BRITO, T. A. de. Koellreutter educador: o humano como objetivo da educação musical. São Paulo: Editora Peirópolis, 2001.

CAMARGO, E. A. A.; PÁSSARO, A. C. A. A visão de pais e profissionais sobre a inclusão escolar de pessoas com deficiência mental. In: MARTINS, Lúcia de Araújo Ramos et al. Inclusão: compartilhando saberes. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 122-138.

COSTA, V. A. Formação de professores e sua relação com a educação inclusiva: desafios à experiência teórica na práxis pedagógica. Educação Especial, Santa Maria, v. 28, n. 52, p. 405-416, mai./ago. 2015.

DEL BEN, L.; HENTSCHKE, L. Educação musical escolar: uma investigação a partir das concepções e ações de três professoras de música. Revista da ABEM, Porto Alegre, v. 7, p. 49-57, set. 2002.

DUBOC, M. J. O. Políticas de inclusão de alunos com deficiência e avaliação de desempenho, pontos e contrapontos. In: MIRANDA, T. G.; GALVÃO FILHO, T. A. (Orgs.). O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 479-488.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GUEBERT, M. C. C. Inclusão: uma realidade em discussão. 2. ed. Curitiba: Ibpex, 2007.

KEBACH, P.; DUARTE, R. Educação musical e educação especial: processos de inclusão no sistema regular de ensino. Textos & Debates, v. 2, n. 15, p. 98-111, 2008.

LOUREIRO, A. M. A. O ensino de música na escola fundamental. 8. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

LOURO, V. S. Educação musical e deficiência: propostas pedagógicas. São José dos Campos: Ed. do Autor, 2006.

LOURO, V. S. Fundamentos da Aprendizagem Musical da pessoa com deficiência. São Paulo: Editora Som, 2012.

______. Educação Musical Inclusiva: desafios e reflexões. In: SILVA, H. L. da; ZILLE, J. A. B. (Orgs.). Música e Educação. v. 2. Barbacena: UdUEMG, 2015. p. 33-49.

MANTOAN, M. T. E. Integração X inclusão – Educação para todos. Pátio, n. 5, p. 48-51, maio/jul. 1998.

PENNA, M. Música(s) e seu ensino. 2. ed. rev. e ampl. Porto Alegre: Sulina, 2015.

______. Não basta tocar? Discutindo a formação do educador musical. Revista da ABEM, Porto Alegre, v. 16, p. 49-56, mar. 2007.

PIMENTEL, S. C. Formação de professores para a inclusão: saberes necessários e percursos formativos. In: MIRANDA, T. G.; GALVÃO FILHO, T. A. (Orgs.). O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 139-155.

PIRES, G. N. L. O cotidiano escolar na escola inclusiva. In: MARTINS, L. A. R. et al. Inclusão: compartilhando saberes. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 106-121.

POKER, R. B. Adequações Curriculares na área da surdez. In: OLIVEIRA, A. A. S. et al. (Orgs.). Inclusão Escolar: as contribuições da Educação Especial. São Paulo: Cultura Acadêmica Editora e Fundepe Editora, 2008. p. 167-178.

RABÊLLO, R. S. A formação continuada do professor de arte na perspectiva de uma inclusão inclusiva. In: DÍAZ, F. et al. (Orgs.). Educação inclusiva, deficiência e contexto social: questões contemporâneas. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 347-355.

SILVA, L. G. Múltiplas representações de docentes acerca da inclusão de aluno cego. In: FAVERO, O; FERREIRA, W. (Orgs.). Tornar a Educação Inclusiva. Brasília: UNESCO, 2009. p. 177-198.

SOARES, L. Programa de apoio pedagógico e inclusão. Revista da ABEM, Londrina, v. 20, n. 27, p. 55-64, jan./jun. 2012.

SOUZA, J. F. de. Prática Pedagógica e Formação de professores. 2. ed. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012.

UNESCO. Declaração de Salamanca. Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. Espanha, 1994.

Downloads

Publicado

2018-10-01