Renda de Bilros: estudo de pontos tecidos nas regiões Nordeste e Sul do Brasil

Vera Lucia Felippi da Silva, Gabriela Trindade Perry

Resumo


Considerando a importância histórica, cultural e social da produção de renda de bilros no Brasil, este estudo abrange aspectos imateriais e materiais deste patrimônio, tendo como objetivo fazer uma reflexão sobre como são tratados pontos de renda de bilros, considerando suas nomenclaturas e estruturas têxteis, tendo como recorte geográfico dois extremos do país: a região sul e a região nordeste. Essas regiões se destacam pela produção artesanal da renda e pesquisas científica sobre o tema. Para alcançar o objetivo foram estudados 61 pontos e observou-se que apenas 39,5% destes pontos são conhecidos em ambas as regiões. Trata-se de um estudo qualitativo, de natureza aplicada, fundamentado em pesquisa bibliográfica, documental e visita técnica.


Palavras-chave


Renda de bilros; Pontos de renda de bilros; Patrimônio brasileiro

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Juliana D. Modelagem situada de metodologia da Oficina de Desenho de Renda de Bilro. 2010. Natal: 2010. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Centro de Tecnologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2010.

BALBINOT, Gabriela; PEREIRA, Renata S; ZANELLA, Andrea V. A renda que enreda: analisando processos de constituir-se rendeira. Educação&Sociedade, Vol. 21, n. 71. Campinas, jul., 2000. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2017.

BARROS, Kléber S. Análise antropotecnológica do desenvolvimento de novos produtos na produção artesanal: caso das rendeiras de bilro da Vila de Ponta Negra em Natal. Natal: 2009. Dissertação (Mestrado em Engrenharia de Produção) – Centro de Tecnológia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.

BRUSSI, Júlia Dias Escobar. Da “renda roubada” à renda exportada: a produção e a comercialização da renda de bilros em dois contextos cearenses. Dissertação Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília. 2009

CARTILHA me ensina a fazer renda: princípios básicos da renda de bilros: histórico, elementos da renda, como fazer técnica básica, pontos básicos da renda. Florianópolis: HB Editora Valorizando o tempo, 2015.

CORDEIRO, Angela D. Rendeiras da Vila de Ponta Negra: o ensino da renda de bilro e de desenho como alternativa de continuidade de uma tradição de produção artesanal. Natal: 2010. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Centro de Tecnologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2010.

COSTA, Raquel Pires. RENDAS, REDES E LENDAS: o vocabulário das rendeiras do município de Raposa, Maranhão. Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. 2016

EARNSHAW, Pat. Bobbin & Needle lace – Identifications and Care. London: Batsford Craft Ltda, 1983.

EARNSHAW, Pat. A dictionary of lace. London: Shire Publications Ltd, 1988.

EARNSHAW, Pat. The Identification of Lace. 3th. ed. London: Shire Publications Ltd, 2000

ETCHEVERRY, Delia. 2013. Encajes: história e identificación. Argentina: Fundación Museo Del Traje.

GANEM, M. 2013. Design dialógico: uma estratégia para gestão criativa de tradições. Dissertação, Bahia: Universidade Federal da Bahia.

GIRÃO, Valdelice Carneiro. Renda de bilros. Fortaleza: Instituto do Ceará, 2013.

INSTITUTO ESTADUAL DO PATRIMÔNIO CULTURAL DO RIO DE JANEIRO. Divisão de folclore: Rendeiras de Bilro no Estado do Rio de Janeiro. 2004. Disponível em: Acesso em 30 mar. 2017.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Patrimônio Imaterial. Disponível em: Acesso em 02 set. 2016.

MATSUSAKI, Bianca do Carmo. Trajetória de uma tradição: renda de bilros e seus enredos. Dissertação (Mestrado em Ciências) PPG em Têxtil e Moda. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2016.

MINITÉRIO DA CULTURA. Cultura em números: anuário de estatísticas culturais. 2ª edição. Brasília: MinC, 2010. Disponível em: Acesso em 29 jul. 2017.

PALLISER, B.A. History of lace. London: Sampson, Low, Son, and Marston, 1869.

POWERHOUSE MUSEUM. Lace Study Centre. .Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 17.

RAMOS, L.; RAMOS, A. A renda de bilros e sua aculturação no Brasil: nota preliminar e roteiro de pesquisa. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Antropologia e Etnologia, 1948.

SEBRAE. Estudo setorial artesanato. Disponível em: . Acesso em 31 Jul. de 2017.

SEBRAE. Bordados e rendas para cama, mesa e banho: estudos de mercado: 2008. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2017.b.

UNESCO. Convenção para a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial. Brasília: Ministério das Relações Exteriores, 2006. Disponível em: Acesso em 17 ago. 2017.

WENDHAUSEN, Maria Armênia Müller. Renda de bilros – um legado açoriano transcendendo séculos em Florianópolis. Blumenau: Nova Letra, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/1982615x11212018126

Direitos autorais Vera Lucia Felippi da Silva, Gabriela Trindade Perry

Licença Creative Commons

      http://www.revistas.udesc.br/public/site/images/rocha1/ceart1.png