Maria Nicolas (1906-1938): mulher negra, uma “forasteira de dentro” no ensino público primário do Paraná

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19847246252024e0102

Palavras-chave:

história da educação, escola normal, ensino público, população negra

Resumo

Este artigo delineia aspectos da trajetória da normalista Maria Nicolas, que residiu em Curitiba/PR e ministrou aulas no ensino primário nas primeiras décadas do século XX, no Paraná. Orecorte temporal abrange o período entre 1906 e 1938. Reconstrói-se parte do seu percurso pelo prisma da interseccionalidade, o qual foi marcado por episódios de discriminação racial, de gênero e de classe. Igualmente problematiza-se a categoria “outsider within” de Collins (2016) e adotam-se como base teórica os conceitos de trajetória, habitus e capital de Bourdieu (1996, 2017). Nicolas formou-se na Escola Normal de Curitiba entre 1913 e 1916 e itinerou por várias escolas em Curitiba e no interior do Paraná, justamente porque a sociedade republicana respondia ao ideário de civilidade perpassado pela tese eugênica e de progresso nos moldes patriarcais. A população negra, em especial as mulheres, ainda eram vistas ligadas ao trabalho doméstico e servil; havia também uma resistência por parte das mulheres brancas, de elite, em superar as diferenças raciais. Então, por diferentes formas de opressão, a normalista deste estudo viveu à margem, como alude bell hooks (2019), mesmo sendo pertencente e tendo conhecimento de todo sistema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana Mendes Schuindt, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Mestra em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Doutoranda em Educação na Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Adriana Vaz, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professora do Departamento de Expressão Gráfica da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Referências

ALMEIDA, Giane Elisa Sales de; ALVES, Claudia Maria Costa. Educação escolar de mulheres negras: interdições históricas... Revista Educação em Questão, Natal, v. 41, n. 27, p. 81-106, jul./dez. 2011.

ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. São Paulo: Editora Jandaíra, 2021.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

BENTO, Cida. O pacto da branquitude. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2022.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaina (coord.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1996. p. 183-192.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Tradução de Mariza Corrêa. 4. ed. Campinas: Papirus, 2003.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. 2. ed. Tradução de: Daniela Kern e Guilherme J. F. Teixeira. Porto Alegre: Zouk, 2013.

BOURDIEU, Pierre. Escritos de educação. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2017.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1982.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Sociedade e Estado, [Brasília], v. 31, n. 1, p. 99-127, 2016.

COLLINS, Patricia Hill; BILGE, Sirma. Interseccionalidade. Tradução: Rane Souza. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2021.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p 175, 2002.

CRUZ, Eliseu Pinheiro da et al. Mulheres, mulheres negras e configurações étnico-raciais na Escola Normal de Caetité, Bahia (1898-1943). Educ. Pesqui., São Paulo, v. 47, p. 1-19, 2021.

DEVULSKI, Alessandra. Colorismo. São Paulo: Editora Jandaíra, 2021.

FERBER, Luiza Pinheiro. Escolas isoladas: um mal necessário (1910-1915). In: ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA, 15., 2014, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: UFSC, 2014. p. 1-12. Tema: 1964-2014 - Memórias, Testemunhos e Estado. p. 01-12.

FONSECA, Marcus Vínicius. Apontamentos em relação às formas de tratamento dos negros pela história da educação. História da Educação, Pelotas: ASPHE/FaE/UFPel, v. 13, n. 28, p. 29-59, maio/ago. 2009.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Organização: Flavia Rios e Márcia Lima. 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

HOOKS, bell. Teoria feminista: da margem ao centro. Tradução: Rainer Patriota. São Paulo: Perspectiva, 2019.

LORDE, Audre. Irmã outsider. Tradução: Stephanie Borges. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

MOCELLIN, Renato. História concisa de Curitiba. Curitiba: Atena Editora, 2020.

MÜLLER, Maria Lúcia Rodrigues. A produção de sentidos sobre mulheres negras e o branqueamento do magistério no Rio de Janeiro na Primeira República. In: FONSECA, Marcus Vinicius; BARROS, Surya Aaronovich Pombo de (orgs.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: Eduff, 2016. p. 395-413.

MUNANGA, Kabengele. A mestiçagem no pensamento brasileiro. In: MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. 1. ed. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 50-83.

NICOLAS, Maria. Entrevista [cedida a Biblioteca Pública do Paraná], [Curitiba], 1976.

NICOLAS, Maria. Retalhos de uma vida. Curitiba: [19--]a. Manuscritos. 95 p

NICOLAS, Maria. Considerações sobre o ensino. Curitiba: [19--]b. Manuscrito. 8 p.

NICOLAS, Nicole Louise Capote. Maria Nicolas (1899-1988): trajetória. 51 f. 2013. Trabalho de Graduação (Licenciatura em Artes Visuais) – Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba, 2013.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestões de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo Social, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 287-308, 2006.

PARANÁ. Decreto n. 93, de 11 de março de 1901. Regulamento da Instrucção Publica do Estado do Paraná. Coritiba, PR: [Governo do Estado], 11 mar. 1901.

PERES, Eliane. Ler, escrever e contar entre mulheres escravizadas: uma história a ser escrita. Revista Brasileira de História da Educação (Dossiê), [Maringá], v. 22, p. 1-28, 2022.

PINTO, Regina Pahim. Raça e educação: uma articulação incipiente. Cadernos de Pesquisa, São Paulo: Fundação Carlos Chagas, n. 80, p. 41-50, 1992.

ROMÃO, Jeruse. Introdução. In: ROMÃO, Jeruse (org.). História da educação dos negros e outras histórias. Brasília: Ministério da Educação/SECAD, 2005. p. 11-18.

SALES JUNIOR, Ronaldo. Democracia racial: o não-dito racista. Tempo Social, revista de sociologia da USP, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 229-258, 2006.

SCHUINDT, Silvana Mendes. Maria Nicolas - Além do bê-a-bá: a trajetória profissional de uma normalista negra no Paraná (1906-1938). 279 f. Dissertação. Programa de Pós-graduação em Educação, Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2022.

Downloads

Publicado

2024-04-02

Como Citar

SCHUINDT, Silvana Mendes; VAZ, Adriana. Maria Nicolas (1906-1938): mulher negra, uma “forasteira de dentro” no ensino público primário do Paraná. PerCursos, Florianópolis, v. 25, p. e0102, 2024. DOI: 10.5965/19847246252024e0102. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/24315. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê 2024/1 "As intelectualidades negras na compreensão do Brasil"