(Re) Percussões de “Missa dos Quilombos”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530403022018164

Palavras-chave:

música popular - Brasil, diáspora africana, história cultural

Resumo

Este artigo propõe reflexões sobre Missa dos Quilombos, LP produzido e gravado ao vivo em 1982, com música e arranjos de Milton Nascimento para letras do sacerdote Pedro Casaldáliga e do poeta Pedro Tierra, reeditado em CD em 1995. Tomaremos os fonogramas como fonte maior de nossa análise, mas procurando articulá-los ao evento e à repercussão do rito religioso que gerou a gravação, na medida em que estes contribuem também para elucidar o projeto estético e político maior que engloba todos estes registros. Aliando a análise interdisciplinar dos estudos de canção e música popular à investigação historiográfica de fontes impressas, esperamos, finalmente, compreender a Missa e sua gravação como partícipes da história cultural brasileira, relevantes na retomada democrática justamente pela forma como nelas confluem linhas mestras da afirmação de matrizes culturais e religiosas afrodiaspóricas como elementos indispensáveis da história e da sociedade brasileira e latino-americana.

Biografia do Autor

Luiz Henrique Assis Garcia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Graduado (licenciatura- 1997), Mestre (2000) e Doutor (2007) em História pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FAFICH) da UFMG. Coordenou por 8 anos o Setor de Pesquisa do Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB) em Belo Horizonte (MG). Atualmente é professor e pesquisador da ECI-UFMG, atuando no curso de Museologia e como colaborador do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. É um dos coordenadores do grupo de pesquisa ESTOPIM, e pesquisador do Centro de Coonvergência de Novas Mídias (CCNM) - UFMG. É membro da seção latinoamericana da IASPM - International Association for the Study of Popular Music. Tem experiência nas área de História e Museologia, atuando principalmente nos seguintes temas: história da música popular brasileira, história do Brasil republicano, patrimônio e memória, trocas culturais, territórios, museus e cidades.

Hudson Leonardo Lima Públio, UFMG

Graduado em História na modalidade Licenciatura pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Graduando em História na modalidade Bacharelado pela mesma instituição. Tem interesse em História Contemporânea, da África e Cultural. Experiência na área de Museus e Centros de Memória. Atualmente pesquisa Música Popular Brasileira (MPB) e Ditadura Militar no Brasil (1964-1985), e é bolsista de Iniciação Científica pelo Programa de Bolsas de Iniciação Científica Para a Rede de Museus e Espaços de Ciência e Cultura (PROREMECC) no projeto "MUSEU CLUBE DA ESQUINA: pesquisa e extroversão de acervo".

Referências

AMARAL, Francisco Eduardo Fagundes (Chico Amaral). A Música de Milton Nascimento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018 [1ª Ed. 2013, do autor].

BRANT, Fernando. Texto no encarte do disco Missa dos Quilombos. Diadema: Ariola, 1982.

CÂMARA, Dom Hélder. Invocação à Mariama. Diadema: Ariola, 1982.

CAMPOS, Beatriz Schmidt. Letra, música, performance e memória do racismo na Missa dos Quilombos. Brasília: Instituto de Letras da Universidade de Brasília - UNB, Campus Darcy Ribeiro, 2017 (Dissertação de Mestrado).

CANTON, Ciro. Das “velhas Senzalas” às “Novas Favelas”: a Missa dos Quilombos. In: Anais do XXV Simpósio Nacional de História e Ética, 25. Fortaleza, 2009, 10p.

CARVALHO, José Jorge, ” Las Culturas Afroamericanas en Iberoamérica: Lo Negociable y lo Innegociable”. En: GARCÍA CANCLINI, Néstor (org), Iberoamerica 2002. Diagnóstico y Propuestas para el Desarrollo Cultural. Madrid: OEI/México: Santillana, 2002, p. 97-132.

CASALDALIGA, Pedro; TIERRA, Pedro. Missa da terra sem males. São Paulo: Livramento, 1979.

CASALDÁLIGA, Pedro. Na procura do Reino: antologia de textos (1968-1988). São Paulo: FTD, 1988.

ESCRIBANO, Francesc. Descalço sobre a terra vermelha: a vida do bispo Pedro Casaldáliga. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2014.

GARCIA, Luiz Henrique Assis. Coisas que ficaram muito tempo por dizer: O Clube da Esquina como Formação Cultural. FAFICH/UFMG, 2000 (dissertação de mestrado).

GARCIA, Luiz Henrique Assis. O modal e a modinha: transações musicais brasileiras através da iconografia. Cronos (Pedro Leopoldo), v. 7, 2003, p. 123-134.

GARCIA, Luiz Henrique A.; SARIEDDINE, Marcos; PÚBLIO, Hudson L.“Mesmo assim não custa inventar uma nova canção”: o Clube da Esquina e a redemocratização no Brasil (1978-1985). Música Popular em Revista, v. 2, 2018, p. 61-87.

GARCÍA CANCLINI, Néstor. Culturas híbridas. São Paulo: Editora USP, 1997.

GUIMARÃES, Raquel Beatriz Junqueira. In: VERBO DE MINAS, Juiz de Fora, v. 18, n. 32, Ago./Dez. 2017, p. 79-95.

GUTIÉRREZ, Gustavo. Teologia da Libertação: perspectivas. Petrópolis: Editora Vozes, 1979.

LIBBY, Douglas Cole; FURTADO, Júnia Ferreira. Trabalho livre, trabalho escravo: Brasil e Europa, séculos XVIII e XIX. São Paulo: Annablume, 2006.

LUCAS, Glaura. Os sons do Rosário: o congado mineiro dos Arturos e Jatobá. Belo Horizonte: Editoria UFMG, 2002.

NERI, Marcelo Côrtes (coord.). Novo mapa das religiões. Rio de Janeiro: FGV, CPS, 2011.

OLIVEIRA, Augusto Marcos Fagundes. Êxodos e encruzilhadas da Missa dos Quilombos. Florianópolis: UFSC, 2015 (tese de doutorado).

PIRES, Dom José Maria. Texto de 1981 contido no encarte do disco Missa dos Quilombos. Diadema: Ariola, 1982.

ROUANET, Sérgio Paulo. A coruja e o sambódromo. In: Mal-estar na modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2001, p. 46-95.

SENRA, Rafael. Missa dos Quilombos: produto político, religioso e cultural. Juiz de Fora: Revista Darandina, UFJF, 2013, p.1-10.

TIERRA, Pedro. Poemas do Povo da Noite. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo/Publisher Brasil, 2009 (1ª edição: 1979).

VILELA, Ivan. Nada ficou como antes. REVISTA USP, São Paulo, n.87, p. 14-27, setembro/novembro 2010.

WILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

Downloads

Publicado

2018-12-19

Como Citar

Garcia, L. H. A., & Públio, H. L. L. (2018). (Re) Percussões de “Missa dos Quilombos”. Orfeu, 3(2), 164-188. https://doi.org/10.5965/2525530403022018164