Escaneamento Tridimensional da Cabeça Humana para a Análise Antropométrica no uso de Capacetes Balísticos

Márcio Fontana Catapan, Maria Lucia Ribeiro Okimoto, Fábio Evangelista Santana, Yago Weschenfelder Rodrigues

Resumo


No desenvolvimento de novos produtos a adequação e as melhorias dos artefatos têm sido a preocupação da ergonomia, com foco à preservação da integridade física, mental e social do ser humano. A alta competitividade e a busca por novas tecnologias, que diferenciem os produtos industriais, indicam um ambiente propício para essa utilização como fator de inovação. Na área militar, sabe-se que no campo de batalha muitos soldados não usam constantemente o capacete balístico devido ao seu desconforto. Atualmente, estudos relatam que aproximadamente a metade das mortes nos campos de batalhas é devido a projéteis deflagrados na cabeça do soldado. No entanto, outros estudos mostram que este artefato após poucos minutos, em uso contínuo, torna-se pesado e instável para os usuários. Ou seja, comprova-se que se alguns soldados não usam o capacete quando necessário é porque o mesmo incomoda. É neste ponto que está o objetivo deste trabalho. Através do escâner Tridimensional, aliado com ferramentas computacionais como análises CAD, buscar-se-á captar imagens e dados da cabeça humana para um grupo de pessoas previamente definidos. Pretende-se verificar se as medidas estão de acordo com os capacetes balísticos usados atualmente nas forças armadas e também analisar se existe diferença dessas medidas. Com o processo de Digitalização Tridimensional obtêm-se, com precisão, detalhes de superfícies que em métodos tradicionais com paquímetro e fita antropométrica, que não é constatado devido sua análise ser unidimensional. Assim a técnica proposta neste artigo apresenta-se como uma ferramenta capaz de proporcionar um diferencial para o projeto de capacetes balísticos, criando novas possibilidades no seu dimensionamento.

Texto completo:

PDF