AS MUDANÇAS EXPERIMENTADAS PELA CULTURA ESCOLAR DO ENSINO SECUNDÁRIO DEVIDO A IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA CAPANEMA DE 1942 E DA LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO DE 1961

Autores

  • Dayane Mezuram Trevizoli Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC
  • Letícia Vieira PPGE/UDESC
  • Norberto Dallabrida UDESC

Resumo

O presente texto propõe-se a realizar uma leitura acerca das mudanças ocorridas na cultura escolar prescrita do ensino secundário brasileiro a partir da Reforma Capanema de 1942 e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação de 1961, bem como analisar o contexto político e social englobados nestas reformas educacionais. As análises aqui realizadas buscarão abordar estas reformas comparando-as e buscando apreender suas rupturas e continuidades. Destaca-se, neste sentido, que a Reforma Capanema, efetivada a partir da Lei Orgânica do Ensino Secundário, teve como objetivo suprir a necessidade de reestruturação do sistema de ensino brasileiro, bem como a intensificação do ensino humanista e a formação de uma juventude comprometida com os ideais nacionalistas de construção do país. Da mesma forma, o projeto de Lei de Diretrizes e Bases da Educação passou a ser definido após o fim do Estado Novo e a retomada da democracia sob o governo do presidente João Goulart (1961-1964), onde ganha força a necessidade de valorização do ensino público e de combate ao analfabetismo. Logo, tendo em vista a urgência de atendimento destas novas demandas, o projeto da primeira Lei de Diretrizes e Bases da Educação previa autonomia e maior flexibilidade aos sistemas de ensino, colocando em destaque um currículo secundarista de caráter tecnicista e menos segregador, fomentando diversos debates que colocavam em questão os objetivos do sistema de ensino brasileiro.

Biografia do Autor

Dayane Mezuram Trevizoli, Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC

Graduanda do Curso de Pedagogia pela Universidade do Estado de Santa Catarina. Bolsista PIBIC/CNPq.

Downloads

Publicado

2013-10-21