Ensino de Português e o contínuo fala-escrita: o caso das estratégias de relativização

Autores

  • Silvia Rodrigues Vieira Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724618372017008

Resumo

O presente artigo pretende contribuir com a área do ensino de Português ao apresentar e discutir o comportamento das chamadas estratégias de relativização em função das modalidades expressivas, fala e escrita. Para tanto, trata, primeiramente, dos objetivos do ensino de Língua Portuguesa e das concepções de normas que fundamentam as reflexões feitas. Em seguida, com base em três estudos sociolinguísticos (PEREIRA, 2014; FERREIRA, 2013; SANTOS, 2015), sistematiza o uso das estratégias de relativização no contínuo fala-escrita. Por fim, a partir da análise dos resultados, apresenta reflexões sobre o tratamento das normas linguísticas e dos fenômenos variáveis na Educação Básica.

 

Palavras-chave: Ensino. Variação. Estratégias de Relativização. Língua Portuguesa - Estudo e Ensino

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Rodrigues Vieira, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Doutora em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Downloads

Publicado

2017-10-17

Como Citar

VIEIRA, S. R. Ensino de Português e o contínuo fala-escrita: o caso das estratégias de relativização. PerCursos, Florianópolis, v. 18, n. 37, p. 08 - 35, 2017. DOI: 10.5965/1984724618372017008. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/1984724618372017008. Acesso em: 26 jan. 2023.