Lygia Clark: Os limites do gênero do corpo na série Roupa-corpo-roupa

Flavia Jakemiu Araujo Bortolon

Resumo


O artigo pretende debater as questões dos limites do corpo conforme proposto pela artista plástica brasileira Lygia Clark, por meio de suas obras sensoriais (1965/1969). Para tal fim, foi realizada uma pesquisa documental em textos de críticos de arte, jornais e cartas da artista, durante o período de sua produção até exposições mais recentes. O corpo passou a fazer parte da obra, possibilitando o questionamento das sensações que são impostas por instrumentos (objetos sensoriais) e por espaços onde se inserem. A obra desses artistas passou a questionar não somente o que é arte, mas também o local onde essas peças podiam ser apresentadas. Leitora do filósofo Merleau-Ponty, Clark propunha experiências fenomenológicas, participativas, que não deixavam o espectador passivo perante os movimentos do objeto e do corpo. Assim, Lygia Clark posicionou-se diante dos limites, sensoriais e éticos do corpo, a interação entre corpo e obra por meio da problematização ou mesmo da inversão de performances generificadas

Palavras-chave


Lygia Clark, obras sensoriais, gênero.

Texto completo:

PDF PT


Direitos autorais Flavia Jakemiu Araujo Bortolon

Licença Creative Commons

      http://www.revistas.udesc.br/public/site/images/rocha1/ceart1.png