Influência de Fatores Cognitivos no Julgamento de Utilidade e na Aceitação do Sistema de Informação de Custos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2764747112232023069

Palavras-chave:

Fatores cognitivos. Julgamento de Utilidade. Aceitação. Sistema de Informação de Custos

Resumo

Objetivo: Diante do contexto de adequações no setor público à administração pública gerencial, esta pesquisa visa investigar a influência de fatores cognitivos perante o julgamento de utilidade e a aceitação do sistema de informação de custos (SIC) aplicado ao setor público. Método: Esta pesquisa caracteriza-se como descritiva, realizada a partir de survey single entity, com abordagem quantitativa dos dados. A entidade escolhida para análise foi a Secretaria da Fazenda do estado do Rio Grande do Sul em virtude do avançar do estado na implantação do SIC. Para análise dos dados coletados, utilizou-se a path analysis. Percebeu-se no caso analisado que os fatores cognitivos influenciam o julgamento de utilidade e a aceitação do novo SIC. Resultado: Existe consonância cognitiva da maioria dos indivíduos com o SIC, mitigando a resistência à implantação do novo sistema. Contribuições: Adiciona-se à literatura aplicada as perspectivas cognitivas na implantação de sistemas de controles gerenciais no setor público, principalmente no SIC, e a variável aceitação dos servidores diante de novos sistemas de controles gerenciais. Além do avanço na literatura, esta pesquisa pode contribuir com gestores e servidores públicos para compreensão de que a consonância entre os fatores cognitivos pode mitigar processos de resistência à mudança e atuar na organização como auxiliador na implantação de novos sistemas de controle gerencial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Filipy Furtado Sell, Universidade Federal do Pará

Doutor em Doutorado em Contabilidade pela Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Brasil.

Mestra em Ciências Contábeis pela Fundação Universidade Regional de Blumenau, FURB, Brasil.

Especialista em Contabilidade Pública pela Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Brasil.

Graduado em Ciências Contábeis pelo Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis, IES, Brasil.

Professor da Universidade Federal do Pará, UFPA, Brasil.

 

Vinícius Costa da Silva Zonatto, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Doutor em Ciências Contábeis e Administração pela Fundação Universidade Regional de Blumenau, FURB, Brasil.

Mestre em Ciências Contábeis pela Fundação Universidade Regional de Blumenau, FURB, Brasil.

Especialista em Auditoria e Perícia pela Universidade de Cruz Alta, UNICRUZ, Brasil.

Especialista em Administração de Recursos Humanos, Universidade do Contestado, UNC, Brasil.

Graduado em Ciências Contábeis pela Universidade de Passo Fundo, UPF, Brasil.

Professor da Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Brasil.

Referências

Alonso, M. (2022). Custos no serviço público. Revista do Serviço Público, 73, 127-152.

Bell III, T. J. (2010). The social psychology of IT security auditing from the auditee’s vantage point: Avoiding cognitive dissonance. ISACA Journal, 3(1), 1-4.

Birnberg, J. G., Luft, J., & Shields, M. D. (2006). Psychology theory in management accounting research. Handbooks of Management Accounting Research, 1, 113-135.

Bjornenak, T. (1997). Diffusion and accounting: the case of ABC in Norway. Management accounting research, 8(1), 3-17.

Bjornenak, T. (2000). Understanding cost differences in the public sector—a cost drivers approach. Management accounting research, 11(2), 193-211.Brandão, I. F. (2022). Modelo conceitual de sistema de informação de custos aplicado ao setor público brasileiro. Pensar Contábil, 24(84), 41-50.

Broadbent, J., & Guthrie, J. (2008). Public sector to public services: 20 years of “contextual” accounting research. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 21(2), 129-169.

Capobiango, R. P., Nascimento, A. D. L., Silva, E. A., & Faroni, W. (2013). Reformas administrativas no Brasil: uma abordagem teórica e crítica. REGE-Revista de Gestão, 20(1), 61-78.

