A invenção do Brasil negro: intelectuais negros e sua produção cultural no pós-abolição

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19847246252024e0101

Palavras-chave:

intelectuais negros, raça, identidade nacional, pós-abolição

Resumo

Este artigo analisa uma peça de teatro de revista produzida e encenada em 1926 como instrumento para a discussão sobre a presença e a produção intelectual negra no campo cultural do pós-abolição. Em um contexto político no qual se discutiam intensamente as relações entre raça e nação no Brasil, o maestro Duque Bicalho e o jornalista José Eutrópio – a partir de diferentes perspectivas e com distintas intenções – tomaram uma noção (imprecisa, fluida e elástica) de cultura negra como marca da identidade nacional e da brasilidade. Assim, eles buscaram nas manifestações culturais de origem negra – e, em alguns casos, africanas – as originalidades nacionais brasileiras. O artigo, neste sentido, estuda as estratégias adotadas por dois intelectuais negros que se voltaram para a discussão do lugar da cultura negra na construção da nação no Brasil e, por consequência, do debate em torno do acesso das gentes negras aos direitos políticos e ao status de cidadania no pós-abolição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jonatas Roque Ribeiro , Universidade de São Paulo (USP)

Doutor em História pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Pesquisador colaborador na Universidade de São Paulo (USP), Brasil.

Wellington Carlos Gonçalves, Instituto Federal de São Paulo (IFSP)

Mestre em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Especialista em Atendimento Educacional Especializado no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), Brasil.

Referências

A NOIVA do Leão. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 5, 7 jul. 1926.

A PONTE do Botanágua. O Pharol, Juiz de Fora, p. 3, 19 jun. 1926.

ABREU, Martha. Da senzala ao palco: canções escravas e racismo nas Américas. Campinas: Editora da UNICAMP, 2017.

ALBERTO, Paulina. A Mãe Preta entre sentimento, ciência e mito: intelectuais negros e as metáforas cambiantes de inclusão racial, 1920-1980. In: GOMES, Flávio; DOMINGUES, Petrônio (orgs.). Políticas da raça: experiências e legados da abolição e do pós-emancipação no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2014. p. 377-402.

ALENCAR, Gilberto de. Pitangueira não dá mangas! Correio de Minas, Juiz de Fora, p. 3, 27 maio 1922.

ALMEIDA, Paulo Roberto de. A presença negra no Teatro de Revista dos anos 1920. 2016. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016.

ANDREWS, George Reid. Democracia racial brasileira (1900-1990): um contraponto americano. Estudos Avançados, São Paulo, v. 11, n. 30, p. 95-115, 1997.

ANÚNCIOS. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 10, 13 jan. 1906.

ANÚNCIOS. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 10, 19 fev. 1907a.

ANÚNCIOS. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 13, 1 jan. 1907b.

ASSUNÇÃO, Matthias; ABREU, Martha. Da cultura popular à cultura negra. In: ABREU, Martha; XAVIER, Giovana; MONTEIRO, Lívia; BRASIL, Eric (orgs.). Cultura negra: festas, carnavais e patrimônios negros. Niterói: EDUFF, 2018. v. 1. p. 15-28.

CARDOSO, Rafael. Modernidade em preto e branco: arte e imagem, raça e identidade no Brasil, 1890-1945. São Paulo: Companhia das Letras, 2022.

CENTRO Musical do Rio de Janeiro. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, p. 4, 27 jun. 1923.

CINETEATRO Paz. Correio de Minas, Juiz de Fora, p. 3, 20 jan. 1922.

CINETEATRO Pharol. O Pharol, Juiz de Fora, p. 1, 29 out. 1911.

CUNHA, Maria Clementina Pereira. Não tá sopa: sambas e sambistas no Rio de Janeiro, de 1890 a 1930. Campinas: Editora da UNICAMP, 2015.

CUNHA, Ranulpho Bocayuva. Tributo à Mãe Preta. A Notícia, Rio de Janeiro, p. 2, 21 abr. 1926.

D’AQUI, João (Lindolfo Gomes). Ao teatro, outra vez! Jornal do Comércio, Juiz de Fora, p. 2, 22 ago. 1926.

DANTAS, Carolina Vianna. A nação entre sambas, cordões e capoeiras nas primeiras décadas do século XX. ArtCultura, Uberlândia, v. 13, n. 22, p. 85-102, 2011.

DANTAS, Carolina Vianna. O Brasil café com leite: debates intelectuais sobre mestiçagem e preconceito de cor na Primeira República. Tempo, Niterói, v. 13, n. 26, p. 56-79, 2009.

DOMINGUES, Petrônio. Protagonismo negro em São Paulo: história e historiografia. São Paulo: Edições SESC, 2019.

EUTRÓPIO, José. A Revista. Correio de Minas, Juiz de Fora, p. 2, 5 set. 1925.

EUTRÓPIO, José. Monumento à Mãe Preta. Correio de Minas, Juiz de Fora, p. 2, 12 jun. 1926.

EUTRÓPIO, José. Pelo teatro. Correio de Minas, Juiz de Fora, p. 2, 25 set. 1926.

GOMES, Ângela de Castro; HANSEN, Patrícia. Intelectuais, mediação cultural e projetos políticos: uma introdução para a delimitação do objeto de estudo. In: GOMES, Ângela de Castro; HANSEN, Patrícia (orgs.). Intelectuais mediadores: práticas culturais e ação política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016. p. 7-37.

