TEATRO DE BONECOS COMO DISPOSITIVO PEDAGÓGICO COM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO

Autores

  • Marcelo Silva Mendes

DOI:

https://doi.org/10.5965/2358092517172017043

Palavras-chave:

escola pública , teatro de bonecos , alteridade

Resumo

Este artigo apresenta parte de uma pesquisa de campo desenvolvida em uma Escola Estadual de Ensino Médio, localizada na região da grande Florianópolis, Santa Catarina. A pesquisa consiste no uso do teatro de bonecos com a técnica de animação direta-visível por alunos de nível Médio regular na disciplina de Artes. O objetivo da pesquisa é experimentar a relação entre os princípios técnicos da linguagem mencionada, o processo de conscientização corporal e a importância do saber da experiência, segundo Jorge Larrosa, a partir do uso do teatro de bonecos. Embora utilize o termo “dispositivo pedagógico” de Basil Bernstein, não tenho a pretensão de aprofundar, neste momento da pesquisa, esse modelo teórico que define o que pode ser um dispositivo pedagógico. O termo é desenvolvido por Bernstein (1996) como uma condição para a produção, a reprodução e a transformação da cultura. O autor afirma que existem três tipos de regras que constituem um dispositivo pedagógico, sendo elas: regras distribuitivas, regras recontextualizadoras e regras avaliativas (BERNSTEIN, 1996). A teoria do dispositivo pedagógico foi idealizada como um “modelo de análise processual, em que um campo específico de conhecimento, uma disciplina escolar, por exemplo, pode ser transformada ou ‘pedagogizado’ a fim de constituir conhecimentos e conteúdos escolares, além de relações transmitidas” (MAINARDES; STREMEL, 2010). Entretanto, é possível estabelecer um paralelo entre o sentido duplo da palavra “manipulação” e a semelhança entre a exigência da existência de um processo de conscientização corporal – para realizar uma animação adequada com a importância do “dispositivo pedagógico” na descrição e análise das relações que se estabelecem no interior das salas de aula, denunciando as suas estruturas de poder e controle social. Esta estratégia de ação relaciona-se com a exploração de criação no ambiente de ensino, dentro de uma atmosfera de valorização da alteridade, de modo que seja possível o desenvolvimento de reflexões e questionamentos sobre práticas pedagógicas e processos de ensino e aprendizagem no contexto escolar. A pesquisa proposta é parte do desenvolvimento de uma pesquisa de Mestrado Profissional em Artes (PROF-ARTES).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, Ana Maria. Teatro de Formas Animadas: Máscaras, Bonecos, Objetos. 3º ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1996.

AMARAL, Ana Maria. O Ator e Seus Duplos: máscaras, bonecos, objetos. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2002.

BALARDIM, Paulo. Relações de vida e morte no teatro de animação. Porto Alegre: Edição do Autor, 2004.

BELTRAME, Valmor. (org.) Teatro de Bonecos: distintos olhares sobre teoria e prática. In: Princípios técnicos do trabalho do ator-animador. Valmor Níni Beltrame. Florianópolis: UDESC, 2008, p. 25-40.

BELTRAME, Valmor. O Trabalho do Ator-Bonequeiro. In: Revista NUPEART, Florianopolis: UDESC, SC, v.2, n.2, p. 33-52, set. 2003.

BERNSTEIN, B. A estrutura do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Vozes: Petrópolis, 1996.

COELHO, Marcelle Teixeira. O corpo no teatro de animação: contribuições da educação somática na formação do ator. 2010. Dissertação (Mestra- do em Teatro) Centro de Artes, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis.

GALLO, Sílvio. Eu, o outro e tantas outros: educação, alteridade e filosofia da diferença. Anais do II Congresso Internacional Cotidiano: Diálogos so- bre Diálogos. Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro. 2008.

GIROUX, Henry A. Cruzando as fronteiras do discurso educacional: no- vas politicas em educação. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

LARROSA, Jorge e Skliar, Carlos. Experiencia y alteridade em educaci- ón. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul. V.19, nº 22, p.04-27, jul./ dez.2011.

MAINARDES, Jefferson e STREMEL, Silvana. A teoria de Basil Bernstein e algumas de suas contribuições para as pesquisas sobre política educacionais e curriculares. Revista Teias. V.11, nº 22, p. 31-54, maio/agosto, 2010.

MIRANDA, Regina. Corpo-espaço: aspectos de uma geofilosofia do corpo e movimento. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008.

PARENTE, José Oliveira. Preparação corporal do ator para o teatro de animação – uma experiência. 2007. Dissertação (Mestrado em Teatro). Universidade de São Paulo, São Paulo.

VISHNIVESTZ, Berta. Eutonia: educação do corpo para o ser. São Paulo: Summus, 1995.

BELTRAME, Valmor. (org.) Teatro de Bonecos: distintos olhares sobre teoria e prática. In: SOUZA, Alex. Reflexões sobre a animação à vista do público. Florianópolis: UDESC, 2008, p. 80-90.

Downloads

Publicado

2017-12-29

Como Citar

MENDES, Marcelo Silva. TEATRO DE BONECOS COMO DISPOSITIVO PEDAGÓGICO COM ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO. Revista NUPEART, Florianópolis, v. 17, n. 1, p. 43–58, 2017. DOI: 10.5965/2358092517172017043. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/nupeart/article/view/11687. Acesso em: 28 maio. 2024.