AS RELÍQUIAS LITERÁRIAS DE MACHADO DE ASSIS<em>MACHADO DE ASSIS'S LITERARY RELICS</em>

Autores

  • Renata Figueiredo Moraes PUC-Rio

Resumo

http://dx.doi.org/10.5965/2175180302022010182

O Relíquias de Casa Velha foi o último livro organizado por Machado de Assis. Nele, o autor quis arejar sua casa ao expor as relíquias de um tempo passado, vivido e testemunhado por ele. Na leitura dos contos e dos outros textos não-ficcionais, é possível perceber uma relação entre o passado imperial e o presente republicano, época da organização do livro. Logo, esse artigo pretende discutir essa relação através de uma leitura mais atenta dos contos e problematizar os valores destacados pelo autor para seu tempo, por exemplo, patriotismo, modernidade, progresso e trabalho, e que seriam as relíquias do Império para a República.
Palavras-chave: Império. República. Escravidão. Progresso.

Abstract
Relíquias de Casa Velha was the last book organized by Machado de Assis, in which the writer wanted to air his rooms by exposing the heirlooms from a past he lived and witnessed. Through the short stories and other non-fictional writings, a relation between the imperial past and the republican present is noticeble. This paper intends to discuss this very relation through a careful reading of the short stories, problematizing the values highlighted by Machado de Assis for his time, such as patriotism, modernity, progress and work, which would be the empire relics for the republic.
Keywords: Brasilian Empire. Brasilian Republic. Slavery. Progress.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Figueiredo Moraes, PUC-Rio

Possui graduação em História pela Universidade Federal Fluminense e mestrado em História Social pelo programa de pós-graduação em História Social dessa mesma universidade. Atualmente faz doutorado no programa de pós-graduaçaõ em História Social da PUC-Rio.

Downloads

Publicado

2010-12-09

Como Citar

MORAES, R. F. AS RELÍQUIAS LITERÁRIAS DE MACHADO DE ASSIS<em>MACHADO DE ASSIS’S LITERARY RELICS</em>. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 2, n. 2, p. 182 - 199, 2010. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180302022010182. Acesso em: 4 dez. 2021.