Discursos para o espelho: limites e transgressões do monólogo institucional

Maurício Penteado Trentin

Resumo


Um ensaio sobre os limites da prática curatorial contemporânea, suas estratégias de controle e discurso e sua possível alienação em relação a seu objeto original. É possível que uma noção tão interessante como a compreensão da curadoria como cocriação (ou coprodução) passe a ser o discurso da prática instrumentalizada de uma curadoria com agenda própria? Pode a curadoria, atravessando seus limites desejáveis, se tornar corrosiva para a arte? Estruturas que obrigatoriamente nascem de práticas dialógicas, em um esforço de autossuficiência, tenderiam ao controle de discursos estéticos, ou pior, à produção própria de seus objetos futuros de análise?

Palavras-chave: Curadoria; Práticas curatoriais; Arte contemporânea; Discursos institucionais; Limites.


Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Indexadores, diretórios e bases de dados

      


Revista Palíndromo - Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC - Centro de Artes - CEART

Endereço: Av. Madre Benvenuta, 1907 - Itacorubi - Florianópolis - SC - CEP: 88035-001

ISSN 2175-2346



A Revista Palíndromo está disponível sob a Licença
Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.