Histórico do periódico

O primeiro número da revista Urdimento foi lançado em 1997, com o título: Urdimento – Revista de estudos sobre teatro na América Latina. O periódico era uma produção do Núcleo de Pesquisas Teatrais para a América Latina (Nptal), do Centro de Artes (CEART) e da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). O editor e idealizador da revista foi o Professor Doutor André Carreira. Segundo ele, “O crescimento e a consolidação de práticas de pesquisa teatral no âmbito da universidade brasileira demanda espaços de diálogo para que nossa produção seja um instrumento poderoso no processo de conhecimento e discussão dos fenômenos teatrais” (André Carreira, Editorial, Urdimento 1/1997). Com essa perspectiva, foram lançados os números 2 (1998), 3 (2000), 4 (2002) e 5 (2003).

A partir de sua sexta edição, em 2004 a Urdimento passou a ser uma produção do Programa de Pós-Graduação em Teatro cujo Curso de Mestrado, aprovado no segundo semestre de 2001, foi implementado no primeiro semestre de 2002. O periódico mudou de formato e denominação, passando a ser chamado de Urdimento – Revista de Estudos Pós-Graduados em Artes Cênicas. A revista normalizou sua periodicidade anual e houve mudança também em sua meta de ser “uma plataforma e caixa de ressonância para difundir estudos, ensaios e outros materiais que reflitam e documentem o pensamento e as pesquisas vinculadas às Artes Cênicas no Brasil e na América Latina” (Edélcio Mostaço, Apresentação, Urdimento n. 6/2004). Na edição de número 7(2005), anunciava-se aos leitores que o periódico tinha alcançado o conceito A junto ao qualis da CAPES para a classificação de periódicos nacionais.

Com o número 8 (2006) passou-se a adotar, na Urdimento, uma política de publicar na capa e na contracapa imagens de espetáculos produzidos nas disciplinas de Montagem Teatral I e II do Curso de Graduação em Teatro do CEART. O expediente visava dar visibilidade aos trabalhos produzidos no âmbito acadêmico. A revista número 9 (2007) teve novamente modificado seu título, passando a chamar-se Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas. Essa denominação se mantém até hoje (2019).

A adoção de dossiês temáticos iniciou-se na Urdimento de número 10 (2008), voltada a cinco subáreas da pedagogia teatral: “teatro na escola, formação do professor, formação do espectador, teatro na comunidade e prática como pesquisa” (Beatriz Cabral e Márcia Pompeo Nogueira, Editorial, Urdimenton. 10/2008). O lançamento do número temático motivou a publicação de número não temático, também em 2008, dada a demanda do conjunto de artigos submetidos à revista. Com a aprovação do Curso de Doutorado do PPGT em 2008 e sua implementação no ano seguinte, a Urdimento tornou-se um periódico semestral, já que “A Revista Urdimento é reflexo tanto da consolidação do projeto do PPGT, como do trabalho da equipe de professores, estudantes e técnicos que tem feito do Programa um espaço de intercâmbio e reflexão que vai muito além da rotina diária de aula, orientações e defesas” (André Carreira, Apresentação, Urdimenton. 11 (2008). Do numero 11 (2008) até o numero 19 (2012), foram publicados dois números da revista por ano: um temático e o outro constituído por artigos de Fluxo Continuo.

Outra relevante mudança no formato, objetivos e estrutura da Urdimento se deu com o v. 1 n. 16 (2011), que passou a ser impresso em tamanho A4, e incorporou seções dedicadas a entrevista e ensaio fotográfico. Desejava-se agora dar visibilidade aos processos cênicos, com isso não bastava mais a capa e contracapa serem de espetáculos do CEART, era preciso fazer ensaios fotográficos sobre os espetáculos. As imagens do ensaio fotográfico com o v. 1 n.18 (2012) passaram a ser impressas em cores, permitindo dessa forma outra visualidade dos espetáculos encenados no curso de teatro do CEART. Com o v. 1 n. 20 (2013) adotou-se outra organização para a revista. “A partir de agora, publicaremos em cada numero, um dossiê temático, além das tradicionais seções de artigos abertos, entrevistas e resenhas. Essa reformulação permitiu uma melhor distribuição de artigos recebidos via fluxo continuo, sem enfraquecer o nosso compromisso com a criação de um corpo temático de pesquisa, promovendo estímulo e suporte teóricos para futuras reflexões sobre os diferentes temas abordados” (Maria Brígida de Miranda, Stephan Baumgärtel e Vera Collaço. Apresentação. Urdimenton. 20/ 2013).

As mudanças, ao longo desses vinte e dois anos de história (1997-2019) revelam que este periódico se mantem vivo e em permanente busca de aproximar-se do pensamento e da prática teatral contemporânea ou histórica. E, ao transformar-se a Urdimento foi se reinventando e se apropriando das novas ferramentas advindas da implementação dos cursos de Mestrado e Doutorado em Teatro, junto ao CEART/UDESC. Também deve-se observar que nesse percurso diferentes editores, que assumiram a responsabilidade de continuar produzido esse relevante periódico, hoje qualis A1 na CAPES, foram estreitando os laços entre a produção artística da graduação e a reflexão teórica/prática na pós-graduação. Esta aproximação de áreas fica exposta nos “Ensaios fotográficos” dos espetáculos produzidos no Curso de Graduação do CEART. Esses trabalhos podem envolver alunos e docentes dos diferentes cursos de teatro do CEART. Com isso, cria-se uma visualidade de nossa produção/processos e, ao mesmo tempo, estimula-se os alunos da graduação, bem como os de pós-graduação, no acesso e leitura a esse periódico.

Ressaltamos, que com o v. 1 n. 22 (2014) a revista Urdimento deixou de ser impressa e torna-se um periódico, exclusivamente, online. Um novo formato foi projetado com o intuito de ampliar a capacidade de visualidades, através de filmes, imagens móveis, etc. Com isso, desejamos contribuir para a dilatação e reverberação de estudos e práticas das artes cênicas. 

Por fim, destacamos que com o numero 29, v. 1, de 2017, a Urdimento passou a ser quadrimestral. Com publicações, previsíveis, para os meses de março/abril, agosto/setembro e novembro/dezembro de cada ano.