Efeito da irrigação por aspersão no rendimento e potencial fisiológico das sementes de soja

Marciabela Fernandes Corrêa, Renan Navroski, Luis Osmar Braga Schuch, Francisco de Jesus Vernetti Junior, Tainan Lopes de Almeida, Hélen Claudine Saliba Rodrigues, Ariele Paula Nadal, Gizele Ingrid Gadotti

Resumo


A irrigação por aspersão pode minimizar os efeitos negativos da deficiência hídrica e aumentar o rendimento e desempenho de sementes de soja no campo. Assim, o objetivo do trabalho foi avaliar o efeito da irrigação por aspersão no rendimento e potencial fisiológico das sementes de soja produzidas em solos de várzea. Os tratamentos foram constituídos por oito cultivares de soja e dois regimes hídricos: com e sem irrigação por aspersão. Foram utilizadas cultivares de soja BMX Força RR, BRS Tertúlia RR, CD 249 RR STS, BMX Potência RR, do grupo de maturação (GM) 6 e BRS 246 RR, BRS Charrua RR, BRS Taura RR, e CD 231 RR, do grupo de maturação (GM) 7. As variáveis analisadas foram o rendimento de sementes, germinação, primeira contagem da germinação, envelhecimento acelerado, condutividade elétrica, emergência em campo e peso de mil sementes. A irrigação por aspersão na cultura da soja em solo de várzea proporciona acréscimos no rendimento de todas as cultivares em estudo, variando os acréscimos entre 32% a 139% e proporciona acréscimo no potencial fisiológico de sementes das cultivares BMX Força RR, BRS Tertúlia RR, CD 249 RR STS, BMX Potência RR, e BRS Taura RR.


Palavras-chave


Glycine max, déficit hídrico, germinação, solo de várzea.

Texto completo:

PDF

Referências


AOSA. 2002. Association of Official Seed Analysts. Seed vigor testing handbook. Lincoln: AOSA. 105p. (Contribuition, 32).

CONAB. 2012. Companhia Nacional de Abastecimento. Acompanhamento da safra brasileira de grãos: nono levantamento. Brasília: CONAB. 34p.

COSTA RCL. et al. 2008. Biochemical and physiological responsesin two Vigna unguiculata (L.) Walp. cultivars under waterstress. Journal of Agronomy 7: 98-101.

CRUSCIOL CAC et al. 2002. Produtividade e qualidade fisiológica de sementes de duas cultivares de arroz de terras altas em dois sistemas de cultivo. Revista Acta Scientiarum 24: 1569-1574.

CRUSCIOL CAC. et al. 2012. Fornecimento de água por meio de irrigação por aspersão para produção de sementes de arroz de terras altas. Bioscience Journal 28: 34-42.

DORNBOS DL et al. 1989. Drought stress effects during seed fill on soybean seed germination and vigor. Crop Science 29: 476-480.

GAZOLLA NETO A & SCHUCH LOB. 2013. Produção de semente e o avanço da soja na Metade Sul do Rio Grande do Sul. Seed News 17: 36-37.

HEATHERLY LG. 1993. Drought stress and irrigation effects on germination of harvested soybean seed. Crop Sciense 33: 777-781.

HERZOG RLS et al. 2004. Produtividade de soja em semeadura direta influenciada por profundidade do sulcador e adubo e doses de resíduos em sistema irrigado e não irrigado. Engenharia Agrícola 24: 771-780.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. 2018. Produção agrícola municipal. Rio de Janeiro: IBGE. Available at: http://www.sidra.ibge.gov.br/tabela/1612. Accessed at: 09 mar. 2018.

KUSS RCR et al. 2008. Populações de plantas e estratégias de manejo de irrigação na cultura da soja. Ciência Rural 38: 1133-1137

MAEHLER AR et al. 2003. Potencial de rendimento da soja durante a ontogenia em razão da irrigação e arranjo de plantas. Pesquisa Agropecuária Brasileira 38: 225-231.

MAPA. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: MAPA/ACS. 399p.

MARCHESAN E. 2013. Desafios e perspectivas de rotação com soja em áreas de arroz. Disponível em: http://cbai2013.web2265.uni5.net/docs/cbai2013_palestra_enio_marchesan.pdf. Acesso em: 4 mai 2015.

MARCOS FILHO J. 2005. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ. 495p.

MARCOS FILHO J. 1999. Teste de envelhecimento acelerado. In: KRZYZANOWSKI FC et al. (Ed.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES. p.1-24.

MARCOS FILHO J. 2013. Importância do potencial fisiológico de sementes de soja. Informativo Abrates 23: 21-24.

MOTA FS et al. 1996. Análise agroclimática da necessidade de irrigação da soja no Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agrometeorologia 4: 133-138.

SALINAS AR et al. 1996. Respuestas fisiológicas que caracterizan el comportamiento de diferentes cultivares de soja a la deficiencia hídrica en el suelo. Pesquisa Agropecuaria Brasileira 31: 331-338.

SILVA JB et al. 2007. Avaliação de genótipos de soja em semeadura de inverno, em Selvíria, MS: produção e qualidade fisiológica de sementes. Revista Brasileira de Sementes 29: 169-176.

TAVARES LC et al. 2013. Desempenho de sementes de soja sob deficiência hídrica: rendimento e qualidade fisiológica da geração F1. Ciência Rural 43: 1357-1363.

THOMAS AL & COSTA JA. 2010. Estresse hídrico em soja: impacto no potencial de rendimento de grãos. In: THOMAS AL & COSTA JA. Soja: manejo para alta produtividade de grãos. Porto Alegre: Evangraf. 248p.

TILLMANN MÂA & MENEZES NL. 2012. Análise de sementes. In: PESKE ST et al. Sementes: fundamentos científicos e tecnológicos. 3.ed. Pelotas: UFPel. p.161-272.

TUNES LM et al. 2008. Testes de vigor em sementes de aveia branca. Revista da FZVA 15: 94-106.

VERNETTI JUNIOR FJ & NUNES TL. 2010. Avaliação de cultivares da rede soja sul de pesquisa do grupo de maturidade seis tolerantes ao glifosato, na Embrapa Clima Temperado. Pelotas: Embrapa. p. 17-22. (Documentos 322).

VERNETTI JUNIOR FJ. et al. 2011. Cultivares de soja num sistema de produção com arroz, irrigados por aspersão. Resultados de pesquisa de soja na Embrapa Clima Temperado. Pelotas: Embrapa. p.61-66. (Documentos, 340).

VIEIRA RD et al. 2004. Electrical conductivity of the seed soaking solution and soybean seedling emergence. Scientia Agricola 61: 164-168.




DOI: https://doi.org/10.5965/223811711832019482

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171