Cardoso, R. L., Aquino, A. C. B. D., & Bitti, E. J. D. S. (2011). Reflexões para um framework da informação de custos do setor público brasileiro. Revista de Administração Pública, 45, 1565-1586.

Chabrak, N., & Craig, R. (2013). Student imaginings, cognitive dissonance and critical thinking. Critical perspectives on accounting, 24(2), 91-104.

Chenhall, R. H. (2003). Management control systems design within is organizational context: finding from contingency-based research and directions for the future. Accounting, Organizaction and Society, 28, 127-168.

Conselho Federal de Contabilidade. (2011). Resolução CFC nº 1.366/11. Aprova a NBC T 16.11 – Sistema de Informação de Custos do Setor Público. CFC.

Festinger, L. (1957). A teoria da dissonância cognitiva. Stanford University Press.

Festinger, L., & Carlsmith, J. M. (1959). Cognitive consequences of forced compliance. The journal of abnormal and social psychology, 58(2), 203.

Festinger, L. (1975). Teoria da Dissonância Cognitiva. Zahar.

Fontes, J. I. O., Oliveira, T., & Gurgel, A. M. (2020). Avaliação do sistema de informação de custos em uma instituição federal de ensino: propostas de melhorias e aplicabilidade. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 10(2), 39-59.

Hair Jr, J. F., Black, W. C., Badin, B., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Bookman

Harmon-Jones, E. (2012). Cognitive dissonance theory. In V.S. Ramachandran (Ed.), The Encyclopedia of Human Behavior (Vol. 1, pp. 543-549). Academic Press.

Harmon‐Jones, E., Amodio, D. M., & Harmon‐Jones, C. (2009). Action‐based model of dissonance: A review, integration, and expansion of conceptions of cognitive conflict. Advances in experimental social psychology, 41, 119-166.

Holanda, V. B. (2011). Sistema de Informação de Custos do Governo Federal (SIC): uma nova abordagem para a gestão pública. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), 5(2), 121-127.

Jermias, J. (2001). Cognitive dissonance and resistance to change: the influence of commitment confirmation and feedback on judgment usefulness of accounting systems. Accounting, Organizations and Society, 26(2), 141-160.

Kavanagh, M. H., & Ashkanasy, N. M. (2006). The impact of leadership and change management strategy on organizational culture and individual acceptance of change during a merger. British journal of management, 17(S1), S81-S103.

Konow, J. (2000). Fair shares: Accountability and cognitive dissonance in allocation decisions. American economic review, 90(4), 1072-1091.

Kuipers, B. S., Higgs, M., Kickert, W., Tummers, L., Grandia, J., & Van der Voet, J. (2014). The management of change in public organizations: A literature review. Public administration, 92(1), 1-20.

Lapsley, I., & Wright, E. (2004). The diffusion of management accounting innovations in the public sector: a research agenda. Management accounting research, 15(3), 355-374.

Latham, G. P., & Locke, E. A. (1991). Self-regulation through goal setting. Organizational behavior and human decision processes, 50(2), 212-247.

Libby, T., & Waterhouse, J. H. (1996). Predicting change in management accounting systems. Journal of management accounting research, 8, 137.

Luque, C. A., Cruz, H. N., Amaral, C. M., Bender, S., & dos Santos, P. M. (2008). O processo orçamentário e a apuração de custos de produtos e serviços no setor público do Brasil. Revista do Serviço Público, 59(3), 309-331.

Luthans F. and Kreitner R. (1991). Organizational Behavior Modification and Performance. Unwin-Hyman.

Machado, N., & Holanda, V. B. D. (2010). Diretrizes e modelo conceitual de custos para o setor público a partir da experiência no governo federal do Brasil. Revista de Administração Pública, 44, 791-820.Marôco, J. (2011). Análise estatística com o SPSS Statistics (5a ed). ReportNumber.

Meyer, J. P. & Allen, N. J. (1997). Commitment in the workplace: theory, research and application. Sage Publications.

