Jovens infratores em Araguaína/TO e sociedade de consumo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724620442019258

Resumo

Os padrões impostos pela sociedade de consumo alteraram o modo das pessoas se relacionarem, a forma como se identificam socialmente e os seus valores, tendendo a formar uma massa homogênea de consumidores com reduzida capacidade crítica. A soma da necessidade de adquirir símbolos de status quo e de produtos legitimados pela ideia de pertencimento social configuram-se como essenciais na construção de identidade. Observamos que muitas das infrações cometidas por jovens estão circunstanciadas pela busca de obtenção de determinados objetos de legitimação social. O objetivo geral deste trabalho foi identificar, por meio de análise documental, o tipo de ato infracional cometido pelos adolescentes em cumprimento de Prestação de Serviço à Comunidade e Liberdade Assistida no Brasil e, mais especificamente, no município de Araguaína-TO, bem como a correlação entre o tipo de infração praticado e a dinâmica de consumo das sociedades contemporâneas, tendo como fundamento a teoria proposta por Bauman. A metodologia adotada fundamentou-se no levantamento de dados oficiais encontrados nos censos do governo federal e nos processos judiciais do Centro de Referência Especializado em Atendimento ao Indivíduo e a Família de Araguaína-TO, referentes ao mês de agosto de 2018. Esse procedimento permitiu refletir sobre a fragilidade dos jovens infratores frente à contemporaneidade, bem como a necessidade da elaboração de políticas públicas minimizadoras de desigualdades. 

Palavras-chave: Jovens infratores. Medidas socioeducativas. Sociedade de consumo. Araguaína (TO).

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Miguel Pacifico Filho, Universidade Federal do Tocantins

Docente do Mestrado em Demandas Populares e Dinâmicas Regionais. Doutor e Mestre em História do Brasil pela UNESP. Formado em História pela UFOP.

Thelma Pontes Borges, Universidade Federal do Tocantins - UFT

Professora do Mestrado em Demandas Populares e Dinâmicas Regionais da Universidade Federal do Tocantins. Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento pela USP. Mestre em Educação pela UNICAMP. Psicóloga pela UNESP.

Laísa Lopes Ribeiro, Universidade Federal do Tocantins

Mestranda do Curso em Demandas Populares e Dinâmicas Regionais da Universidade Federal do Tocantins. Formada em Direito pelo Centro Universitário ITPAC.

Downloads

Publicado

2020-03-13

Como Citar

FILHO, M. P.; BORGES, T. P.; RIBEIRO, L. L. Jovens infratores em Araguaína/TO e sociedade de consumo. PerCursos, Florianópolis, v. 20, n. 44, p. 258 - 279, 2020. DOI: 10.5965/1984724620442019258. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/1984724620442019258. Acesso em: 26 jan. 2023.