GOMES, Flávio; DOMINGUES, Petrônio. Intelectuais negros e negras, séculos XIX e XX: desafios, projetos e memórias. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores(as) Negros(as), [S. l.], v. 10, n. 25, p. 4-7, 2018.

GOMES, Lindolfo. Homenagem equivocada. Jornal do Comércio, Juiz de Fora, p. 2, 4 jul. 1926.

GOMES, Tiago de Melo. Um espelho no palco: identidades sociais e massificação da cultura no teatro de revista dos anos 1920. Campinas: Editora da UNICAMP, 2004.

GONÇALVES, Wellington Carlos. Entre palcos, orquestras e partituras: trajetórias de Duque Bicalho em Juiz de Fora, no pós-abolição. 2023. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2023.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Modernidades negras: a formação racial brasileira (1930-1970). São Paulo: Editora 34, 2021.

HERTZMAN, Marc. Um contrapeso brasileiro: música, propriedade intelectual e diáspora africana no Rio de Janeiro (anos 1910-1930). In: GOMES, Flávio; DOMINGUES, Petrônio (orgs.). Políticas da raça: experiências e legados da abolição e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2014. p. 329-352.

JOSÉ Eutrópio. Revista A Evolução, Juiz de Fora, p. 83, 1 out. 1921.

JUIZ de Fora em flagrante. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 26 nov. 1915.

MAESTRO Bicalho. O Pharol, Juiz de Fora, p. 3, 8 jun. 1912.

MAESTRO Duque Bicalho. O Pharol, Juiz de Fora, p. 2, 11 set. 1913.

MONUMENTO à Mãe Preta. O Pharol, Juiz de Fora, p. 3, 1 jun. 1926.

MOURA, Roberto. Tia Ciata e a pequena África no Rio de Janeiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 1995.

MURIAÉ (MG). Registro de Batismo de José Eutrópio. Data de nascimento: 14 dez. 1886. In: REGISTROS DE BATISMOS DA PARÓQUIA DE SÃO PAULO DO MURIAÉ (1879-1949). livro n. 4, 14 jan. 1887. f. 151.

OLIVEIRA, Paulino de. Efemérides juizforanas (1698-1965). Juiz de Fora: Imprensa Universitária da Universidade Federal de Juiz de Fora, 1975.

OLIVEIRA, Paulino de. Memórias quase póstumas de um escriba provinciano. Juiz de Fora: Esdeva, 1974.

OS GERALDOS. Teatro & Sport, Rio de Janeiro, p. 4, 26 set. 1914.

PALCOS e salões. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 6, 5 ago. 1906.

PALCOS e salões. O Pharol, Juiz de Fora, p. 2, 12 maio 1910.

PALCOS e salões. O Pharol, Juiz de Fora, p. 2, 19 dez. 1909.

PALCOS e salões. O Pharol, Juiz de Fora, p. 2, 30 mar. 1910.

PELO teatro. Correio de Minas, Juiz de Fora, p. 2, 24 set. 1926.

POLÍCIA sanitária. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 6, 16 dez. 1907.

REIS, Carlos Antônio dos. A África impressa: identidades e representações da África na imprensa negra paulista (1916-1978). 2016. Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual Paulista, Franca, 2016.

RIBEIRO, Jonatas. Ilustrado e conhecido homem das letras e das artes. In: SILVA, João Paulo (org.). Intelectuais, instituições e reformas na educação brasileira no século XX. Rio de Janeiro: Mares Editores, 2018, p. 139-173.

SANTOS, Rael Eugenio dos. A África na imprensa negra paulista (1923-1937). 2012. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.

SEIGEL, Micol. Mães pretas, filhos cidadãos. In: CUNHA, Olívia Maria; GOMES, Flávio (orgs.). Quase-cidadão: histórias antropologias do pós-emancipação no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007. p. 315-346.

SILVA, Lissa dos Passos. Rostos negros, corpos brancos: blackface e representações raciais no teatro de revista nos anos de 1920. Jundiaí: Paco Editorial, 2022.

SOCIEDADE Brasileira dos Autores Teatrais. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 6, 26 mar. 1925.

SOUZA, Ana Lúcia Fiorot de. Metáfora de modernidade: as imagens da cidade na imprensa de Juiz de Fora (1891-1922). 2005. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

TEATRO Éden. O Pharol, Juiz de Fora, p. 2, 4 jun. 1910a.

TEATRO Éden. O Pharol, Juiz de Fora, p. 3, 27 mar. 1910b.

TEATRO Variedades. O Pharol, Juiz de Fora, p. 2, 20 ago. 1926.

TURNÊ d’Os Geraldos. O Pharol, Juiz de Fora, p. 2, 6 ago. 1914.

VELLOSO, Mônica Pimenta. História & modernismo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

VIANNA, Ataliba. Juiz de Fora em flagrante. A Notícia, Rio de Janeiro, p. 3, 10 jan. 1916.

Downloads

Publicado

2024-03-13

Como Citar

RIBEIRO , Jonatas Roque; GONÇALVES, Wellington Carlos. A invenção do Brasil negro: intelectuais negros e sua produção cultural no pós-abolição. PerCursos, Florianópolis, v. 25, p. e0101, 2024. DOI: 10.5965/19847246252024e0101. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/24290. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê 2024/1 "As intelectualidades negras na compreensão do Brasil"