Hilma af Klint: do espírito à matéria

Anna Carolina Cheles Cruz

Resumo


As múltiplas questões a respeito do trabalho esotérico de Hilma af Klint estão cada vez mais pertinentes no contemporâneo, a movimentação em torno da artista não é à toa. De um duvidoso título de precursora da vanguarda abstracionista a um elo expressivo entre o mundo espiritual e o material, a artista ganha destaque pelas coincidentes trajetórias no universo artístico de Wassily Kandinsky e Piet Mondrian, através de conceitos e filosofias baseadas na Teosofia de Helena Blavatsky e Rudolf Steiner, a qual estaria em grande circulação a propósito de uma busca espiritual frente ao progresso modernista no final do século XIX. As potências artísticas de Hilma af Klint são ainda imensuráveis, mas é notável seu caráter ímpar diante de seus contemporâneos, a ponto de indagar o que Walter Benjamin conceituaria como caráter aurático das obras de arte, uma vez que sua obra tensiona o secular e o divino, o tradicional e o moderno, através de uma prática de inspiração mediúnica. Hilma af Klint é uma artista sacerdótica, é preciso despir-se de todo formalismo artístico para compreender sua arte fundamentalmente etérea e cósmica.  


Palavras-chaves: hilma af klint, abstracionismo, arte, aura, espiritualidade.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2019 Palíndromo



Indexadores, diretórios e bases de dados

      


Revista Palíndromo - Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC - Centro de Artes - CEART

Endereço: Av. Madre Benvenuta, 1907 - Itacorubi - Florianópolis - SC - CEP: 88035-001

ISSN 2175-2346



A Revista Palíndromo está disponível sob a Licença
Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.