A modinha como fenômeno coletivo social sob uma perspectiva andradiana e sua análise poética

Pedro Razzante Vaccari

Resumo


Este artigo tem por objeto principal a
análise da modinha enquanto documentação
musical para a busca de uma melhor
compreensão da sociedade brasileira,
com embasamento em Mário de Andrade.
Propõe-se, além disso, traçar um paralelo
entre essas manifestações do Brasil imperial
e a música popular brasileira do século
XX e da atualidade, procurando exemplos
de compositores e intérpretes que mantiveram
a tradição da modinha, de serestas
e canções com funções coletivas sociais
similares àquela, como o samba-canção
da década de 1930. Dessa forma, os resultados
foram alcançados por meio de análises
de modinhas, relacionando-as com
sua contextualização histórica, possibilitando
uma sondagem dos grupos sociais
que as produziram e a continuidade da
tradição na posteridade. A análise poética
de “Viola quebrada”, de Mário de Andrade,
possibilitou situar e contextualizar o estudo
sob o prisma etnomusicológico, onde
o Brasil pôde ser visto como uma nação
que foi apropriada pelos colonizadores,
sem considerar suas idiossincrasias naturais,
e como essa metáfora é colocada no
poema em questão.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. de. A divina preguiça. A Gazeta, São Paulo, 28 nov. 1918.

________________. A situação etnográfica no Brasil. Jornal Síntese, Belo Horizonte, out. 1936.

_______________. Notas diárias. Mensagem, Belo Horizonte, 24 jul. 1943.

_______________. Música, doce música. São Paulo: Martins, 1963.

_______________. Modinhas imperiais. Belo Horizonte: Itatiaia, 1980.

_______________. Macunaíma. São Paulo: Klick, 1999.

_______________. Pauliceia Desvairada. São Paulo: Ciranda Cultural, 2017.

ARAÚJO, M. de. A modinha e o lundu no século XVIII. São Paulo: Ricordi, 1963.

CARLINI, A. Cantem lá que gravam cá. Universidade de São Paulo, 1994. Dissertação [Mestrado]. 467 fls.

CASCUDO, L. da C. Dicionário de folclore brasileiro. São Paulo: Global, 2000.

CENTRO CULTURAL SÃO PAULO. “Eu sou trezentos, sou trezentos-e-cincoenta”: uma “autobiografia” de Mário de Andrade. São Paulo: PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO, 1992.

______________________________. Cantos populares do Brasil: A Missão de Mário de Andrade. São Paulo: PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO, 2007

FREYRE, G. Casa-grande e senzala. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1983.

HOBSBAWN, E. História social do Jazz. Tradução: Ângela Noronha. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HOLANDA, C. B.; GUERRA, R. Calabar: o elogio da traição. São Paulo: Círculo do Livro, 1973.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1981.

IKEDA, A. T. Música política: imanência do social. São Paulo: universidade de São Paulo, 1995. Tese [Doutorado]. 314 fls.

LOPEZ, T. P. A. Mário de Andrade: ramais e caminho. São Paulo: Duas Cidades, 1972.

KIEFER, B. A modinha e o lundu: duas raízes da música popular brasileira. Porto Alegre: Movimento, 1986.

MARRAS, S. O fado tropical de Gilberto Freyre. Cult, São Paulo, mar. 2000.

MATHIAS, A. Fina estampa. Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 ago. 2004. Caderno Mais.

MENDES, A; RONCARI, L; MARANHÃO, R. Brasil história: texto e consulta. Vol. 2: Império. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SANCHES, P. A. Era uma vez uma canção. Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 ago. 2004. Caderno Mais.

SILVA, L. N. P. Mário universal paulista: algumas polaridades. São Paulo: Secretaria Municipal de Cultura, 1997.

TINHORÃO, J. R. Pequena história da música popular. Petrópolis: Vozes, 1975.

TONI, F. C. A música popular brasileira na vitrola de Mário de Andrade. São Paulo: Senac, 2003.




DOI: https://doi.org/10.5965/2525530404012019082

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores, diretórios e bases de dados

                       

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.