Teatro e microutopias cotidianas: experiências de comunidade no espetáculo no mundo da rua

Autores

  • Saulo Vinícius da Silva Almeida Universidade de São Paulo (USP)

DOI:

https://doi.org/10.5965/2358092521222019081

Palavras-chave:

viver-junto-idiorrítmico, arte relacional, pós-modernismo, performance

Resumo

A partir do conceito Viver-Junto-idiorrítmico de Roland Barthes e abrindo diálogo com o conceito de Heterotopia de Michel Foucault e as análises acerca da Arte Relacional de Nicolas Bourriaud, serão apresentadas algumas características presentes no pensamento artístico das últimas décadas, o qual nós compreenderemos aqui sob o conceito de pós-moderno. Tal discussão será a base para análise do espetáculo No Mundo da Rua, do coletivo paraibano Projeto Corpos de Saia e de sua relação com os espaços urbanos e as experiências de comunidade. A conclusão atesta que para além de propor uma breve experiência de outra possível realidade, o Viver-Junto-idiorrítmico pode desvelar, a partir da iluminação das narrativas sociais, as quais são potencializadas pela presença e performatividade de corpos com marcadores sociais da diferença, a ficcionalidade da vida vivida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Saulo Vinícius da Silva Almeida, Universidade de São Paulo (USP)

Ator e diretor teatral. Mestrando em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo. Bacharel em Teatro pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Integra o Laboratório de atuação LAt!, coordenado pela prof. Dra. Alice Kiyomi Yagyu e locado na Escola de Comunicações e Artes da USP e o Grupo de Estudos em Estética Contemporânea, coordenado pelo prof. Dr. Ricardo Fabbrini e locado no Departamento de Filosofia da USP. Seus estudos concentram-se nas relações entre mitologia, psicologia analítica, religiosidade, performance e pedagogia teatral.

Referências

AMARAL, I.; MELLO, A. Prefeitura de BH proíbe manifestação política de artistas na Virada Cultural. Estado de Minas. Belo Horizonte, 05 Jul 2016. Disponível em: https://www.em.com. br/app/noticia/politica/2016/07/05/interna_politica,780238/ prefeitura-proibe-manifestacao-politica-de-artistas-na-virada- cultural.shtml. Acesso em: 01 nov. 2019.

BARROS, José A. Os Falanstérios e a crítica da sociedade industrial: revisitando Charles Fourier. Mediações, Londrina, v. 16, n. 1, p. 239-255, Jan./Jun., 2011.

BARTHES, R. Como viver junto: simulações romanescas de alguns espaços cotidianos. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

. O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva, 1987. BOURRIAUD, N. Estética relacional. São Paulo: Martins Fontes,

FABBRINI, R. Arte pós utópica: heterotopia e comunidade. In VACCARI, Ulisses R. (Org). Arte e estética. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2018.

. Estética e transgressão: da arte radical à arte

radicante. Artelogie (Online), v. 8, p. 1-15, 2016.

. Fronteiras entre arte e vida. ArteFilosofia, Ouro Preto,

n. 17, p. 41-60, Dez., 2014.

FOGLIATTO, D. Artistas de rua criticam minuta de decreto da prefeitura que regulamenta atividade. Sul21. Porto Alegre,

ago. 2015. Disponível em: https://www.sul21.com.br/ cidades/2015/08/artistas-de-rua-criticam-minuta-de-decreto- da-prefeitura-que-regulamenta-atividade/. Acesso em 01 nov. 2019.

FOUCAULT, M. O corpo utópico, as heterotopias. São Paulo: N-1 Edições, 2013.

HUYSSEN, A. Mapeando o pós-moderno. In HOLLANDA, Heloisa

B (Org). Pós-modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

RANCIÈRE, J. A estética como política. Devires, Belo Horizonte, v.

, n. 2, p. 14-36, Jul./Dez., 2010.

. O espectador emancipado. São Paulo: Martins

Fontes, 2012.

Downloads

Publicado

2019-12-19

Como Citar

ALMEIDA, S. V. da S. Teatro e microutopias cotidianas: experiências de comunidade no espetáculo no mundo da rua. Revista NUPEART, Florianópolis, v. 22, n. 2, p. 81-100, 2019. DOI: 10.5965/2358092521222019081. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/nupeart/article/view/2358092521222019081. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos