A Cenografia efêmera e instigante, entre fios, postes e passarelas, segue pelas ruas para o cortejo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/27644669030620230203

Palavras-chave:

Escola de samba. Cenografia. Carro alegórico. Alegorias e adereços. Enredos.

Resumo

Este artigo aborda o uso das técnicas de cenografia no contexto dos desfiles de Escolas de Samba, com foco especial nos carros alegóricos. Além disso, explora alguns marcos, de maneira especulativa, nas prováveis origens da cenografia itinerante, exemplificada pelas alegorias e adereços, a partir de influências culturais que remontam grupos teatrais como da Grécia Antiga, Coforme aduz Simões (2008) essa festividade rural é trazida dos campos para as cidades por volta de 539 a.C. (por Téspis) e é a partir desta época que o Estado Grego tomou a si a organização do teatro, instituindo concursos entre os poetas dramáticos. Deste modo, o ator Téspis com sua carroça é tido por muitos como o embrião para o desenvolvimento do teatro e a cenografia itinerante, ele foi primordial. O ator grego de Ática teve uma nova e criativa ideia que faria história pelos caminhos que passava. À circular pela Grécia com sua carroça enfeitada, Carro de Tespis, apesentava-se como parte do coro como solista, fazendo com que a carroça enfeitada com folhas e uvas, composta com o coro humano formasse o cenário, por isso, aqui, a especulação sobre as bases para a cenografia itinerante a partir do fato. O estudo também ressalta a importância da cenografia itinerante, com lócus no início do século XIII, quando o papa Urbano IV instituiu a festa marcada por procissões. Supomos, devido ao caráter processional, que contribuiu para as bases dos desfiles de Escolas de Samba. Nesse contexto medieval, conhecido como o “período obscuro” do teatro, a cenografia itinerante teve um papel vital na preservação do teatro como o conhecemos hoje. Como resposta à tentativa romana de suprimir o teatro grego, outro marco foi o surgimento de artistas que usavam trajes e maquiagem, apresentando situações do cotidiano. Grupos populares foram organizados para essas apresentações, envolvendo palhaços, bufões, comediantes e domadores de animais atuando em palcos improvisados montados sobre carroças que se deslocavam de uma praça para outra. Nos dias atuais, no Rio de Janeiro, a tradição da cenografia itinerante continua viva, com desfiles de carros alegóricos nas ruas da cidade durante o Carnaval. É importante destacar que o surgimento das Escolas de Samba foi uma resposta marginal das classes sociais menos abastadas, os  negros e os imigrantes pobres, que buscavam aceitação social por meio de seus desfiles no carnaval na cidade carioca. Essas escolas deram uma nova dimensão aos desfiles de Carnaval, criando um legado que persiste na atualidade. Tendo os carros alegóricos como grandes cenografias que desfilam em cortejo e despertam grande fascínio em um dos maiores espetáculo a céu aberto da terra. Destacasse aqui, que é nossa visão abstrata com vistas na cenografia itinerante das Escolas de Samba, devendo ser sublinhado que outras formas de apresentação cenográfica são importantes para o percurso como o Circo brasileiro e as Grandes e Pequenas sociedades Carnavalescas. A avaliação rigorosa das cenografias pelos jurados, seguindo critérios da Liga Independente das Escolas de Samba (LIESA), ressalta a importância da cenografia como elemento de competição e alta qualidade artística nos desfiles. Em resumo, para nós no percurso abstrato, aqui traçado, a cenografia nas Escolas de Samba do Rio de Janeiro é uma manifestação artística profundamente enraizada na cultura popular e com base na história do teatro.  Sua continuação como forma de arte efêmera e impactante é uma parte vital do Carnaval carioca.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcus Paulo de Oliveira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - ESDI-UERJ

Doutorando em Design pela Escola Superior de Desenho Industrial - Universidade do Estado do Rio de Janeiro - ESDI-UERJ. Mestre em Design pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro - EBA-UFRJ, Pós-graduado em Docência No Ensino Superior: Práxis Educativas, Universidade La Salle - UNILASALLE-RJ, e, em Cenografia pela Universidade Veiga de Almeida - UVA-RJ. MBA em História da Arte e da Cultura Visual pela Universidade Cândido Mendes - UCAM-RJ. Graduado em Design Gráfico pela Universidade Estácio de Sá - UNESA-RJ. Atualmente é colaborador de pós-graduação em Gestão e Design em Carnaval na Faculdade de Ciências, Educação, Saúde, Pesquisa e Gestão - CENSUPEG. Pesquisador do Observatório de Carnaval do Museu Nacional da UFRJ, com vínculo ao Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som - LÁBEIS.

Cristina da Conceição Silva, UNIGRANRIO/UCAM

Doutora em Humanidades, Culturas e Artes - PPGHC na Universidade do Grande Rio-UNIGRANRIO. Mestre em Letras e Ciências Humanas pela Universidade do Grande Rio – UNIGRANRIO. Especialista em Diversidade Étnica e Educação Afro e Indígena Brasileira - UFRRJ. Graduada em História pela UNISUAM e graduada em Pedagogia - UNISUAM. Professora Estatutária-(História) Prefeitura Municipal de Nova Iguaçu. Professora horista na Universidade Candido Mendes no Câmpus Araruama, atuando nos Cursos de Pedagogia, Administração de Empresa e Direito.

Referências

ABEL, Lionel. Metateatro. Rio de Janeiro: Zahar Editores,1968.

AMARAL, Marly Spinola do (2012). Tijuca!!! não é segredo eu amar você! 1.ª ed. Rio de Janeiro: Marly Spinola do Amaral. ISBN 978-85-913233-0-2.

ARAÚJO, Eugênio. OS TEMAS-ENREDOS DAS PEQUENAS ESCOLAS DE SAMBA CARIOCAS. Texto escolhidos de cultura e arte populares. Rio de Janeiro, v.7, n.2, p. 149-164, nov. 2010.

ARNHEIM, Rudolf. Arte e Percepção Visual. São Paulo: Pioneira, 1995.

AUGRAS, Monique. O Brasil do samba-enredo. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas,1998.

AUMONT, Jacques. A imagem. Campinas, SP: Papirus, 2004.

BABLET, Denis. e JACQUOT, Jean. Le Lieu Théatral dans la Société Moderne. Paris: Centre National de la Recherche Scienti que, 1988.

BACELAR, Jorge. Linguagem da Visão. www.bocc.ubi.pt. Acesso em 03 de fev. de 2003.

BASTOS, João. Acadêmicos, unidos e tantas mais - Entendendo os desfiles e como tudo começou. Rio de Janeiro: Folha Seca, (2010).

BAUHAUS. Archiv/Museum für Gestaltung. https://www.bauhaus.de/de/bauhaus-archiv/. Acesso em 23 dez. de 2003.

BERTHOLD, Margot. História Mundial do Teatro. São Paulo: Perspectiva, 2001.

BORIE, Monique; ROUGEMONT, Martine de; SCHERER, Jacques. Estética Teatral. Textos de Platão à Brecht. 2oed. Lisboa: Fundação Calouste Gul- benkian, 2004.

BRANDAO, Junito. O Teatro Grego - origem e evolução. Rio de Janeiro, 1980.

BRINGHURST, Robert. Elementos do Estilo Tipográ co. São Paulo. Cosac&Naify. 2005.

BROOK, Peter. O Teatro e seu Espaço. Petrópolis: Vozes, 1970.

BURINI, Débora. Cenogra a em Telenovela: Leitura de uma Produção. Dissertação de Mestrado, São Paulo: PUC, 1996.

CALVENTE, Emerson. Cenogra a Virtual. São Paulo: Revista Telaviva, jun 2001.

CAMPOMORI, Maurício J. L. A transdisciplinaridade e o ensino de projeto de arquitetura http://www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq000/esp234.asp. Acesso em 19 jun. de 2004.

CAMPOS, Haroldo de. Ruptura dos Gêneros na Literatura Latino-americana. São Paulo: Perspectiva, 1977.

CARDOSO, João Batista Freitas. Cenário Virtual. Uma representação tridimen- sional no espaço televisivo. Dissertação de mestrado, São Paulo: PUCSP, 2002.

CARLSON, Marvin. Teorias do Teatro. São Paulo: UNESP, 1997.

CHALHUB, Samira. Funções da Linguagem. São Paulo: Ática, 2000.

________________. A Metalinguagem. São Paulo: Ática, 2001.

COELHO NETTO, José Teixeira. Em Cena, O Sentido: Semiologia do Teatro. São Paulo: Duas Cidades, 1980.

DECUGIS, Nicole e REYMOND, Suzanne. Le Décor de Thêatre en France du Moyen Age à 1925. Paris: Compagnie Française des Arts Graphiques, 1953.

DPA - The Digital Performance Archive. http://dpa.ntu.ac.uk/dpa_site/. Acesso em 20 jul. de 2004.

DUCLÓS, Miguel. Sobre o conceito de mimesis e katharsis na Poética de Aristóteles. http://www.consciencia.org/antiga/aripoeti.shtml. Acesso em 23 mai. de 2004.

DUCROT, Oswald e TODOROV, Tzvetan. Dicionário Enciclopédico das Ciências da Linguagem. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2001.

EISNER, Lotte. O Écran Demoníaco. Aster Lisboa. s.d.

FALGETANO, Edylita e ROSA JR. Hamilton. 50 anos de TV. in revista Tela Viva, ago. 2000.

FARINA, Modesto. Psicodinâmica das Cores em Comunicação. São Paulo: Edgard Blücher, 1982.

FILHO, Daniel. O Circo Eletrônico: fazendo TV no Brasil. São Paulo:Jorge Zahar, 2001.

FREITAS, Lima de; MORIN, Edgar e NICOLESCU, Basarab. Carta do Primeiro Congresso Mundial de Transdisciplinaridade. Convento da Arrábida: Portugal, 1994.

FUÃO, Fernando Freitas. O sentido do espaço. Em que sentido, em que sentido? in http://www.vitruvius.com.br/arquitextos/ Acesso em 02 jun. de 2004.

GARDIN, Carlos e VENDRAMINI, José Eduardo. O Lúdico e o Didático em Brecht. in designos 6. São Paulo: Livraria Cortez, 1981.

MOTTA, Gilson. O Espaço da Tragédia. Rio de Janeiro. Perspectiva: 2011.

SANTOS, Nilton. A arte do efêmero: carnavalescos e mediação cultural na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Apicuri, 2009.

SILVA, Cristina da Conceição. Do batuque do Samba ao batuque do funk. Rio de Janeiro, 2018.

PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. São Paulo: Perspectiva, 1999.

Downloads

Publicado

2024-05-09

Como Citar

DE OLIVEIRA, Marcus Paulo; DA CONCEIÇÃO SILVA, Cristina. A Cenografia efêmera e instigante, entre fios, postes e passarelas, segue pelas ruas para o cortejo. A Luz em Cena: Revista de Pedagogias e Poéticas Cenográficas, Florianópolis, v. 3, n. 06, p. 1–25, 2024. DOI: 10.5965/27644669030620230203. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/aluzemcena/article/view/24455. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático: CENOGRAFIAS, ALEGORIAS E DEMAIS ELEMENTOS NO ESPAÇO DA CENA