De Santa à perigosa

representações e apagamentos de corpos trans femininos nas Artes Visuais até o século XIX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1808312915252020e0042

Palavras-chave:

Artes e história, Transexualidade, Identidade de gênero, Imagem corporal

Resumo

Neste artigo problematizo a representação e apagamento de corpos trans femininos nas artes visuais até o final do século XIX. Procuro identificar personagens trans femininas em obras de arte que dialogam com o campo do sagrado e da mitologia, bem como em imagens produzidas por ilustradores que estavam a serviço de jornais e dos departamentos de polícia, especialmente na Inglaterra e nos Estados Unidos da América. Textos que discutem história da arte, religiosidade, mitologia, homossexualidade masculina, também foram consultados, porém adoto uma postura genealógica nos moldes propostos por Ines Dussel e Marcelo Caruso (2003). Faço uso, ainda, da perspectiva parcial proposta por Donna Haraway (1995) para analisar fragmentos da História Tradicional e da História da Arte. O conceito de interseccionalidade tem importância central neste trabalho, pois permite articular questões de classe, gênero, identidade de gênero e raça de forma simultânea. Este conceito possibilita o revezamento entre diversas áreas do conhecimento. No caso deste artigo com os estudos culturais, de gênero e diversidade sexual e com as teorias pós-estruturalistas e pós-coloniais. Para dar mais consistência às minhas reflexões, faço uso de inúmeras imagens por entender que a linguagem visual também pode ser discursiva ultrapassando os limites de leituras estéticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Megg Rayara Gomes de Oliveira, Universidade Federal do Paraná

Travesti preta, Doutora em Educação pela Universidade Federal do Paraná, professora adjunta no Setor de Educação e no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná, Coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB) da Universidade Federal do Paraná, pesquisa relações étnico-raciais, arte africana e afro-brasileira, gênero e diversidade sexual. Atua no movimento social de negras e negros e no movimento LGBT.

Referências

AGUIAR, R. L. S. de. Arte Rupestre: conceitos introdutórios. Brasil, 2012. Website: Docplayer. Disponível em: https://docplayer.com.br/20175779-Arte-rupestre-conceitos-introdutorios-por-rodrigo-simas-aguiar.html. Acesso em: 04 maio 2020.

AILEEN AJOOTIAN. The Only Happy Couple: hermaprhodites and gender. cap. 11. In: LYON, C.; KOLOSKI-STROW, A. O. (ed.) Naked Truths: Women, Sexuality and Gender in Classical Art and Archaeology. New York: Routledge, 2004. Ebook. DOI: https://doi.org/10.4324/9780203037713

BERBARA, M.; FONSECA, R. De Akhenaton a Duchamp: arte, transexualismo e androginia. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS, 20., 2011, Rio de Janeiro, Anais eletrônicos [...]. Rio de Janeiro : ANPAP, 2011. p. 2236-2252. Disponível em: http://www.anpap.org.br/anais/2011/pdf/chtca/maria_louro_berbara.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.

DUSSEL, I.; CARUSO, M. A invenção da sala de aula: uma genealogia das formas de ensinar. São Paulo: Moderna, 2003. p. 103-156.

LA ESCULTURA de Pan y Hermafrodita no encuentra comprador. Valencia, 10 jun. 2011. Blog de Domingo Vallejo, La túnica de Neso. Disponível em: https://latunicadeneso.wordpress.com/2011/06/10/la-escultura-de-pan-y-hermafrodita-no-encuentra-comprador/. Acesso em: 20 abr. 2020.

FOUCAULT. M. Herculine Barbin: o diário de um hermafrodita. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1982.

GUILHERME FILHO, J. Itinerário, estudo estético e estilístico de uma escultura Dogon: “figura hermafrodita” do mestre de Yayé. 2014. Dissertação ( Mestrado em Estética) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

HARAWAY, D. Saberes Localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, São Paulo, n. 5, p. 7 - 41, 1995. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773. Acesso em: 04 maio 2020.

JONES, P. O Deus do Sexo: como a espiritualidade define a sua sexualidade. São Paulo: Ed. Cultura Cristã, 2007.

LEULOP, H. Dogon. Paris : Somogy Éditions d’Art, 2011.

LOPES, A. J. Transexualidades – psicanálise e mitologia grega. Estudos de Psicanálise, Belo Horizonte, n. 47, p. 47–71, jul. 2017. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ep/n47/n47a05.pdf . Acesso em: 31 mar. 2019.

LYONS, M. Mary Jones, patron saint of the scam. Toronto, 2017. Website: Daily Xtra. Disponível em: https://www.dailyxtra.com/mary-jones-patron-saint-of-the-scam-72972. Acesso em: 14 out. 2019.

MANGUEL, A. Lendo imagens. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MENEZES, C. Como a Igreja arruinou a vida sexual das Américas com pecado,

culpa e preconceito. São Paulo, 10 abr. 2016. Website: Portal Geledés. Disponível em: https://www.geledes.org.br/como-igreja-arruinou-vida-sexual-das-americas-com-pecado-culpa-e-preconceito/. Acesso em: 04 maio 2020.

OLIVEIRA, M. R. G. de. Divas, Divinas e Poderosas: Fragmentos discursivos a respeito da presença de travestis e mulheres transexuais no campo do sagrado. Brasil, 2019. Website: Peita.me. Disponível em: https://peita.me/blogs/news/divas-divinas-e-poderosas-fragmentos-discursivos-a-respeito-da-presenca-de-travestis-e-mulheres-transexuais-no-campo-do-sagrado. Acesso em: 14 out. 2019.