Mowday, R. T., Steers, R. M., & Porter, L. W. (1979). The measurement of organizational commitment. Journal of vocational behavior, 14(2), 224-247.

Nor-Aziah, A. K., & Scapens, R. W. (2007). Corporatisation and accounting change: The role of accounting and accountants in a Malaysian public utility. Management Accounting Research, 18(2), 209-247.

Perera, S., McKinnon, J. L., & Harrison, G. L. (2003). Diffusion of transfer pricing innovation in the context of commercialization—a longitudinal case study of a government trading enterprise. Management Accounting Research, 14(2), 140-164.

Pessoa, M. S. C. M., & Callado, A. A. C. (2023). Custos ocultos comportamentais no setor público: uma abordagem a partir do capital intellectual. Revista Contabilidade e Controladoria, 15(1), 77-96.

Piderit, S. K. (2000). Rethinking resistance and recognizing ambivalence: A multidimensional view of attitudes toward an organizational change. Academy of management review, 25(4), 783-794.

Pigatto, J. A. M., Holanda, V. B. D., Moreira, C. R., & Carvalho, F. A. (2010). A importância da contabilidade de competência para a informação de custos governamental. Revista de Administração Pública, 44, 821-837.

Pike, R. H., Tayles, M. E., & Mansor, N. N. A. (2011). Activity-based costing user satisfaction and type of system: A research note. The British Accounting Review, 43(1), 65-72.

Rezende, F. D. C. (2002). Razões da crise de implementação do Estado gerencial: desempenho versus ajuste fiscal. Revista de Sociologia e Política, 111-121.

Rezende, F., Cunha, A., & Bevilacqua, R. (2010). Informações de custos e qualidade do gasto público: lições da experiência internacional. Revista de Administração Pública, 44, 959-992.

Rezende, F., Cunha, A., & Cardoso, R. L. (2010). Custos no setor público. Revista de Administração Pública, 44(4), 789-791.

Schick, A. (1998). A contemporary approach to public expenditure management. World Bank Institute, 68(1), 2-11.

Shields, M. D., & Young, S. M. (1994). Managing innovation costs: a study of cost conscious behavior by R&D professionals. Journal of Management Accounting Research, 6(1), 175-196.

Silva, A. F., Steindorfer, I. B., Bringel, J. H. F. A, Nobre, J. G., & Vasconcelos, A. C. (2022). Desafios e limitações na implantação do sistema de custos na Prefeitura Municipal de Fortaleza. Contextus – Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 20(esp.), e81675.B

Soares, C. S., Rosa, F. S., & Zonatto, V. C. S. (2020). Reflexos do uso do sistema de custos na qualidade da gestão pública com base na percepção de gestores municipais de Santa Maria/RS. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 19, 1-15.

Stone, J., & Cooper, J. (2001). A self-standards model of cognitive dissonance. Journal of experimental social psychology, 37(3), 228-243.

Van de Walle, S., & Hammerschmid, G. (2011). The impact of the New Public Management: Challenges for coordination and cohesion in European public sectors. Halduskultuur, 12(2).

Verbeeten, F. H. (2011). Public sector cost management practices in The Netherlands. International Journal of Public Sector Management, 24(6), 492-506.

Zonatto, V. C. S. (2014). Influência de fatores sociais cognitivos de capacidade, vontade e oportunidade sobre o desempenho gerencial nas atividades orçamentárias das maiores empresas exportadoras do Brasil [Tese de doutorado, Universidade Regional de Blumenau]. Biblioteca on-line da Universidade de Blumenau. http://www.bc.furb.br/docs/TE/2014/358328_1_1.pdf

Publicado

2023-12-01

Como Citar

Sell, F. F., & Costa da Silva Zonatto, V. (2023). Influência de Fatores Cognitivos no Julgamento de Utilidade e na Aceitação do Sistema de Informação de Custos. Revista Brasileira De Contabilidade E Gestão, 12(23). https://doi.org/10.5965/2764747112232023069