Docência e planejamento de cursos para as áreas da Economia Criativa

Heloisa Helena de Oliveira Santos

Resumo


O artigo tem como objetivo discutir a atuação docente na formulação de cursos em instituições públicas de ensino. Para discutir esta atuação, a metodologia proposta é a de formulação de um curso cujas etapas envolvem o diagnóstico e análise do histórico, características e necessidades/demandas do local em que o curso se insere, incluindo o acompanhamento do público que atualmente frequenta a instituição de ensino, alinhamento com a proposta institucional e proposta de curso que se fundamente nestas informações levantadas. Também apresentamos, no artigo, os resultados do planejamento de um curso livre que tem como referência as noções de economia criativa e que busca atender a demanda específica de formação de mulheres, população mais vulnerável socialmente, em uma região empobrecida localizada na Baixada Fluminense/Rio de Janeiro.


Texto completo:

PDF

Referências


CANO, Ignácio; SENTO-SÉ, João Trajano; RIBEIRO, Eduardo. Mapeamento da criminalidade na área metropolitana do Rio de Janeiro. 2004. Disponível em: < http://www.lav.uerj.br/docs/rel/2004/map_crim_rio_2004.pdf >. Acesso em: 09 Jul. 2017;

DE MARCHI, Leonardo. “Entre o desenvolvimento econômico e o direito à cultura: uma análise dos usos do termo ‘economia criativa’ pelo governo brasileiro”. In. Anais do XI Congreso Latinoamericano de investigadores de la comunicación. 2012a. Disponível em:

< http://alaic2012.comunicacion.edu.uy/sites/default/files/leonardo_de_marchi_economia_criativa_e_politicas_de_cultura_artigo_1.pdf >. Acesso em: 10/07/2014.

______. “Construindo o conceito de economia criativa no Brasil: política

cultural no contexto neodesenvolvimentista brasileiro”. In. Anais do XXXV Congresso Brasileiro de Ciência da Comunicação/INTERCOM. 2012b. Disponível em: . Acesso em: 10/07/2014.

______. Construindo um conceito neodesenvolvimentista de economia

criativa no Brasil: Política Cultural na era do novo MinC. Novos Olhares, São Paulo, v. 2, n. 2, jul./dez. 2013. Disponível em: < www.revistas.usp.br/novosolhares/article/viewFile/69826/72486 >. Acesso em: 10/07/2014.

FIRJAN. A Cadeia da Indústria Criativa no Brasil. In. Estudos para o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro, n.2, mai. 2008. Disponível em: < http://www.firjan.org.br/data/pages/2C908CEC3286DF68013286FCB8CE2E1C.htm >. Acesso em: 23/07/2014.

IBGE. Cidades: Belford Roxo. 2016. Disponível em: < http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=330045&search=||infogr%E1ficos:-informa%E7%F5es-completas >. Acesso em: 08 Jul. 2017;

MICHETTI, Micheli. “Da mestiçagem como panaceia à diversidade como (anti) commodity: notas sobre economia criativa no Brasil”. In. Latitude, v. 6, n. 2, pp. 175-190, 2012b. Disponível em: < http://www.seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/877/573 >. Acesso em: 11/07/2014.

MINC. Plano da Secretaria de Economia Criativa: Políticas, diretrizes e ações 2011-2014. Brasília: MINC, 2012;

PACHECO, Eliezer. Os institutos federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Brasília: MEC, s/a;

PNUD. Ranking IDHM Municípios 2010. 2013. Disponível em: < http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/rankings/idhm-municipios-2010.html >. Acesso em: 08 Jul. 2017;

PREFEITURA/RJ; SEBRAE/RJ. Territórios da moda: a indústria da moda na cidade do Rio de Janeiro [Relatório de Pesquisa: Etapa Quantitativa]. Rio de Janeiro: Prefeitura/RJ, 2011;

REIS, Ana Carla Fonseca (Org). Economia Criativa como estratégia de desenvolvimento: uma visão dos países em desenvolvimento. São Paulo: Itaú Cultural, 2008;

SILVA, Caetana Juracy Resende. Institutos Federais Lei 11.892, de 29/12/2008: comentários e reflexões. Natal: IFRN, 2009;

SOROSINI, Marcela. Polos de Jeans no Rio vendem calça a R$20. O dia [Caderno Economia]. 17/09/2015. Disponivel em: < https://extra.globo.com/noticias/economia/polos-de-jeans-no-riovendem-calcas-partir-de-20-8287085.html >. Acesso em 08 Jul. 2017;

KLAMER, Arjo. Pensar Economia Criativa pede por outra ciência econômica: introduzindo a abordagem “Value Based”. In.: VALIATI, Leandro; MOLLER, Gustavo. (Org.). Economia criativa, cultura e políticas públicas. Porto Alegre: Editora da UFRGS/CEGOV, 2016.

UNCTAD/Conferência das Nações Unidas para Comércio e Desenvolvimento. Relatório de economia criativa 2010. Nações Unidas, 2010;

WIKIPEDIA. Baixada Fluminense. 21/5/2017. Disponível em:

< https://pt.wikipedia.org/wiki/Baixada_Fluminense >. Acesso em: 09 Jul. 2017;




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/25944630212018149

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Heloisa Helena de Oliveira Santos

Indexadores, diretórios e bases de dados

      

Endereço: Lab. Moda e Sociedade - sala 51 | Av. Madre Benvenuta, 1907 - Itacorubi - Florianópolis - SC - CEP: 88035-001. 

Email: modaesociedade@gmail.com

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Esta revista é um projeto interinstitucional entre os programas de pós graduação em artes, design e consumo da PPGAV/UDESC, ICA/UFC, PPGD/UFPE e PGCDS/UFRPE, com apoio da Diretoria de Ensino da Abepem.