OLIVEIRA, M. R. G. de. Sim, Eu Aceito! Conjugalidade, casamento e organização familiar negra durante o regime escravista no Brasil. Revista ARTEFILOSOFIA, Ouro Preto, v. 15, n. 28, p. 4 – 23, 2020. Dossiê Estética Africana. Disponível em: https://periodicos.ufop.br:8082/pp/index.php/raf/issue/view/242. Acesso em: 6 maio 2020.

OLIVEIRA, M. R. G. de. Transexistências negras: o lugar de travestis e mulheres transexuais negras no Brasil e em África até o século XIX. p. 69 – 88. In: RIBEIRO, P. R. C... [et al.]. Corpo, gênero e sexualidade: resistências e ocupa(ações) nos espaços de educação. Rio Grande: Ed. Da FURG, 2018.

PAVESI, T. O travesti espião no reinado de Luís XV. Paris, 2018. Website: Segredos de Paris. Disponível em: https://segredosdeparis.com/cavaleiro-charles-deon-o-travesti-espiao-no-reinado-de-luis-xv/. Acesso em: 04 maio. 2020.

RODRIGUES, R. N. Os africanos no Brasil. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2010.

SANFELICE, P. de P. A Arte do Corpo: incorporando a sexualidade masculina e feminina na cultura material de Pompéia. Revista Memorare, Tubarão, v. 1, n. 1, p. 8-23, 2013. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/memorare_grupep/article/view/1883. Acesso em 20 abr. 2020.

SANTOS, A. L. F. Um sexo que são vários: a (im) possibilidade do intersexo enquanto categoria humana. 2012. Dissertação (Mestrado em Estudos Feminista) - Faculdade de Letras da

Universidade de Coimbra, Portugal, 2012. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/20210/1/Tese_um_sexo_que_s%C3%A3o_v%C3%A1rios.pdf. 2012. Acesso em: 10 maio 2019.

SANTOS, J. C. S. dos. Masculinidades, feminilidades e androginia: uma análise interpretativa sobre a construção social de gêneros e suas implicações para o exercício da liderança no Poder Judiciário de Rondônia. 2013. Tese (Doutorado em Administração) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

SANTOS, J. T. dos. Incorrigíveis, afeminados, desenfreados: indumentária e travestismo na Bahia do século XIX. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 40, n. 2, p.145-182, 1997. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-77011997000200005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sciarttext&pid=S0034-. Acesso em: 10 set. 2011.

SEVCENKO, N. As Alegorias da experiência marítima e a construção do europocentrismo. In:

SCHWARCZ, L. M.; QUEIROZ, R. da S. (org.). Raça e Diversidade, São Paulo: EDUSP, 1996.

SILVA, A. da C. e. A enxada e a lança: a África antes dos portugueses. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

SILVA, P. V. B. da. Projeto “Racismo e discurso na América Latina”: notas sobre personagens negras e brancas no discurso midiático brasileiro. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE ANÁLISE DO DISCURSO, 3., 2008. Belo Horizonte. Anais [...], Belo Horizonte : Núcleo de Análise do Discurso (NAD), 2008. p. 1-12

A THIRD gender: Beautiful Youths in Japanese Prints. Curated by Asato Ikeda. Toronto : Royal Ontario Museum, 2016. Website: Enfilade. Disponível em: https://enfilade18thc.com/2016/05/09/exhibition-a-third-gender-beautiful-youths-in-japanese-prints/. Acesso em : 04 maio 2020.

VERGER, P. Notas sobre o culto aos orixás e voduns na Bahia de todos os santos, no Brasil e na antiga costa de escravos na África. São Paulo: EDUSP, 1999.

VIEIRA, F. D. A caça aos homossexuais e às travestis na ditadura militar. Brasil, 17 abr. 2015. Website: Pragmatismo político. Disponível em: https://www.pragmatismopolitico.com.br/2015/04/a-caca-aos-homossexuais-e-travestis-na-ditadura-militar.html. Acesso 08 ago. 2018.

VIGOYA, M. V. La interseccionalidad: una aproximación situada a la dominación. Debate Feminista, México, v. 52, p. 1 -17, out. 2016. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0188947816300603. Acesso em: 24 jan. 2017.

WILLAMS, W. L. The Berdache Tradition. California, 2000, p.73-81. Website: Center for Research in Language, Disponível em: http://crl.ucsd.edu/~elman/Courses/HDP1/2000/LectureNotes/williams.pdf. Acesso em: 20 maio 2012.

ZEBROWSKI-RUBIN, S. Dance of Two Spirits–Kent Monkman at Montreal’s Museum of Fine Arts. Filadélfia, 18 ago. 2009. Blog: ArtBlog. Disponível em: https://www.theartblog.org/2009/08/dance-of-two-spirits-kent-monkman-at-montreals-museum-of-fine-arts/. Acesso em: 04 maio 2020.

Publicado

2021-04-19

Como Citar

DE OLIVEIRA, M. R. G. De Santa à perigosa: representações e apagamentos de corpos trans femininos nas Artes Visuais até o século XIX. DAPesquisa, Florianópolis, v. 16, p. 01-28, 2021. DOI: 10.5965/1808312915252020e0042. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/17808. Acesso em: 16 maio. 2021.