Quilombos na cena política: os experimentos organizativos do Maranhão-Brasil

Autores

  • Igor Thiago Silva de Sousa Universidade Estadual do Maranhão
  • Cindia Brustolin Universidade Federal do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724619392018028

Resumo

Em meio às lutas de redemocratização nacional, na década de 1980, ganharam força reivindicações de povos indígenas, de camponeses e do movimento negro contemporâneo. Antes mesmo deste período de ápice participativo, registra-se intensa mobilização por parte de comunidades quilombolas, resistindo à grilagem e expropriação de seus territórios, organizando-se nas CEB’s (Comunidades Eclesiais de Base) e recebendo influências da Teologia da Libertação, participando ativamente do sindicalismo rural e atuando junto ao movimento negro urbano. Assim, tem-se a formalização de direitos, aos então denominados, “remanescentes de quilombo”, abrindo espaços de discussão sobre disputas territoriais no país, tendo como campo de visibilização destas comunidades, estudos realizados no MA em períodos anteriores e que subsidiam as discussões Constitucionais. No Maranhão, já na década de 1970, o CCN (Centro de Cultura Negra - MA) iniciou mapeamentos de práticas socioculturais e pertenças territoriais dessas comunidades, chamando atenção para sua extensão territorial e numérica no estado. Por sua vez, a mobilização crescente, a construção de um segmento organizado e a formação da ACONERUQ (Associação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas), em 1997, como um “fórum de representação das comunidades quilombolas” frente às instâncias estatais, deram um caráter específico à luta por direitos na Nova República, com intensa participação em fóruns e instâncias deliberativas de políticas públicas. Em meados de 2011, demonstrando a existência de caminhos multifacetados de mobilização e estratégias entre as comunidades quilombolas, o MOQUIBOM (Movimento Quilombola do Maranhão) emergiu como um experimento de mobilização que evidencia o descrédito nas instâncias de participação, agindo, sobretudo, a partir de ocupações de prédios públicos e de denúncias quanto à morosidade de instituições.


Palavras-chave: Direitos Territoriais. Comunidades Quilombolas. Maranhão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Thiago Silva de Sousa, Universidade Estadual do Maranhão

Formado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutorando em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Cindia Brustolin, Universidade Federal do Maranhão

Professora do Departamento de Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Mestre e Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Downloads

Publicado

2018-06-14

Como Citar

SOUSA, I. T. S. de; BRUSTOLIN, C. Quilombos na cena política: os experimentos organizativos do Maranhão-Brasil. PerCursos, Florianópolis, v. 19, n. 39, p. 28 - 49, 2018. DOI: 10.5965/1984724619392018028. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/1984724619392018028. Acesso em: 26 jan. 2023.